Follow by Email

quinta-feira, 2 de junho de 2011

A LUZ E A ESCURIDÃO

"É melhor acender uma luz, mesmo pequena, do que amaldiçoar a escuridão." (Confucio)

Acender luzes é fazer o bem sem olhar a quem, mesmo que estejamos ajudando o próximo em uma quantidade mínima já é algo bom e trará bons frutos. Já quando não o conhecemos e o julgamos é um amaldiçoamento a escuridão, e um erro gravíssimo que nada traz de positivo.

Fazendo o bem, agimos de forma correta, toda bondade gera positividade, quanto mais positivo alguém é, menos negativo ele será e seu caminho estará sendo iluminado. Sem compromisso, ser bom é fazer o bem sem esperar que o outro pague pela ajuda os te retribua com a mesma, é iluminar o mundo, é a mais pura bondade, é a bondade que Deus nos ensinou.

Alguém é tão bom quanto Deus? Não, pois só ele é tudo, é o máximo, o ilimitado, o eterno. Nós podemos viver a bondade, no agir, no pensar, contribuindo com a prosperidade. Isso está de acordo com a vontade de Deus, ele quer que sejamos bons de corpo e alma.

Quando olhamos a escuridão, algo que não conhecemos alguém estranho, de modo algum podemos dizer que é ruim. Nem sequer tentamos saber da sua essência, que julgamento maldoso, que pensamento negativo, assim as luzes do mundo se apagam e a escuridão se expande. Nesse momento impedimos que a bondade prosperasse, ela está sendo restringida absurdamente.

Se um ato de bondade acende uma luz, a sua falta é omissão, e a omissão é um ato direcionado ao mal, é o deixar de agir quando se podia fazer o bem, sem uma justificativa boa, pois é uma justificativa pessoal ou grupal, deixamos de pensar amplamente e mantemos uma idéia íntima. Nem tudo que achamos bom e correto é na verdade o certo e nem a real bondade.

Amaldiçoar a escuridão é ruim, ruim porque amaldiçoar é maldade e gera negatividade, e se na escuridão existe o bem, que sequer foi descoberto vai se matar o bem? Pura maldade, não leva a lugar algum, um pensamento que deve ser refeito senão essa pessoa não seguirá por um caminho iluminado por Deus, embora ele seja misericordioso e posso perdoá-la. Pois sua bondade é imensa e quem somos nós para medir tal bondade? O homem de modo algum pode mediar à bondade de Deus, tentar isso é impor limites a ela.

Se pararmos de julgar e começarmos a agir com bondade começaremos a contribuir para iluminação do mundo.