Follow by Email

domingo, 27 de abril de 2014

O GATO E OS RATOS


(Esopo)

Em uma casa havia muitos ratos. Sabendo disso, um gato foi para lá e começou a agarrar e devorar um por um. Os ratos, ao se verem dizimados, passaram a se esconder em seus buracos, e o gato não mais podia alcançá-los. Entendeu então que era preciso chamá-los para fora usando um ardil. Por isso, subiu em uma estaca de madeira e ali, suspenso, fingiu-se de morto. Um dos ratos, porém, vendo aquilo, disse: “Ora, meu amigo, mesmo que te tornes um saco, eu não me aproximarei de ti”.” (Esopo)

Quando se sabe das possíveis ações de alguém, ao se aproximar dele, já se sabe o que é possível de acontecer.

Se as intenções da pessoa já foram praticadas com alguém, outros são capazes de serem alvo das mesmas intenções.

Um novo comportamento de alguém com atitudes repetitivas pode ser uma maneira de enganar e capturar outras.

Se vamos nos aproximar dessas pessoas, já devemos saber que suas novas ideias podem ser suas novas artimanhas.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

O MAIOR FAVOR QUE SE PODE FAZER A UMA SEMENTE



(Augusto Cury – Augusto Jorge Cury)

O maior favor que se pode fazer a uma semente é enterrá-la.” (Augusto Cury – Augusto Jorge Cury)

A semente que se enterra é capaz de germinar, crescer e frutificar.

Muitas sementes são plantadas, essas possuem uma chance, tem alguém que pretende colher seus frutos.

Outras sementes não possuem a mesma chance, mas qualquer pessoa pode lhes fazer o favor de enterrá-las e a partir daí elas recebem o maior favor de sua vida, a chance que elas necessitavam para germinar, crescer e frutificar.

Quando uma semente é posta em um local, ela recebe o 2º passo de sua vida, pois, o 1º passo já foi o surgimento da semente, o 3º passo depende do local onde ela está ou da força da semente em se desenvolver mesmo que esteja em um local desfavorável.

Embora pareçam frágeis e minúsculas, as sementes possuem vida e quando são enterradas, elas podem se desenvolver e no futuro surpreender tanto àqueles que a descartaram quanto àquele que lhe deu uma chance de viver, ela dará bons frutos que demonstram seu valor.

As sementes podem mostrar uma lição de vida, todas são importantes, possuem valores e não devem ser desprezadas.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

O GATO E O GALO


(Esopo)

Um gato que tinha apanhado um galo, buscava um pretexto para comê-lo. Acusou-o, então, de importunar os homens, pois suas cantorias durante a noite não os deixavam dormir. O galo respondeu que assim fazia para lhes ser útil, porque os acordava para os trabalhos habituais. O gato acusou-o, então, de ultrajar a natureza, acasalando-se com a mãe e as irmãs. O galo respondeu que só fazia isso no interesse dos donos, porque assim elas botavam ovos em quantidade. E o gato disse então: “Ora, talvez tu apresentes muitos e bons argumentos, mas eu não deixarei de comer-te”. E o devorou.” (Esopo)

A natureza má não respeita a verdade e nem a bondade, ela age sem escrúpulos para conseguir seus objetivos.

A vontade de fazer o mal chega a brincar com o bem, o faz demonstrar todos os motivos para se evitar o mal e após a exposição dos mesmos o mal ainda é praticado.

A natureza má não se utiliza de argumentos e pretextos que justifiquem a vontade de praticar o mal, ela pratica o mal independentemente de tudo que exista e não exista ao seu redor.

A vontade de fazer o mal só se satisfaz momentaneamente quando o mal é praticado diante de um bem.

terça-feira, 15 de abril de 2014

O PENSAMENTO CONSCIENTE É VIRTUAL


(Augusto Cury – Augusto Jorge Cury)

O pensamento consciente é virtual. Tudo o que vocês pensam sobre vocês mesmos não é real. É apenas uma interpretação de quem são e não a realidade essencial de quem são. Seus pensamentos podem se aproximar da sua realidade interior ou se afastar dela. Por isso, ao pensarem sobre si mesmos, vocês podem ser estúpidos, colocando-se acima dos outros e querendo controlá-los, ou podem ser carrascos de si mesmos, diminuindo-se e permitindo ser controlados por eles. Aprendam a pensar com consciência crítica. Caso contrário, tratarão de doenças, mas serão doentes...” (Augusto Cury – Augusto Jorge Cury)

Vivemos em um mundo material, aparente, cheio de ilusão, um mundo virtual que pode revelar a verdade ao homem que busca este caminho.

Se não buscamos a verdade, também não podemos nos conhecer, apenas achamos e pensamos que somos o que não somos, um personagem virtual em um mundo material e repleto de mistérios.

Quando deixamos de viver para o corpo e nos aproximamos da realidade da nossa alma, buscando sua origem e conhecimento, também passamos a enxergar a vida no mundo e os segredos que vão sendo revelados aos homens.

O desapego e a purificação substituem o apego e o materialismo que oprime e escraviza o homem, ele começa a perceber que nada aqui é real e que ele caminhava na direção oposta da verdade, vivia no mundo da fantasia e dos desejos.

O pensamento crítico faz o homem refletir, é uma crítica consciente, pois, primeiro ele indaga a realidade que vê, descobre a verdade que é e a partir daí constrói um pensamento crítico consciente que trará algum bem ao mundo, que aconselhará que os outros homens reflitam, indaguem a realidade que vêem e passem a ser conscientes.


sábado, 12 de abril de 2014

OS BENS E OS MALES


(Esopo)

Sempre mais fracos, os Bens, sendo perseguidos pelos Males, subiram ao céu onde perguntaram a Zeus como deveriam comportar-se com os homens. Zeus lhes disse que deveriam aproximar-se dos homens não todos juntos, mas um de cada vez. Por isso, os males, por estarem mais perto dos homens, se achegam a eles em grupos, enquanto os bens, descendo do céu, o fazem aos poucos.” (Esopo)

O mal sempre persegue o bem, tenta vencê-lo, mas o bem prevalece e tem proteção divina.

A ganância e a ambição dos males mostram uma força aparente, que está cheia de ignorância e arrogância, enquanto a fragilidade aparente dos bens revelam a força da perseverança e da persistência.

Os males são fáceis de serem encontrados e existem em grande quantidade, sua união é destrutiva deles mesmos e de quem se aproxima deles. Os bens existem em menor quantidade, são mais difíceis de se encontrar, mas não são impossíveis, a união dos bens é forte e resistente.

Os homens devem se afastar e evitar os males, caso contrário, não encontrarão os bens.

terça-feira, 8 de abril de 2014

O POETA DA VIDA


(Augusto Cury – Augusto Jorge Cury)

Relatou que ele sabia transformar as coisas simples num espetáculo aos seus olhos. Fazia da aurora um momento de meditação. Considerava o orvalho da manhã como pérolas anônimas que por instantes aparecem e logo se dissipam, mas só os sensíveis as percebem. Despedia-se da Lua como se despede de uma amiga. Cantava quando as gotas de chuva umedeciam a terra. Era apaixonado pela vida, pela natureza e pelo Autor da existência.” (Augusto Cury – Augusto Jorge Cury)

O poeta da vida aprende a cada segundo, vê o que nem sempre os outros vêem, sente o que nem todos sentem, tudo isto, estando num mesmo local onde também estão outras pessoas.

O que para muitos não tem valor, é desprezado ou passa despercebido, ele vê como uma peça de um espetáculo cheio de sentidos e emoções, tudo muda a partir de um olhar e de uma percepção.

O poeta da vida vê com amor, sente as essências naturais e separa o espírito da matéria, conhece os valores universais que não são percebidos pelos materialistas.

A natureza se revela, a criação mostra o amor e o zelo do Creador, que nos proporciona uma bela vida e devemos nos render a ele, mas, para muitos ele está oculto e muito distante, embora esteja ao nosso lado passa despercebido.

O poeta da vida não possui apegos, ele não ama o mundo, mas ama vivenciar a vida e a natureza, ele é um exemplo a ser seguido no mundo, ele vive a revelar as coisas simples e belas da vida.

A vida é passageira, enquanto existe apego a poucas coisas fúteis e materiais, deixa-se de perceber as milhares de maravilhas da existência, minimiza-se a aproximação e a união com a natureza, a criação do criador para eles possui mais importância e valor que toda a obra do Creador.

O poeta da vida mostra rendição, amor e devoção ao Pai.