Follow by Email

terça-feira, 30 de abril de 2013

A FELICIDADE E A HARMONIA




Mahatma Gandhi – Mohandas Karamchand Gandhi
 
Gandhi


“A felicidade é quando o que você pensa, o que você diz e o que você faz estão em harmonia.” (Mahatma Gandhi – Mohandas Karamchand Gandhi)

Quando o homem está em comunhão com Deus, ele também está em plena harmonia e felicidade.

Quando o homem pensa de forma feliz, ele pensa de acordo com a maneira que Deus preceitua que ele pense.

Quando o homem age de acordo com a vontade e os planos de Deus, ele vive feliz e em harmonia com o próximo.

Quando o homem faz as coisas com bondade e alegria, ele não dá espaço para maldade e para infelicidade e a desarmonia.


segunda-feira, 29 de abril de 2013

O SILÊNCIO



Mahatma Gandhi – Mohandas Karamchand Gandhi
 
Gandhi


“O silêncio já se tornou para mim uma necessidade física e espiritual. Inicialmente escolhi-o para aliviar-me da depressão. A seguir precisei de tempo para escrever. Após havê-lo praticado por certo tempo descobri, todavia, seu valor espiritual. E de repente dei conta de que eram esses momentos em que melhor podia comunicar-me com Deus. Agora sinto-me como se tivesse sido feito para o silêncio.” (Mahatma Gandhi – Mohandas Karamchand Gandhi)

Os momentos de silêncio podem ser bem aproveitados.

O silêncio chega a ser uma necessidade física e espiritual de quem busca a paz.

O silêncio traz calma, mansidão, sossego, paz, reflexão e tranquilidade para crescer espiritualmente.

O silêncio dá ao homem tempo para conversar com Deus, para reconhecer os valores espirituais, para sair da rotina do tempo e viver uma vida além do tempo.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

O DOMÍNIO DOS SENTIDOS E A HARMONIA COM A NATUREZA



Mahatma Gandhi – Mohandas Karamchand Gandhi
 
Gandhi


“Só se adquire perfeita saúde vivendo na obediência às leis da natureza. A verdadeira felicidade é impossível sem a verdadeira saúde, e a verdadeira saúde é impossível sem rigoroso controle da gula. Todos os demais sentidos estarão automaticamente sujeitos a controle quando a gula estiver sob controle. Aquele que domina os próprios sentidos conquistou o mundo inteiro e tornou-se parte harmoniosa da natureza.” (Mahatma Gandhi – Mohandas Karamchand Gandhi)

Se as leis da natureza não são obedecidas, o homem vive de forma artificial, com uma saúde imperfeita e fictícia.

Se há descontrole dos sentidos, a saúde perfeita não existe, a instabilidade reina ao invés da harmonia.

Se a gula não for controlada, os outros sentidos também não serão, pois, o homem permanecerá insaciável, voraz, com a saúde comprometida e sem achar a felicidade.

Se o homem controla seus sentidos, ele encontrará a felicidade, estará em harmonia com a natureza e terá uma saúde perfeita.

Se o homem está em comunhão com Deus, ele domina seus sentidos, obedece às leis naturais e vive em harmonia com a natureza, sua saúde é perfeita e ele é feliz.


quinta-feira, 25 de abril de 2013

A NÃO-VIOLÊNCIA



Gandhi
 
Mahatma Gandhi – Mohandas Karamchand Gandhi


“A não-violência não existe se apenas amamos aqueles que nos amam. Só há não-violência quando amamos aqueles que nos odeiam. Sei como é difícil assumir essa grande lei do amor. Mas todas as coisas grandes e boas não são difíceis de realizar? O amor a quem nos odeia é fácil de realizar, se assim queremos.” (Mahatma Gandhi – Mohandas Karamchand Gandhi)

Quando amamos quem nos ama, demonstramos o amor à eles, consequentemente, também a não-violência a quem nos ama.

A não violência só existe de maneira plena quando amamos aqueles que nos amam e também amamos aqueles que nos odeiam.

A lei do amor é universal, é divina, é difícil de ser aceita por todos, mas não é impossível, basta querer, basta seguir a vontade de Deus e perdoar aqueles que nos odeiam.


quarta-feira, 24 de abril de 2013

A FORÇA VITAL DO AR




 
Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada
 

pranad abhud yasya caracaranam
pranah saho balam ojas ca vayuh

“Todas as entidades vivas, móveis e imóveis, recebem do ar sua força vital, sua força física e suas próprias vidas. Todos nós rendemo-nos ao ar para obtermos nossa força vital, exatamente como os servos rendem-se ao imperador. A força vital do ar é gerada da força vital original que existe na Suprema Personalidade de Deus.” (Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)
 
O ar que vem de Deus dá a vida aos seres vivos e a força física aos seres não vivos.
 
 
Se Deus nos deu o ar vital, é porque antes da vida no mundo material, estávamos rendidos a ele, com amor e devoção servíamos a Deus.
 
A força vital vem de Deus e volta para Deus após o fim da vida no mundo material, a energia divina crea e aniquila a matéria, os seres vivos, a vida.
 
A Suprema Personalidade de Deus nos dá a vida e ao fim da vida pretendemos ir ao encontro de Deus e viver eternamente.

terça-feira, 23 de abril de 2013

A EXPERIÊNCIA NOS CAPACITA A RECONHECER O ERRO QUANDO O COMETEMOS DE NOVO


Robert Earl Wilson
 
Earl Wilson


“A experiência nos capacita a reconhecer o erro quando o cometemos de novo.” (Robert Earl Wilson)

A sabedoria que vai sendo adquirida se transforma em experiência.

O homem vai sendo capacitado pela experiência e reflete sobre suas atitudes, descobre os erros que cometeu.

Após descobrir o que é certo e errado, o homem aprende a reconhecer seus erros quando os comete novamente.

O homem demonstrará sua experiência e sabedoria quando deixar de cometer os mesmos erros, ele aprenderá a não cair nas armadilhas e enganos da vida que fazem com que ele erre.

A experiência exige sabedoria e reflexão para poder se realizar, quando o homem aprender isso vai conseguir atingir seus ideais.

As reflexões da experiência se transformam em discernimento que faz o homem progredir e reconhecer que a sabedoria vem de Deus.


domingo, 21 de abril de 2013

SEU PASTOR E SENHOR



Abraham Lincoln


“Muitas vezes senti-me impelido a cair de joelhos por causa da convicção avassaladora de que eu não tinha nenhum outro lugar para onde ir. Minha sabedoria e tudo sobre mim pareciam insuficientes para viver aquele dia. Todos nós nos sentimos assim às vezes. Isso acontece porque todos nós somos ovelhas que precisam de um pastor. De todas as criaturas de Deus, as ovelhas parecem ser as menos capazes de cuidar de si mesmas.” (Abraham Lincoln)

Todos nós somos ovelhas que necessitam de um pastor para nos guiar e evitar que sejamos desviados do caminho.

Quando estamos caminhando sozinhos e de acordo com nossas ideias e conhecimentos, corremos sempre o risco de sermos desviados, de nos perdermos ou de fazer escolhas erradas pensando que são certas.

Devido as nossas insuficiências não podemos viver sem um pastor e nem podemos ser pastores de nós mesmos, precisamos nos render ao Senhor, ele é o nosso pastor e sempre nos guiará pelo caminho correto, nos oferecendo toda a proteção necessária.

Sem um pastor, as ovelhas ficam sem direção, se desgarram, se perdem, são abatidas, acabam morrendo, as ovelhas são frágeis e não sabem e nem conseguem cuidar de si mesmas, elas sentem a necessidade de um pastor.

Com o pastor guiando as ovelhas, nada faltará à elas, ele tanto cuida quanto protege elas, o pastor leva as ovelhas pelo melhor caminho, o caminho do Senhor.


sexta-feira, 19 de abril de 2013

QUANDO VOCÊ SE DECEPCIONAR



Max Lucado


“Quando Deus não faz o que queremos, não é fácil; nunca foi, e nunca será. A fé é a convicção de que Deus sabe mais do que nós... e Ele nos ajudará a atravessarmos o que for preciso. A decepção é resultado de expectativas não atendidas... e ela é curada por expectativas renovadas... Não entre em pânico... não desista... seja paciente... Deus está no controle. Nada termina antes de terminar.” (Max Lucado)

Deus possui seu próprio tempo, que é diferente do nosso. A hora certa não é no nosso tempo, mas é no tempo de Deus.

É necessário esperar, ter fé e paciência para não se decepcionar. Os que não seguem isso querem tudo em seu tempo e por conta de suas vontades e desejos se decepcionam.

Deus nos dá forças para esperar, para superar e para compreender que Ele quer o melhor para todos nós, quer nos ajudar e dará o que necessitarmos no tempo correto.

As expectativas frustradas por falta de fé e paciência se transformam em decepção, decorrente das nossas vontades e desejos, por não sermos humildes e aceitarmos a vontade de Deus.

Deus cura nossas decepções ao renovar nossas expectativas de realizações, aumentando nossa fé, nos dando força e paciência para esperar e não desistir de realizar.


quinta-feira, 18 de abril de 2013

A VIDA É A INFÂNCIA DA IMORTALIDADE



Johann Wolfgang von Goethe
 
Goethe


“A vida é a infância da imortalidade.” (Johann Wolfgang von Goethe)

A infância é periódica, mas é muito importante, uma época de alegrias e inocência.

Os homens nascem bons e alguns vão aderindo aos males do mundo material, passando a se tornarem homens maus.

A vida humana é finita, mas é possível se chegar à eternidade, Deus deseja isso para todos os homens, mas nem todos querem.

Para se chegar à imortalidade não basta apenas conhecimento e amadurecimento, também se faz necessário ter a alegria, a inocência, a bondade e a pureza da infância.

Seguindo o plano de Deus, o homem passa da infância à imortalidade, a vida eterna é benção de Deus, é a plenitude que todo homem deseja alcançar.

A imortalidade não é poder, é a oportunidade de amar a Deus cada vez mais, de servir a Ele, de viver na paz, no amor e na pureza, a plenitude do amor e da felicidade.


segunda-feira, 15 de abril de 2013

O DIREITO DO MAIS FORTE


 
Jean-Jacques Rousseau
 
J. J. Rousseau -  Rousseau



“Do direito do mais forte.

O mais forte não é nunca assaz forte para ser sempre o senhor, se não transforma essa força em direito e a obediência em dever. Daí o direito do mais forte, direito tomado ironicamente na aparência e realmente estabelecido em princípio. Mas explicar-nos-ão um dia esta palavra? A força é uma potência física; não vejo em absoluto que moralidade pode resultar de seus efeitos. Ceder à força constitui um ato de necessidade, não de vontade; é no máximo um ato de prudência. Em que sentido poderá ser um dever?” (Jean-Jacques Rousseau)

O direito do mais forte não corresponde ao legítimo direito, o mais forte quer sempre ser o senhor, mas isso não significa que ele possui mais direitos do que os outros.

A potência do mais forte não legitima a força do seu direito, pois, ele está impondo suas regras e desrespeitando o direito dos outros.

O legítimo direito da força não é tirano, ele possui direitos e deveres, a força que ele tem é aceita e não imposta, é respeitada e não desrespeita.

O direito do mais forte é um direito irônico e aparente, pensa ser legítimo, mas ilegítimo e ilusório, não possui princípios e sim vontades.

O direito do mais forte é imoral, opressor, imprudente, arrogante e egoísta. Um único ser quer ser o senhor de outros seres que são obrigados a aceitar suas vontades ou cedem a elas devido ao estado de necessidade pelo qual estão passando.

O direito surge da moral, dos costumes, das leis, para o bem-estar social, para impor um respeito digno de ser aceito por todos e não como forma de opressão e exclusão social.


domingo, 14 de abril de 2013

A SUBJETIVIDADE É A VERDADE E A VERDADE É O ATO DA LIBERDADE




Soren Aabye Kierkegaard


“A subjetividade é a verdade e a verdade é o ato da liberdade.” (Soren Aabye Kierkegaard)

Uma verdade objetiva tende a ser uma falsa verdade, já que tudo tem uma resposta, tudo é programado e calculado, uma realidade criada por homens.

A subjetividade é a liberdade consciente, que respeita as regras naturais, não fere e nem desrespeita a ninguém, a realidade é vivida a partir da consciência e da liberdade.

Os homens fazem previsões, mas nem sempre elas acontecem de acordo com suas afirmações, pois, a exatidão de suas afirmações não domina e nem possui o poder de dominar o mundo e o universo, às vezes coincidem de dá certo ou existe uma clareza do que pode acontecer.

A objetividade está de acordo com a finitude, com as vontades humanas, já a subjetividade liga-se a eternidade, ao infinito, a transcendência da sabedoria humana. O conhecimento divino é transmitido pela subjetividade.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

O SEGREDO DO SUCESSO É FAZER DA SUA VOCAÇÃO O SEU PASSATEMPO




Mark Twain – Samuel Langhorne Clemens



“O segredo do sucesso é fazer da sua vocação o seu passatempo.” (Mark Twain – Samuel Langhorne Clemens)

Devemos viver segundo a nossa vocação, viver com o nosso propósito, tomarmos decisões e não vivermos de acordo com as influências ou sugestões dos outros.

Se tivermos uma vocação, devemos fazer com que ela se expresse, progrida, porém se ficarmos escutando os desejos doa outros, ela pode ficar oculta em nossa vida, pois, essas pessoas querem que sigamos os seus desejos e não a nossa vocação.

Devemos fazer de nossa vocação um passatempo, assim, ela vai tornar nossa vida muito mais feliz, vai se adequar ao nosso modo de vida, ela terá seu espaço reservado e estará sempre em desenvolvimento.

A nossa vocação é dada por Deus, é um propósito que devemos seguir, é uma missão a ser cumprida, quem é mais importante? Deus ou os desejos e opiniões das pessoas? Quem é a verdade? Quem sabe o que é melhor para nossa vida?

Devemos estar de olhos abertos, pois, nosso sucesso depende da nossa vocação, a vontade de Deus deve prevalecer em nossa vida, se é necessário fazer algo, devemos fazer.


quinta-feira, 11 de abril de 2013

SERVIMOS COMO TELAS PARA AS PINCELADAS DE DEUS



Max Lucado


“Existimos para exibir Deus e demonstrar a Sua glória. Servimos como telas para as pinceladas de Deus, como papéis para a caneta Dele, como terra para as Suas sementes, e vislumbres da Sua imagem... Ele transforma o que é comum em incomum, transformando pias de cozinha em capelas, bares em conventos, e dias de trabalho de nove às cinco em aventuras espirituais... Quando você engrandece o seu Criador com os seus pontos fortes... os seus dias de repente se tornam doces.” (Max Lucado)

Nossos talentos devem ser utilizados para glorificar a Deus, pois, cada um de nós possui dons, devemos ser exposições de Deus no mundo.

Nosso trabalho é importante para Deus, devemos ser humildes servos e cumprir aqui na terra a missão que recebemos de Deus.

Se formos sementes de Deus aqui na terra, podemos Lhe render bons frutos, pois, ele cultiva com toda perfeição necessária.

Ele nos transforma e também faz mudanças ao nosso redor, seu poder é inestimável, infinito, a fonte eterna do amor, da bondade, da perfeição.

Devemos ser a Sua imagem na terra, sua arte em mutação, deixar que Ele controle e domine nossa vida, devemos nos render aos seus pés.


quarta-feira, 10 de abril de 2013

PEDRAS DE TROPEÇO



No meu caminho tinha uma pedra... foto de Maurício André Anjos
 



“Para cumprir com o propósito para a sua vida que lhe foi dado por Deus, você precisa confrontar os seus defeitos de caráter, vê-los como pedras de tropeço e começar a retirá-las.” (Autor Desconhecido)

Essas pedras devem ser retiradas do caminho tão logo apareçam, é necessário inteligência para retirar as pedras do nosso caminho e seguir nosso propósito, cada vez mais melhorarmos nosso caráter.

Se as pedras não forem retiradas iremos tropeçar nelas, cairmos, nos machucarmos e carregarmos as marcas das feridas que tornam nosso caráter movido por paixões e ignorâncias.

Mas, podemos ter paciência, criarmos forças e afastar cada uma das pedras, seguindo o caminho com tranquilidade e segurança, com bondade, nosso caráter será moldado e nossa caminhada será de paz.

As pedras podem até interromper nossa caminhada, mas conseguiremos removê-las e continuar, a cada pedra removida, mais conhecimento nós teremos, Deus estará sempre nos guiando e saberemos uma melhor maneira de retirar a próxima pedra.

Se tivermos fé em Deus, teremos sempre a segurança de caminhar e a força para remover cada pedra, seremos gratos a Ele antes e depois de cada pedra ultrapassada, mas, se seguirmos nossa mente, viveremos com insegurança e orgulho.

Devemos ser confiantes em Deus, pensar cada vez mais positivo e ir eliminando os aspectos negativos de nossa vida. Mesmo que tropecemos em alguma pedra, Deus nos dá forças para levantar e remover a pedra que nos derrubou.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

O HUMOR E A SERIEDADE



André Comte-Sponville


“Se “a seriedade designa a situação intermediária de um homem equidistante entre desespero e futilidade”, como diz lindamente Jankélévitch, devemos observar que o humor, ao contrário, opta resolutamente pelos dois extremos. “Polidez do desespero”, dizia Vian, e a futilidade pode fazer parte dela. É impolido dar-se ares de importância. É ridículo levar-se a sério. Não ter humor é não ter humildade, é não ter lucidez, é não ter leveza, é ser demasiado cheio de si, é estar demasiado enganado acerca de si, é ser demasiado severo ou demasiado agressivo, é quase sempre carecer, com isso, de generosidade, de doçura, de misericórdia... O excesso de seriedade, mesmo na virtude, tem algo de suspeito e de inquietante: deve haver alguma ilusão ou algum fanatismo nisso... É virtude que se acredita e que, por isso, carece de virtude.” (André Comte-Sponville)

A seriedade constante vai aniquilando o humor humano, a seriedade leva o homem ao desespero e a desprezar as situações que passa a tratar com futilidade, pois, falta o humor para manter o equilíbrio, sendo assim, o homem parte para os extremos.

A polidez somada à futilidade ocasiona humildade e simplicidade, logo, o homem tem humor para as coisas simples da vida e afasta a vaidade da importância vazia e da seriedade.

A seriedade desesperadora acaba expondo o homem ao ridículo, dominado pela arrogância, pelo egoísmo e pela falta de humildade, uma ilusão que engana o homem.

O humor tempera a vida humana, leva o homem a sorrir e a sonhar, faz com que ele enxergue a realidade e enfrente obstáculos sem se desesperar. O humor protege o homem da seriedade e mostra a ele uma forma divertida de viver.

A seriedade aparenta blindar o homem, que se engana ao achar que possui uma armadura resistente para viver, mas acaba caindo no desespero quando descobre sua fragilidade.

O humor encoraja o homem, faz com que ele diga a verdade, não ter medo de agir e de pensar de forma consciente, de viver de forma simples e humilde.

O humor é uma virtude que depende de outras virtudes e que aproxima o homem das demais virtudes, já a seriedade, possui uma grande carência de virtudes e quanto maior ela sejam mais ela afastará o homem das virtudes.


domingo, 7 de abril de 2013

A BOA-FÉ



André Comte-Sponville


“O que é a boa-fé? É um fato, que é psicológico, e uma virtude, que é moral. Como fato, é a conformidade dos atos e das palavras com a vida interior, ou desta consigo mesma. Como virtude, é o amor ou o respeito à verdade, e a única fé que vale.” (André Comte-Sponville)

A boa fé não é a certeza e nem a verdade, é a atitude de agir com bondade, com a verdade acreditada, é agir sem maldade mesmo estando errado, um erro justificado pelo desconhecimento ou pela inocência.

Quem age de boa-fé pode estar enganado e pensar que aquele ato é correto e verdadeiro, quando for descoberta a verdade, a pessoa justificará sua atitude e descobrirá que fora enganada ou agia pensando que estava correta, mas sua ação errônea era sem maldade.

Quem está de boa-fé age com sinceridade, acredita em uma verdade, que naquele momento aparenta ser autêntica. Por isso, ao invés de ser absoluta, a boa-fé é relativa, estando certa ou não, ela é moralmente aceita devido à pessoa ter o desejo e o esforço de agir com a verdade e a bondade.

Quem age de boa-fé e está cometendo erros, tem a humildade de reconhecer suas atitudes quando descobre a verdadeira verdade. A pessoa reflete e explica a razão de ter agido e o que pensava naquele momento.

A boa fé respeita a moral e a dignidade, procura o bem-estar e revela a verdade.


sábado, 6 de abril de 2013

A FÓRMULA DE ORAÇÃO DE FÉNELON



François de Salignac de La Mothe-Fénelon
 
François Fénelon - Duque de Fénelon


A sua vida de oração é consistente? Ela é rica e recompensadora? Você vê nela um crescimento mensurável? Se sua vida de oração não é assim, um francês do século XVII chamado François Fénelon nos diz como orar e obter resultados. É uma fórmula consagrada que vale a pena seguir:

“Conte a Deus o que está no seu coração, como alguém que desabafa seus sentimentos, seus prazeres e suas dores, para um amigo querido. Conte a Ele os seus problemas para que Ele possa consolá-lo; conte a Ele; conte a Ele os seus anseios, para que Ele possa purificá-los; conte a Ele os seus desgostos, para que Ele possa ajudá-lo a vencê-los; conte a Ele as suas tentações, para que Ele possa defendê-lo delas; mostre a Ele as feridas da sua alma para que Ele possa curá-las; revele a sua indiferença ao bem, o seu gosto depravado pelo mal, a sua instabilidade. Diga a Ele como o amor a si mesmo o torna injusto com os outros, como a vaidade o tenta a ser insincero, como o orgulho o oculta de si mesmo e dos outros. Se você assim derramar todas as suas fraquezas, necessidades e problemas, não haverá falta do que dizer. Você jamais esgotará o assunto, pois ele se renovará. As pessoas que não têm segredos entre si nunca sentem falta de assunto para conversar. Elas não medem suas palavras porque não há nada para ser retido. Nem ficam à procura do que dizer. Elas falam da abundância do que há no seu coração. Sem refletir muito, elas simplesmente dizem o que pensam. Quando perguntam, perguntam com fé, confiando que serão ouvidas. Bem-aventurados são aqueles que atingem uma comunicação tão familiar e sem reservas com Deus.” (François de Salignac de La Mothe-Fénelon)

Quando o homem procurar Deus, encontrará todas as respostas que procura, tirará todas as suas dúvidas e achará tudo o que procura.

Deus nos dá toda a proteção que precisamos, cura as nossas feridas da alma e atua em nosso coração, nos transformando em pessoas melhores.

Sempre temos o que falar com Deus e ele sempre está disposto a nos escutar, basta procurarmos ele e falar de coração e com sinceridade.

Deixando que ele tome conta de nossa vida e das nossas decisões, seguiremos pelo caminho das luzes e não andaremos encobertos pela escuridão, seremos luzes acesas na escuridão.

Deus nos dá forças, ele aumenta nossa fé, assim crescemos espiritualmente em comunhão com ele, um elo direto com o Supremo, receberemos conhecimento para uma vida melhor.

Teremos inteligência e paciência para solucionar os nossos problemas e enfrentar os desafios e momentos difíceis que surgirem em nossa vida.

Encontraremos a plenitude da alegria e da felicidade, nossas tristezas não tomarão o lugar de um sorriso e nem de uma boa conversa com Deus.

Deus nos dará uma vida em abundância, a santidade que cada um procura para viver além da vida, a verdade que cada um de nós procura descobrir e conhecer.

Estaremos conscientes da existência das iscas e das armadilhas que tentam nos aprisionar e nos destruir, mas Deus é mais poderoso e não nos deixa cair nelas.


sexta-feira, 5 de abril de 2013

OBSERVANDO OS GANSOS



 
Gansos voando em V



“Os gansos voam unidos; nenhum ganso consegue voar uma distância tão longa sozinho. Eles foram projetados para voar na sua característica formação em “V”. Quando um pássaro bate as asas, o movimento de ar que é provocado fornece uma elevação, facilitando a carga de trabalho do pássaro que está atrás. Juntos, seu alcance de vôo aumenta cerca de setenta por cento. Até os gansos mais jovens, os mais fracos e os mais velhos podem fazer a viagem. Juntos, eles realizam o que jamais conseguiriam realizar separadamente.” (Autor Desconhecido)

A união faz a força dos gansos, assim, eles podem voar por longas distancias, sejam eles novos gansos ou velhos gansos, cada um contribui para que o outro possa voar junto ao longo do trajeto.

A formação em “V” preserva todos os gansos, eles voam como se fossem um super-ganso, com a potência da força da união. Um vôo forte e rápido, evitando um desgaste de força e criando uma impulsão extra e decorrente da união e da formação.

Os novos gansos não excluem os gansos mais velhos, pois, na formação em “V”, cada ganso tem o seu papel e todos eles são importantes. A solidariedade existe entre eles, não existe espaço para a desunião e o egoísmo, todos são cooperadores.

Os gansos não brigam, eles acolhem também os outros gansos perdidos ou desgarrados que queiram se unirem a eles, eles são bondosos e generosos, acolhem também os gansos doentes, eles não excluem e nem abandonam, estão sempre dispostos a ajudar o próximo.

Podemos aprender muito observando a vida dos gansos.


quinta-feira, 4 de abril de 2013

SER SIMPLES



André Comte-Sponville


“O simples não se questiona tanto assim sobre si mesmo. Porque se aceita como é? Já seria dizer demais. Ele não se aceita nem se recusa. Não se interroga, não se contempla, não se considera. Não se louva nem se despreza.” (André Comte-Sponville)

O simples vive a sua vida do jeito que ele é, não se preocupa com os deleites e devaneios que o materialismo lhe induz a aceitar, ele não se preocupa com o que os outros pensam sobre a vida dele.

O simples vive uma vida em paz e harmonia com a natureza, não se exclui da sociedade, mas também não se apega as vaidades do consumismo, ele pode ser feliz com uma vida diferenciada.

O simples não tem ganância e nem exageros, ela vive de tranquilidade e consciência. O simples vive um existencialismo real, com reflexividade e verdade. A riqueza da simplicidade é a liberdade, a leveza, uma vida com transparência e humildade.


quarta-feira, 3 de abril de 2013

A HUMILDADE É UMA VIRTUDE HUMILDE




André Comte-Sponville


“A humildade é uma virtude humilde: ela até duvida que seja uma virtude! Quem se gabasse da sua mostraria simplesmente que ela lhe falta.” (André Comte-Sponville)

A humildade não se gaba de ser uma virtude, se ela se gabasse, não seria um gesto de humildade.

A humildade é discreta, passando muitas vezes despercebida devido a sua simplicidade.

A humildade não desvaloriza o homem, ao invés disso, ela agrega valores á ele.

Os humildes possuem um conhecimento lúcido que é reconhecido por todos.

A humildade não é vaidosa, ela é simples e humana.

A humildade não tem orgulho, ela tem respeito as pessoas e valoriza a liberdade e a dignidade da humanidade.


terça-feira, 2 de abril de 2013

A GRATIDÃO




André Comte-Sponville


“A gratidão é a mais agradável das virtudes; não é, no entanto a mais fácil. Por que seria? Há prazeres difíceis ou raros, que nem por isso são menos agradáveis. Talvez sejam até mais. No caso da gratidão, todavia, a satisfação surpreende menos que a dificuldade.” (André Comte-Sponville)

Da gratidão decorrem a alegria e a felicidade, um prazer natural que é sentido.

Quando agradecemos doamos sorrisos, gestos, alegrias e felicidades com o próximo, é uma doação que nada nos tira e muito nos acrescenta.

A gratidão é demonstração de humildade ao ser grato com as pessoas e situações.

É retribuição de alegria, amor, afeto, uma demonstração pura e verdadeira, é uma partilha da felicidade que estamos sentindo.


segunda-feira, 1 de abril de 2013

O QUE É MISERICÓRDIA?



André Comte-Sponville


“É cessar de odiar, e é essa de fato a definição da misericórdia: ela é a virtude que triunfa sobre o ressentimento, sobre o ódio justificado (pelo que ela vai além da justiça), o rancor, o desejo de vingança ou de punição. A virtude que perdoa, pois, não suprimindo a falta ou a ofensa, o que não é possível, mas cessando de, como se diz, ter raiva de quem nos ofendeu ou nos prejudicou. Não é a clemência, que só renuncia a punir (podemos odiar sem punir, assim como punir sem odiar), nem a compaixão, que só simpatiza no sofrimento (podemos ser culpados sem sofrer, assim como sofrer sem sermos culpados), nem enfim a absolvição, entendida como o poder – que só poderia ser sobrenatural – de anular os pecados ou as faltas.” (André Comte-Sponville)

A misericórdia é bondade, é perdão, pois, não guarda ódio, rancor, e nem vingança.

O misericordioso não pune e nem odeia, não tem raiva, vai além da compaixão com o sofrimento do próximo.

A misericórdia perdoa as grandes dores, sua capacidade de triunfar sobre as ofensas é imensa.

O misericordioso é feliz e age com amor e alegria, sua bondade transcende a justiça.

A misericórdia é livre, é amor e é verdade, ela perdoa sem interesses e não guarda nenhuma mágoa da ofensa que um dia recebera.

A misericórdia liberta o ofensor do sofrimento do arrependimento pelo mal causado, anula o sentimento de culpa.