Follow by Email

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

QUEM EU SOU? O QUE EU SOU?





Rev. Augusto Frederico Kirchhein


“A forma como você se considera está diretamente relacionada com a felicidade e o bem-estar. Muitas pessoas se odeiam, se consideram horríveis, nada vêem de positivo, de útil em si; daí, andam tristes, choramingando e mal-humoradas. Atentos ao fato, diversos educadores e profissionais da motivação coletiva enfatizam e dão dicas para uma auto-valorização. Ensinam a dizer: “sou vencedor”; “eu posso”; “eu sou especial”. (Rev. Augusto Frederico Kirchhein)

Muitas pessoas respondem quem são e o que são de acordo com sua imagem, sua fisionomia, a maneira como se comportam na sociedade, ou até pelo que as outras pessoas dizem delas.

Essas pessoas consideram quem são e o que são de acordo com sua felicidade e o momento pelo qual estão passando, tiram conclusões de acordo com fatores corporais e externos a sua alma.

Muitas pessoas não gostam do que são e nem de quem são, vivem frustradas e em infelicidade, com uma crise de identidade constante.

Nós somos creaturas de Deus, somos seus humildes servos, mas nem todos pensam assim e querem ser donos do mundo.

Vivemos no mundo para fazer o bem, amar e respeitar o próximo, aprendermos a sermos humildes e amarmos a Deus, pois o homem é uma creatura finita, mas Deus nos dá uma vida eterna e cheia de paz. Basta que o homem ame a Deus, tenha fé, seja obediente e deixe que ele preencha o vazio que existe no ser.

Se vivemos de acordo com a vontade de Deus, viemos autorealizados, felizes e sabendo quem somos e o que somos.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

O ESSENCIAL DA ARTE





Fernando António Nogueira Pessoa


“O essencial da arte é exprimir; o que se exprime não interessa.” (Fernando António Nogueira Pessoa)

A arte é liberdade de expressão, o artista transforma o imaterial e o imaginável em matéria.

O artista lapida e transforma a matéria dando a ela expressões artísticas.

A expressão da arte vem do coração do artista que liberta belos sentimentos e emoções em forma de arte, embora muitos não se interessem pelas expressões da arte, o artista fica em êxtase quando a exprime.

O essencial da arte é exprimir e não o que é exprimido, pois, muitos artistas são incompreendidos, nem todos têm o coração tocado pela alma artística e deixam de apreciá-la.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

AFINAL, POSSO ME AMAR?




Rev. Augusto Frederico Kirchhein

“Quando o assunto é auto-estima, amor próprio entra na roda da discussão. Gostar de si, apreciar-se, tolerar-se, admirar-se, tudo isso é como um ingrediente no bolo da auto-estima. Mas, afinal, onde está o limite entre um amor próprio sadio e o egoísmo ou o orgulho?” (Rev. Augusto Frederico Kirchhein)

Um amor próprio sadio não prejudica ninguém, faz bem a saúde e a auto-estima do ser.

Um amor próprio egoísta quer tudo para si, tenta tirar proveito do próximo e faz com que o outro não se ame.

Um amor próprio orgulhoso enxerga apenas a si mesmo, despreza o próximo e faz com que o ser se ache autossuficiente.

Posso me amar porque Deus me ama e a Ele e ao próximo também devo amar.

Devo me amar e amar a vida que Deus me deu ao invés de estragá-la e jogá-la fora.

Devo me amar porque Deus é a fonte do amor, sou sua creatura e fui creado com amor.

 

domingo, 24 de fevereiro de 2013

UM OLHAR FILOSÓFICO DO MEIO AMBIENTE E DO MUNDO



Josef Pieper

“Obviamente, meio ambiente e mundo (por mais que utilizemos estes conceitos) não são duas regiões separadas da realidade, de modo que o indagador filosófico saísse de uma região e entrasse na outra! O filosofante não vira o rosto quando, no ato filosófico, transcende o meio ambiente do cotidiano do trabalho. Não tira o olhar das coisas do mundo do trabalho, das coisas concretas, sujeitas a fins, manuseáveis do cotidiano. Não olha em outra direção a fim de ali então enxergar o mundo universal das essências.” (Josef Pieper)

O olhar está para o ser, sua adaptação ao meio ambiente, à sociedade em que vive e também para o mundo.

O meio ambiente é composto de inúmeras espécies de seres vivos e matéria não viva, possui diversidade de climas, temperaturas, vegetações, e seres vivos que vivem nos seus ambientes devem se adaptar ao meio.

O mundo é formado por matéria em diversos estados, meio ambiente e seres vivos, todos estão em uma realidade e não em locais separados, por isso, eles vivem em adaptação, pois, os seres vivos migram entre os ambientes do mundo.

O olhar filosófico sobre o meio ambiente e o mundo deve observar as relações materiais dos seres vivos no meio ambiente e no mundo.

Com as adaptações, os seres vivos passam a ter um cotidiano, ou seja, seus atos vão sendo repetidos, isso causa transformações no meio ambiente e no mundo, pois a matéria que existe no mundo vai sendo moldada, o natural passa a ser concreto e artificial.

É necessário que o olhar transcenda as relações do ambiente que é um dentre milhares que existem no mundo, e passe a perceber as relações entre os seres vivos-meio ambiente-mundo.

Essa é uma visão material do planeta terra, do que é visível, do que é palpável.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

A PROVIDÊNCIA DIVINA



Thomas Bulfinch


“Assim, os desígnios da Providência,

Movida não por ódio, mas piedade,

Cegaram-no, tal como um Cupido,

Não qual Narciso – presa da vaidade.” (Thomas Bulfinch)
 
 
A providência divina não possui ódio e nada que seja mal, ele é repleta de piedade, amor, bondade e misericórdia.

Quando um homem age cegamente, ele não pensa, os impulsos do mundo material o movem, os modos da natureza o dominam, ele fica refém de sua própria vaidade e de forma narcisista.

Quando o homem está agindo sob o domínio da providência divina, como se estivesse recebido uma flechada do Cupido, ele não é influenciado pela natureza humana e nem pelos modos da natureza material. Ele obedece e serve a Deus com amor e devoção.


sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

A COMPREENSÃO DA EXPANSÃO DO SENHOR



Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada


duravabodha iva tavayam vihara-yogo yad asarano 'sarira idam anavekshitasmat-samavaya atmanaivavikriyamanena sagunam agunah srijasi pasi harasi

 


“Ó Senhor, vós não precisais de auxílio algum, e, embora não tenhais corpo material, não precisais da nossa cooperação. Uma vez que sois a causa da manifestação cósmica e, sem sofrerdes nenhuma mudança, forneceis seus ingredientes materiais, sozinho, Vós criais, mantendes e aniquilais esta manifestação cósmica. Entretanto, embora pareçais ocupado em atividade material, sois transcendental a todas as qualidades materiais. Consequentemente, é extremamente difícil entender essas Vossas atividades transcendentais.” (Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

O Senhor é autossuficiente, é todo-poderoso, ele é a fonte da creação e também o aniquilador da matéria, mesmo assim nós servimos a Ele com amor e devoção.

O Senhor é a causa da manifestação cósmica, é eterno, transcendental, infinito e seu corpo não sofre mutações, mas ele pode se expandir sem perder sua essência e mantendo sua forma espiritual e transcendente.

O Senhor é transcendental e crea toda a energia material, a atividade cósmica, o início, o meio e o fim.

Os devotos conseguem entender e compreender a essência do Senhor, sua creação, a aniquilação e sua expansão tanto no cosmos quanto no mundo material, já para os que não creem em Deus isso se torna extremamente difícil.

Enquanto os homens possuem um corpo material, são almas condicionadas, possuem limites e finitude. O Senhor tem um corpo transcendental, é a fonte de tudo, é ilimitado, eterno e infinito, podendo tanto crear matéria quanto se expandir sem modificar ou perder sua essência.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

OS CANDIDATOS A VALOR DE VERDADE



Richard Rorty


“O pensamento grego e o platonismo dizem que o conjunto dos candidatos a valor de verdade já estão dados, e todas as razões que podem ser fornecidas para que eles sejam eleitos, ou não eleitos, também estão já postas. A esperança romântica diz: algum dia todos esses candidatos à verdade e todas essas noções que lhes fornecem boas razões para acreditarmos neles estarão obsoletas, pois um mundo muito melhor terá chegado – um mundo no qual teremos novos e maravilhosos candidatos à verdade.” (Richard Rorty)

O pensamento grego e o platonismo entendem que os candidatos a valor de verdade já nascem formados e possuindo os valores necessários para serem eleitos.

Já para os românticos, todos esses candidatos a valor de verdade passarão a ser obsoletos, pois existe a esperança de um mundo melhor e esses valores que a antes elegiam pessoas, deixarão de eleger diante do surgimento de maravilhosos candidatos à verdade.
 
O mundo está em constante mutação, as pessoas se renovam quando deixam os velhos pensamentos que as iludiam e buscam conhecimentos verdadeiros.

A esperança não pode morrer, todos nós devemos sonhar com um mundo melhor, enquanto isso, devemos fazer a nossa parte e dar nossa contribuição para que esse sonho possa se realizar.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

O FIM DA PROSPECTIVA



João de Scantimburgo


“O fim da prospectiva é o de planejar o bem comum, utilizando os elementos com os quais é possível estruturá-lo: a paz na cidade e a estabilidade no poder; a justa distribuição da riqueza, o acesso de todos os homens aos bens da natureza, aos produtos da técnica, às conquistas da ciência, aos benefícios da civilização e da cultura; normas morais na vida individual e familial, segurança social e nacional, o reconhecimento, portanto, que à pessoa se assina um destino eterno; que se lhe deve reconhecer esse destino, a fim de que ela, pelo anonimato, não venha a se engolfar na sociedade de massa e preparar crises sem solução para a humanidade, como as que já atenazam algumas sociedades dessa espécie, em nossos dias.” (João de Scantimburgo)

A prospectiva planeja o bem-estar social, utiliza-se de elementos que possam estruturar uma vida harmônica social.

Uma sociedade que tenha uma vida pacífica e um governo estável onde todos possam se respeitar e viverem unidos.

A prospectiva constrói os pilares da sociedade utilizando a técnica e a ciência, com o intuito de proporcionar uma evolução social.

A prospectiva preserva as normais morais como preceitos de uma vida social, sejam eles individuais, familiais ou coletivos, bem como, os direitos individuais e coletivos são respeitados, a natureza é preservada ao invés de ser demasiadamente destruída.

A prospectiva previne a sociedade e tenta evitar crises sociais desnecessárias ou motivadas pela desigualdade e pelas irregularidades sociais.

A prospectiva não exclui as grandes massas populares, ela busca a igualdade e a inclusão social.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A DEFESA DA INTELIGÊNCIA

Jacques Maritain
 
 
 
“Ameaçada por uma civilização que entrega o homem ao indefinido da matéria, é preciso que a inteligência se defenda, reivindique seu direito e sua essencial superioridade.” (Jacques Maritain)
 
 
A inteligência conduz o homem a definição do espiritual e ao entendimento da indefinição material.
 
 
A inteligência de defende da ilusão material, embora ela alerte e avise o homem dos perigos das ilusões materiais, ele é capaz de cair na ilusão e se entregar as indefinições materiais, dessa forma ao invés de defender a inteligência, ele a combate junto do materialismo.
 
 
O homem materialista luta contra ele mesmo e vai atacando suas principais defesas e vai vencendo a inteligência. 
 
Mas a inteligência não se entrega tão facilmente, ela está sempre reivindicando seu direito, provando que é essencial na vida do homem e que é fundamental e superior ao materialismo, isso não somente na atualidade, mas eternamente.
 
 
A civilização material se acha superior, mas nunca está feliz, nunca está contente e vive cada vez mais das indefinições do materialismo.
 
 
A civilização espiritual não se acha superior ao materialismo, ela é inteligente, conduz o homem a verdade, as revelações de Deus e do mundo espiritual onde o homem viverá eternamente amando e servindo a Deus.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A MEDIDA E O LIMITE DO AMOR


 
William Shakespeare
 
 


“Cleópatra – Se me amas verdadeiramente, diga-me quanto me amas.

Antônio – É muito pobre o amor que se pode medir.

Cleópatra – Quero saber o limite do amor que posso inspirar.

Antônio – Então, deves descobrir um novo céu e uma nova terra.” (William Shakespeare)

O verdadeiro amor é o amor de Deus, infinito, ilimitado, impossível de ser medido ou delimitado pelo homem.

O amor de Deus é rico, é puro, é bom, é belo, é abençoado e divino.

O amor que se pode medir é pobre, é finito, é tão limitado que pode facilmente chegar ao fim.

Para se inspirar o verdadeiro amor é preciso conhecer o amor de Deus, descobrir um novo céu e uma nova terra, viver no amor do Pai.

Viver no amor de Deus é viver na verdade, na plenitude e na potência dessa maravilha que emana do nosso Pai.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

A COMUNICAÇÃO DOS HOMENS COM AS MÁQUINAS E DAS MÁQUINAS ENTRE SI


 
Milton Vargas
 
 
 


“Quando, durante a Segunda Guerra Mundial, desenvolveram-se, de um lado, o radar para reconhecer a distância a presença de aviões ou submarinos inimigos ou de obstáculos aos caminhos de tais veículos; e, do outro lado, os foguetes teleguiados, capazes de atingirem seus alvos por meio de instrumentos que os guiavam; encontrava-se ainda longe de perceber que se estava inaugurando um novo campo da ação humana que era o da comunicação dos homens com as máquinas e das máquinas entre si. Continuava entretanto essa ação, sob a intencionalidade e a operatividade de homens que comandavam as máquinas, de acordo com finalidades por eles próprios desejadas. De nenhuma forma tratava-se de uma comunicação espontânea das máquinas entre si para propósitos próprios. Contudo, desde logo, isso suscitou a imaginação de uma possibilidade de uma “libertação” das máquinas, vindo essas a tomarem a iniciativa de agirem independentemente dos homens, subjugando-os aos seus próprios desígnios.” (Milton Vargas)

Os homens desenvolveram máquinas com uma tecnologia avançada capaz de realizar atividades que o próprio homem não conseguiria fazer.

Uma criação subordinada e capaz de realizar alguns dos seus desejos, mas, outros homens também criaram outras máquinas, antes existia a comunicação homem-máquina, em tempos de guerra foi necessário existir a comunicação máquina-máquina, uma estratégia humana de derrotar e se prevenir de outras máquinas.

Estava em jogo o ataque e a defesa, a prevenção e a destruição, a vitória e a derrota. Os homens não guerreavam mais entre si, agora eles possuíam um exército de máquinas aliadas e subordinadas a eles.

A comunicação entre as máquinas tem a finalidade de satisfazer os desejos humanos de seus criadores e dos homens que as operam, ao invés da vontade da máquina, o que existe é a vontade humana, as máquinas são objetos subordinados a eles.

Surgiram rumores de que as máquinas pudessem dominar o mundo, se libertarem dos homens e os tornarem escravos delas, pura ficção científica, pois, sempre por traz dos atos das máquinas existem vontades e desejos humanos.

As máquinas causaram muitas destruições nas guerras e ainda hoje causam, mas elas sempre estão a serviço dos homens que ordenaram que elas destruíssem homens e máquinas, a natureza e os animais, ou até mesmo o que encontrassem a sua frente.

Mas as máquinas não vieram apenas para destruir e dominar, elas vieram para auxiliar o homem, esse é o lado bom da comunicação dos homens com as máquinas e das máquinas entre si.

sábado, 16 de fevereiro de 2013

A EXPERIÊNCIA E A CIÊNCIA


 
Luís Vaz de Camões
 
 


“Os casos que vi, que os rudos marinheiros,

Que têm por mestra a longa experiência,

Contam por certos sempre e verdadeiros,

Julgando as cousas só pela aparência.

E que os que têm juízos mais inteiros,

Que só por puro engenho e por ciência

Vêem do mundo os segredos escondidos,

Julgam por falsos ou mal entendidos.” (Luís Vaz de Camões)

Alguns julgam pela experiência da vivência e da observação.

Outros julgam pela experiência dos estudos e práticas científicas.

Os que vivem e observam não têm acesso aos métodos científicos, mas confiam em seu método de viver e observar.

Os cientistas julgam a experiência dos leigos como um método falso, falível e mal entendido.

Os observadores encontram segredos escondidos pelo mundo e os cientistas estudam as descobertas e a formação dos segredos usando os métodos científicos.

Os observadores descobrem de forma simples ao observarem e vivenciarem.

Os cientistas descobrem com a tecnologia e a experiência científica.

Os homens dependem tanto dos observadores quanto dos cientistas, pois eles tem muito a contribuir para a humanidade.

 

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

ESPÍRITOS, SENTIMENTOS E CONVERSAÇÕES

 
Blaise Pascal
 
 
Assim como estragamos o nosso espírito, também estragamos o nosso sentimento. O espírito e o sentimento são formados pelas conversações, e pelas conversações se estragam. São as boas ou as más conversações que os formam ou os estragam. E da maior importância, pois, que saibamos bem escolher, a fim de formá-los e não estragá-los; e não podemos fazer essa escolha se ja não os temos formados, e não estragados. De modo que isso forma um círculo, e bem-aventurados são os que conseguem sair dele.(Blaise Pascal)

As conversações formam ou estragam os espíritos e os sentimentos.

As boas conversações formam bons espíritos e bons sentimentos.

As más conversações estragam os espíritos e os sentimentos.

As conversações formam ciclos que envolvem o homem e vão causando mutações em sua forma de agir e pensar.

Os ciclos viciosos vão envolvendo o homem e estragando seu espírito e seus sentimentos.

Os bons ciclos fazem o homem progredir, ter crescimento espiritual e bons sentimentos.

Bem-aventurados os homens que conseguem sair dos ciclos viciosos.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

OS VÍCIOS TRONCO E OS VÍCIOS GALHOS

 
Blaise Pascal


Há vício que não são, em nós, mais do que uma decorrência de outros; e, abatendo-se o tronco, juntamente com ele se vão os galhos.” (Blaise Pascal)

O homem pode passar a ter um vício, embora não seja obrigado a tê-lo e nem a permanecer com ele, ele pode se livrar enquanto é tempo.

Há vícios troncos e vícios galhos, os troncos são a base para que outros vícios se desenvolvam no homem, já os galhos podem não progredir e ficar somente naquele vício.

Se o homem possui vícios tronco e galhos, ele poderá acabar com os galhos, mas o tronco dará origem a novos vícios galhos, muito tempo será perdido e pouca coisa será resolvida.

O homem deve acabar com o vício tronco, assim, os galhos deixarão de ser alimentados, eles também serão combatidos e logo morrerão.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

A MATÉRIA

 
 
Voltaire - François Marie Arouet

“A geometria nos ensinou grande número de verdades, a metafísica bem poucas. Pesamos a matéria, medimo-la, decompomo-la; e, além dessas operações rudimentares, se quisermos dar um passo sentimos em nós a impotência e, adiante de nós, um abismo.”(Voltaire – François Marie Arouet)

O homem percebe a matéria, consegue medir, pesar, decompor, mas ela não é exata, chega um momento que limita a relação entre o homem e a matéria, surge um sentimento de impotência àqueles que acham que tudo conseguem, que tudo se explica e que tudo é exato.

O homem encontra um abismo material, ele consegue criar a matéria, mas não consegue creá-la, chega o limite geométrico e entra o conhecimento metafísico anterior e posterior a geometria.

Deus é o creador e o aniquilador da matéria, o homem apenas transforma o quanto pode do mundo material.

 

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

A CORAGEM E A HUMILDADE DO PAPA BENTO XVI


Papa Bento XVI

“CONCISTORO ORDINARIO PUBBLICO - DECLARATIO DEL SANTO PADRE BENEDETTO XVI SULLA SUA RINUNCIA AL MINISTERO DI VESCOVO DI ROMA, SUCCESSORE DI SAN PIETRO , 11.02.2013

CONCISTORO ORDINARIO PUBBLICO - DECLARATIO DEL SANTO PADRE BENEDETTO XVI SULLA SUA RINUNCIA AL MINISTERO DI VESCOVO DI ROMA, SUCCESSORE DI SAN PIETRO

Nel corso del Concistoro Ordinario Pubblico per la Canonizzazione di alcuni Beati, tenuto alle ore 11 di questa mattina, nella Sala del Concistoro del Palazzo Apostolico Vaticano, durante la celebrazione dell’Ora Sesta, il Santo Padre Benedetto XVI ha fatto ai cardinali presenti il seguente annuncio:


Fratres carissimi

Non solum propter tres canonizationes ad hoc Consistorium vos convocavi, sed etiam ut vobis decisionem magni momenti pro Ecclesiae vita communicem. Conscientia mea iterum atque iterum coram Deo explorata ad cognitionem certam perveni vires meas ingravescente aetate non iam aptas esse ad munus Petrinum aeque administrandum.

Bene conscius sum hoc munus secundum suam essentiam spiritualem non solum agendo et loquendo exsequi debere, sed non minus patiendo et orando. Attamen in mundo nostri temporis rapidis mutationibus subiecto et quaestionibus magni ponderis pro vita fidei perturbato ad navem Sancti Petri gubernandam et ad annuntiandum Evangelium etiam vigor quidam corporis et animae necessarius est, qui ultimis mensibus in me modo tali minuitur, ut incapacitatem meam ad ministerium mihi commissum bene administrandum agnoscere debeam. Quapropter bene conscius ponderis huius actus plena libertate declaro me ministerio Episcopi Romae, Successoris Sancti Petri, mihi per manus Cardinalium die 19 aprilis MMV commissum renuntiare ita ut a die 28 februarii MMXIII, hora 20, sedes Romae, sedes Sancti Petri vacet et Conclave ad eligendum novum Summum Pontificem ab his quibus competit convocandum esse.

Fratres carissimi, ex toto corde gratias ago vobis pro omni amore et labore, quo mecum pondus ministerii mei portastis et veniam peto pro omnibus defectibus meis. Nunc autem Sanctam Dei Ecclesiam curae Summi eius Pastoris, Domini nostri Iesu Christi confidimus sanctamque eius Matrem Mariam imploramus, ut patribus Cardinalibus in eligendo novo Summo Pontifice materna sua bonitate assistat. Quod ad me attinet etiam in futuro vita orationi dedicata Sanctae Ecclesiae Dei toto ex corde servire velim.

Ex Aedibus Vaticanis, die 10 mensis februarii MMXIII

Caríssimos Irmãos,

Convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste acto, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20,00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.

Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus.

Vaticano, 10 de Fevereiro de 2013.”

 (http://press.catholica.va/news_services/bulletin/news/30471.php?index=30471&po_date=11.02.2013&lang=po#TRADUZIONE IN LINGUA PORTOGHESE)

O Santo Padre demonstrou coragem e humildade a renunciar ao exercício papal por reconhecer que não pode mais desempenhar suas funções com extrema perfeição ao qual o cargo necessita.

O Papa não somente é o Bispo de Roma, mas também é o líder mundial da Igreja Católica, sendo assim, ele vive em constante comunhão com Deus, em oração pela Igreja, coordenando a difusão do Evangelho, das atividades missionárias, seu exemplo de fé é visto por todos os membros da Igreja, mas também ele sofre por todos os erros cometidos pelos fiéis e pelos integrantes da Igreja. Como líder mundial, ele necessita resolver os problemas da melhor maneira, um serviço dedicado ao Senhor que exige esforços físicos e espirituais.

O Papa Bento XVI foi eleito pelo Colégio dos Cardeais em 19 de abril de 2005, para exercer o papado de forma vitalícia, uma missão de fé, de coragem, de oração, de sacerdócio, de Chefe de Estado da Cidade do Vaticano, de continuar a missão da Igreja no mundo, as obras de caridade, de defesa dos direitos humanos, de comunicação com os Líderes mundiais, de ecumenismo e diálogo inter-religioso com as demais religiões. O Papa é o sucessor de São Pedro e dever exercer o ministério petrino e anunciar o Evangelho com todo vigor físico e espiritual.

O Papa Bento XVI foi corajoso e humilde ao renunciar a dar continuidade ao ministério petrino, pois, ele vinha exercendo essa missão com todos os seus esforços, mas de forma consciente reconheceu que possui limitações e que seria melhor renunciar ao cargo para que esse ministério seja exercido por alguém com mais saúde e vigor físico que ele.

O Papa Bento XVI em 11 de fevereiro de 2013 não é o primeiro Papa a renunciar ao papado, pois ele é o quarto Papa, antes dele: o primeiro foi o Papa São Ponciano no ano 235, o segundo foi o Papa São Celestino V em 13 de dezembro de 1294 e o terceiro foi o Papa Gregório XII em 1415 que renunciaram a continuidade do ministério petrino.

O Papa Bento XVI foi eleito em 19 de abril de 2005, e já afirmava ser um “simples e humilde trabalhador na vinha do Senhor”, ele já era consciente que não era perfeito e pediu ao Senhor que orasse por ele em sua missão: “Consola-me saber que o Senhor sabe trabalhar e agir também com instrumentos insuficientes. E, sobretudo, recomendo-me às vossas orações.” Ele era mais um instrumento insuficiente do Senhor aqui na terra, de forma humilde reconhecia a única perfeição sendo a do Senhor.

O Papa Bento XVI fazia questão de dialogar com os fiéis, com os líderes mundiais e com representantes de outras religiões. Fez viagens apostólicas a Itália, Líbano, México, República de Cuba, Benim, Alemanha, Espanha, Croácia, Reino Unido, Chipre, Portugal, República Tcheca, Terra Santa, Camarões, Angola, França, Austrália, Estados Unidos da Améria, Organização das Nações Unidas, Áustria, Brasil, Turquia e Polônia.

Seu Papado também foi marcado por várias orações, 12 cartas apostólicas, 05 Motus proprios, mensagens, homilias, 04 exortações apostólicas, 03 encíclicas, discursos, 116 constituições apostólicas, 129 cartas apostólicas, cartas, audiências, 03 canonizações. Uma missão de fé e evangelização que era reconhecida mundialmente, sempre buscando unir as pessoas e proporcionar o conhecimento do Evangelho e o amor a Deus.

O Papa Bento XVI cumpriu um papel muito importante na missão da Igreja, com seu estilo conservador ele valorizou aspectos importantes na missão de evangelizar e que são fundamentais na caminhada da difusão do Santo Evangelho, sofreu diante das dificuldades enfrentadas pela Igreja, mostrou grandeza espiritual desde o início do seu Papado e ainda demonstra que é humilde e consciente, ele renunciou para o bem da Igreja, pediu perdão pelos seus defeitos e continuará a ter uma vida de amor, dedicação e oração a Santa Igreja de Deus.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

HONRAR OS BONS E OS MAUS


“Honrar o que o outro honra é honrar a este também, como sinal de aprovação de seu discernimento. Honrar seus inimigos é desonrá-lo.” (Thomas Hobbes)

Os bons pensamentos devem ser honrados, eles trazem o bem-estar social, os homens de bons pensamentos também são honrados quando seus pensamentos são aceitos pela sociedade.

Os maus pensamentos não devem ser honrados, pois, trazem o mau para a sociedade e a desonra para aqueles que os honram.

Os homens de bons pensamentos não pedem para serem honrados, seus pensamentos merecem ser honrados e assim eles também acabam sendo honrados.

Os homens de maus pensamentos querem ser honrados, assim como seus pensamentos que contribuem para o caos social, quando isso ocorre existe a regressão social, a inversão de valores e a desonra será o símbolo da sociedade.

domingo, 10 de fevereiro de 2013

NÃO PERTURBE AS MENTES DOS IGNORANTES



“Que o sábio não perturbe as mentes dos ignorantes que estão apegados às atividades fruitivas. Não se deve incentivá-los a deixar de trabalhar, senão que convém ensiná-los a passarem a trabalhar em espírito de devoção.” (Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

Os ignorantes se apegam ao gozo das atividades fruitivas, cada vez mais amarrados ao apego e escravizados pelo materialismo.

Os ignorantes acham que estão se deliciando com tais atividades, porém, elas não possuem conteúdo e causam um grande vazio dentro deles que vai crescendo cada vez mais, lhes trazendo voracidade de saciar algo que não lhes sacia a vontade.

Eles acham que esse gozo atingirá o êxtase, mas não conseguem alcançar, por isso estão sempre em busca dele, porém, por um caminho errante.

Os sábios dedicam suas atividades ao Senhor, oferecem a ele o gozo de suas atividades, fazendo isso eles ficam felizes e seus interiores são preenchidos pelo espírito da devoção, eles gozam de forma espiritual e ficam satisfeitos.

Os sábios não devem perturbar as mentes dos ignorantes, pois eles estão focados no mundo material, na ilusão e se forem perturbados não conseguirão compreender o mundo espiritual, mas eles podem ser ensinados sobre essa grande verdade, esse modo feliz de viver e a forma de preencher o vazio que existe dentro de cada um, o caminho que levará eles a amarem e servirem ao Senhor.

A perturbação das mentes dos ignorantes fará com que eles permaneçam de olhos fechados, mas se o ensinamento chegar até eles, seus olhos poderão ser abertos à verdade.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

TUDO ESTÁ SOB O CONTROLE DA SUPREMA PERSONALIDADE DE DEUS


“Tudo está sob o controle da Suprema Personalidade de Deus, o controlador supremo, e todos devem agir de acordo com isto. Assim como um touro é controlado por uma corda amarrada a seu focinho, do mesmo modo, todas as almas condicionadas são forçadas a trabalhar sob os encantos dos modos da natureza.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

Deus creou o universo e os homens, tudo passou a existir a partir da creação.

Os homens são creaturas de Deus, suas almas são puras e são imprescindíveis para o corpo humano, pois quando a alma abandona o corpo, o homem não tem mais vida, seu corpo agora é uma simples matéria.

Os homens devem servir e amar a Deus, se ele é o nosso creador, o nosso Pai, quem nos deu a vida, ele quer estar sempre perto de nós, qual o motivo para desobedecer e contrariar suas vontades? Ele está repleto de bondade e amor para conosco e quer que estejamos perto dele mesmo após o fim da vida humana.

Se o homem não deixa que Deus o controle e o guie ao longo da vida humana, ele também não será dono de si, pois, não poderá ser controlado por si mesmo, ele será controlado pelos modos da natureza: bondade, paixão e ignorância, ele viverá uma vida instável e alternada entre eles, pois a todo instante um modo vai prevalecer e vai controlar o ser humano.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

PURIFICADO COMO O OURO


“Você já viu como um ourives purifica o ouro? É um trabalho interessante. Ele coloca o precioso metal sobre uma chama intensa até que ele derreta. Assim que as impurezas sobem à superfície do ouro derretido, ele as remove. Com muita paciência, durante muito tempo, ele fica removendo as impurezas até que o ouro se apresenta puro e pronto para ser modelado numa bela obra de arte.” (Dr. Philip Bickel)

O ourives purifica o ouro e Deus purifica o homem, os dois são modelados pela chama intensa.

Deus faz com que o homem cresça espiritualmente, elimina suas impurezas, o torna cada vez mais humano e renovado.

A modelagem é feita com paciência e precioso cuidado, e o resultado é sempre belo.

Cada vez mais a chama de Deus vai sendo acesa na alma humana, vai se alargando e ele vai se deixando ser purificado por Deus e passa a ser uma nova creatura.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

AS DORES DAS CRIANÇAS E AS DORES DOS ADULTOS


“Quando uma criança pequena se machuca, ela corre para a sua mãe e lhe pede, chorosa: “Mamãe, beija.” A mãe ocupada beija no lugar que dói, e com um afago despede a criança que logo se sente confortada porque tudo já passou.

Isto, naturalmente, funciona com crianças. Mas, nós, como adultos, queremos algo que realmente cure as nossas dores. Nós desejamos ansiosamente que a dor acabe e que os sofrimentos nesta vida terminem.” (Dr. Philip Bickel)

As crianças vivem na inocência, são bondosas e não conhecem a maldade.

As crianças conhecem a dor passageira, mas não conhecem o sofrimento, as dores delas passam, mas o sofrimento fica para os adultos por um longo tempo.

Para as crianças a vida é formada de alegrias e felicidades, elas vivem na inocência e na pureza da infância.

As crianças sempre buscam apoio de quem lhe está próximo, quem lhes dê carinho, afeto e amor.

Os adultos vivem em busca da felicidade, de acabar com os sofrimentos da vida, de uma felicidade eterna ainda na vida humana, vivem com ansiedade e se esquecem de viver na verdadeira felicidade.

Os adultos buscam a felicidade nas coisas materiais, que são ilusórias e passageiras, quanto mais eles procuram menos eles a encontram.

Os adultos sofrem com as paixões e as ignorâncias, se refugiam da maldade quando não a cometem.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

FALANDO DE SOFRIMENTOS


“Não é agradável falar dos sofrimentos que temos na vida e, muito menos, refletir sobre as implicações que estes sofrimentos têm em nossa existência. O tema do sofrimento nos obriga a examinar a nossa vida profundamente, porque sempre nos parece que o sofrimento é injusto.”(Dr. Philip Bickel)

Os sofrimentos são momentos de dureza, que necessitam de fé e paciência, mas que além da dor sentida nesses momentos, também pode se crescer espiritualmente.

Ao invés de mágoas e rancores dos sofrimentos, o homem deve analisar esses momentos de deles tirar lições, aprendizados, perceber as boas consequências que vieram após eles. Pois, alguns sofrimentos surgem para o homem abrir os olhos para sua existência.

Falar de sofrimentos não é falar de dor, de desespero, mas sim, da análise profunda que pode ser feita após passar o momento do sofrimento. Pois, o que parece ser injusto na verdade pode ser para o bem ou para evitar que algo pior aconteça, assim, o sofrimento ensina e prepara o homem para novos desafios.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

DOR


“Estiquei ao máximo

A ponta de cada um de meus nervos

Tangenciei abismos

Como uma cobra estrangulada.

Essa era minha selvagem

Forma de lidar

Com a dor.” (Luiz Alberto Mendes Junior)

A dor faz com que o homem vá a lugares distantes e percorra distâncias, seja fugindo dela ou resistindo a ela.

A dor leva o homem aos extremos comportamentais e de autocontrole, é necessário ter forças para não deixar que a dor lhe vença.

A dor é vencida com a força da compreensão, da paciência, do autocontrole, da não violência.

Se o homem enfrenta a dor com selvageria ele não vai conseguir vencê-la, apenas vai ficar fugindo dela cada vez que a espanta, pois, ela sempre o estará importunando.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

A CONSCIÊNCIA NÃO PODE SER NEGADA


“A consciência não pode ser negada. Um corpo sem consciência é um corpo morto. Assim que a consciência é removida do corpo, a boca deixa de falar, os olhos deixam de ver e os ouvidos deixam de ouvir. Mesmo uma criança pode entender isso. É fato que a consciência é absolutamente necessária para a vitalidade do corpo. E o que é esta consciência? Assim como fumaça e calor são sintomas de fogo, a consciência é o sintoma da alma. A energia da alma, ou o Eu, é manifestada na forma de consciência. De fato, a consciência prova que a alma está presente.” (Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

A consciência não pode ser negada, ela existe dentro de cada ser humano.

A energia vital do ser humano também se manifesta na forma de consciência, a alma, a parte mais pura que existe no ser humano, a energia Divina.

Quando a alma abandona o corpo humano ele perde a consciência e a vida, torna-se uma matéria morta.

A consciência é a prova de que o homem pode mudar, que Deus está dentro dele e junto com ele, lhe dando vida e quer que ele tenha uma vida melhor.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

CONHECENDO SEU PRINCIPAL ATRIBUTO


“Seu dom de destaque. Cultive-o e incentive os demais. Todos alcançariam a excelência em alguma coisa se conhecessem sua qualidade dominante. Identifique o rei dos seus atributos e se dedique a ele com afinco. Alguns se destacam no discernimento e outros, na coragem. Os demais violentam a sua aptidão e não alcançam a superioridade em nada. Deixam-se cegar e lisonjear pelas paixões até que – tarde demais! – o tempo as desminta.” (Baltasar Gracián)

Cada pessoa tem um dom que se destaca entre os outros dons que possui.

Esse dom deve ser cada vez mais preservado e aperfeiçoado, os outros dons também deverão ser incentivados a fim de que todos possam se desenvolver.

Existe um dom que reina sobre os outros dons, ele deve ser identificado para que possa receber uma atenção especial, pois, dele sairão bons frutos, enquanto os outros são auxiliares, mas podem não render tantos frutos quanto o principal dom renderá.

sábado, 2 de fevereiro de 2013

TEMPERANDO A IMAGINAÇÃO


“Devemos ora refreá-la, ora estimulá-la. Toda felicidade depende da imaginação, e esta deveria ser orientada pelo bom senso. Às vezes, ela se comporta como um tirano. Não lhe bastando especular, toma conta de nossa vida, a qual torna agradável ou desagradável, tornando-nos infelizes ou satisfeitos demais conosco mesmos. A alguns causa só desgosto, pois a imaginação é um algoz dos tolos. A outros promete felicidade e aventura, alegria e vertigem. Ela pode fazer tudo isso, se não for temperada pela prudência e pelo bom senso.” (Baltasar Gracián)

A imaginação recebe temperos que a estimulam ou a refreiam.

A felicidade pode ter um aspecto relacionado a imaginação, pois trata-se a vida em sociedade, se o homem se imagina feliz ele estará feliz, mas se achar-se infeliz ele viverá na infelicidade.

A imaginação pode se comportar como uma tirana na vida do homem se ele não souber temperá-la, pois ela pode fazer dele seu escravo.

A imaginação engana os tolos e agrada a vida dos que vivem no bom senso, como um toque de magia na vida deles ao invés de uma cega ilusão.

A felicidade verdadeira e eterna o homem possui com a consciência, o amor a Deus e a rendição a ele.

O homem pode viver com a consciência da verdade e temperar a imaginação ao viver aqui na Terra com prudência e bom senso.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

O AMOR VENCE OS INIMIGOS


“O amor à verdade supõe a vontade de querer entender sempre o ponto de vista do adversário.” (Mahatma Gandhi)

Amando o inimigo você terá a chance de entender seu modo de pensar e agir, seus pontos positivos e negativos, fracos e fortes.

Com o amor você pode perdoar seu inimigo e ganhar um amigo.

Quando você transforma um inimigo em amigo mediante o amor, é uma grande vitória, o bem vence o mal, o mundo melhora.

Como o amor se consegue a paz, se elimina a violência, as pessoas mudam, a harmonia prevalece e a amizade toma o reinado das inimizades.