Follow by Email

domingo, 31 de julho de 2011

CARÁTER E INTELIGÊNCIA

“São os pólos que fazem luzir os predicados. Um sem a outra é apenas meia felicidade. Não basta ser inteligente; é preciso também ter o caráter apropriado. O tolo fracassa por desconsiderar sua condição, posição, origem, amizades.” (Baltasar Gracián)

De que ainda ser um expert e ser um mau caráter? Sem amigos é impossível viver. Uma pessoa isolada da sociedade e vivendo para si só nunca alcançará a felicidade. A inteligência qualifica o homem que utiliza seus conhecimentos de forma racional e para o bem. Um conhecimento fechado corresponde a uma ilha deserta. Desvirtua até a sua verdadeira essência, o conhecimento deve ser propagado para que outros também tenham acesso a ele, se é para o bem da humanidade tem de ser divulgado e continuado.

O caráter é uma das virtudes do homem, a partir dele, a sociedade analisa também a sua personalidade e vai classificá-lo como um bom ou mau cidadão. Nem todos os cidadãos cumprem o seu papel social e a sociedade é prejudicada por esses atos contraditórios ao bem-estar esperado. O caráter não surge de forma momentânea, pois, ele é formado ao logo da existência humana, é demonstrado após o seu nascimento e crescimento em sociedade. Dessa forma ele destaca os expoentes sociais com bons pensamentos e que sabem conviver em sociedade, ou seja, aqueles que contribuem à justiça e oi bem-estar social.


sábado, 30 de julho de 2011

O ENSINAMENTO

"Acredito que, se tivesse quem me ensinasse, eu teria feito esforços para pôr em prática os desejos." (Santa Tereza de Ávila)

Por falta de conhecimento ou simplesmente de um bom conselho, muitos projetos de vida são perdidos ou ficam apenas nos sonhos. Bastava que existisse um pequeno ensinamento ou modelo de por em prática, para que essas pessoas pudessem realizar seus sonhos e alcançar seus objetivos. Por isso, mesmo que demore um sonho a ser realizado, dele não podemos desistir, pois irá chegar o momento de conhecer ou de encontrar uma maneira de realizá-lo. O homem esperançoso e persistente vai poder almejar dos frutos do seu esforço, já o que desiste no meio do caminho viverá a angústia e a frustração de não viver realizado.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

INTEGRAÇÃO DAS CIÊNCIAS

"Os sociólogos têm, creio, uma necessidade premente de serem regularmente informados das pesquisas feitas nas ciências especiais, história do direito, costumes e religião, estatísticas sociais, ciências econômicas, etc..., pois é aí que se encontram os materiais de que a Sociologia deve ser construída." (Emile Durkheim)

Do mesmo modo que a Sociologia complementa-se e busca elementos em outras ciências, também ocorre no Direito e em várias outras ciências, pois esses conteúdos ampliam o conteúdo e a área de atuação de uma ciência, que fica mais enriquecida e qualificada, com uma essência admirável nos dias de hoje, pois, vivemos uma era pós-moderna onde o esvaziamento cultural vive a ocorrer de forma global. Para sairmos dessa crise e recuperar todo um aparato cultural, mais ainda do que antes, é retornar aos primórdios e buscar nas ciências esse conteúdo. Não só o conteúdo cultural de certa sociedade, já que estamos vivendo no multiculturalismo, sendo assim, uma integração cultural sem apagar as identidades originais é de suma importância. Além de recuperar um aspecto perdido, agora se podem conhecer as novas culturas de forma rápida e integrada.


quinta-feira, 28 de julho de 2011

OPORTUNIDADE E COMPETÊNCIA

"Em nada adianta a oportunidade, se não for seguida de uma justa competência." (Autor desconhecido)

Muitos sonham com uma oportunidade, mas nem sempre estão preparados para ela, pois, quando a conseguem, não exercem as verdadeiras pretensões que anteriormente tinham estabelecido. Esse descumprimento pode acarretar em sérios problemas, ao ponto da oportunidade tornar-se um grande fracasso e tudo ser perdido em vão.

Quando se ganha uma oportunidade, com competência para cumprir suas obrigações, e bons frutos serão colhidos dessa atividade, com uma forma digna e feliz, o amor ao seu fazer, de forma tão positiva que seus objetivos pré-estabelecidos serão alcançados e superados. Dessa forma outras oportunidades aprimorativas aparecerão e o reconhecimento de todo este esforço não cessará de aparecer.


quarta-feira, 27 de julho de 2011

GÊNIOS DO MAL

"Bem como serpentes que o frio
Em nós emaranha, - salgadas
As ondas s'estranham, pesadas
Batendo no frouxo areal.
Disseras que viras vagando
Nas furnas do céu entreabertas
Que mudas fuzilam, - incertas
Fantasmas do gênio do mal!” (Gonçalves Dias)

Devemos ter cuidado com os gênios do mal que vivem na sociedade, exprimindo seus pensamentos prejudiciais e dando conselhos errôneos. A influência dessas pessoas na sociedade ocorre constantemente, eles sempre buscam tirar proveito das situações, livrando a pessoa deles e culpando uma sociedade que se torna sua maior vítima. Eles sempre querem estar ao nosso lado, se aproximam e de repente nos atingem e desaparecem, mais uma pessoa foi enganada, o alvo agora é outro.

Antes de acreditar nas ideias desses fantasmas que estão mais vivos do que imaginamos uma boa análise pessoas e da vida da pessoa é importante, se não se conhece a sua vida, analisa-se como eu vivia antes dela aparecer? O que ela vem modificando? Duas simples respostas podem descobrir muitas outras e desmascarar os aproveitadores ambulantes que vivem a nos procurar, cada qual com seu objetivo específico, mas todos com a mesma finalidade.


terça-feira, 26 de julho de 2011

O GRANDE E O PEQUENO HOMEM

Le grand inconvénient de la vie rélle et ce qui la rend insupportable à l'homme superíeur, c'est que, si l'on y transporte les principes de l'idéal, les qualités deviennent des défauts, si bien que fort souvent l'homme accompli y réussit moins bien que celui qui a pour mobiles l'egoisme ou la routine vulgaire."
"O grande inconveniente da vida real, e o que a torna insuportável ao homem superior, é que, se transferirmos para ela os princípios do ideal, as qualidades tornam-se defeitos de tal forma que, muitas vezes, o homem pleno tem menos sucesso do que aquele que é movido pelo egoísmo ou pela rotina vulgar." (Marc-Aurèle Renan)

Nem só de alegria e felicidade vive o grande homem, ele vive a enfrentar desafios e passa por angústias. Vê as injustiças terrenas, mas nunca desiste e continua sua nobre caminhada, suas qualidades cada vez mais o engrandecessem e elevam seu espírito. Sua história é conhecida e será lembrada por todos, embora possa ser um herói anônimo, posteriormente será conhecido. Sua fé é superior a vida perante a humanidade e sua paciência aguarda a justiça divina, embora viva uma vida onde vê os pequenos falsos homens terem um grande destaque, sua consciência o tranquiliza, pois enquanto ele cresce, os falsos iniciam a queda do trono que não os pertencia.

O homem falso, egoísta e invejoso pode conseguir grandes riquezas, seu pensamento heliotrópico o deixa satisfeito, embora esteja totalmente vazio e vivo em um mundo metafísico, onde sua realidade embora grandiosa não o satisfaça, pois, ele vive em busca de uma felicidade longínqua e que não poderá ser alcançada. Porque seu modo de vida não o permite, seu dinheiro não pode comprá-la. Sua felicidade momentânea é de humilhações com o próximo e sua inveja e falsidade tentam destruir os que estão ao seu lado. Seu egoísmo o cega de tal maneira que sua destruição espiritual é imensurável. Esse na verdade é um grande pequeno homem, sem grandeza, sem amigos, sem ninguém que o veja de forma simples e humilde.


segunda-feira, 25 de julho de 2011

SALTOS E VOOS

"Se um dançarino desse saltos muito altos, poderíamos admirá-lo. Mas se ele tentasse dar a impressão de poder voar, o riso seria seu merecido castigo, mesmo se ele fosse capaz, na verdade, de saltar mais alto que qualquer outro dançarino. Saltos são atos de seres essencialmente terrestres, que respeitam a força gravitacional da Terra, pois que o salto é algo momentâneo. Mas o vôo nos faz lembrar os seres emancipados das condições telúricas, um privilégio reservado para as criaturas aladas." (Kierkegaard)

Mesmo vencendo grandes desafios e superando limites que antes pareciam impossíveis, devemos ter consciência que não somos sem limites. Pois quando ultrapassamos a linha racionalista do controle, o excesso pode ser uma superação do impossível, mas também pode ocasionar na quebra de tudo que foi construído anteriormente, dando lugar a uma situação não esperada com sentimento de derrota. Por isso, é muito importante pensar antes de errar sabendo que o ato pode resultar em uma fatalidade.

domingo, 24 de julho de 2011

A IDEIA

"De onde ela vem?! De que matéria bruta? Vem essa luz que sobre as nebulosas
Cai de incógnitas criptas misteriosas
Como as estalactites duma gruta?!

 Vem da psicogenética e alta luta
Do feixe de moléculas nervosas,
Que, em desintegrações maravilhosas,
Delibera, e depois, quer e executa!" (Augusto dos Anjos)


As ideias surgem estranhamente e iluminam o nosso pensamento, elas vão nos dar criatividade ou saída para realizarmos nosso objetivo, seja ele um meio para um fim ou a saída de um fim. Pois uma ideia pode ser a saída de uma conturbada e nebulosa situação, que repentinamente é clareada e vem à solução, basta o esforço e a calma que a ideia fluirá.

sábado, 23 de julho de 2011

AMOR À PROFISSÃO

"E disse, porque o caso me envergonha,
Trabalho tem, quem ama, e se desvela,
E muito mais quem dorme, e em falso sonha." (Gregório de Matos e Guerra)


Muitos trabalham sem amor a profissão, para essas pessoas não se exerce um trabalho, e sim algo desconfortante que as incomoda cada vez que estão no exercício de sua função. Desse modo, os terceiros são atingidos, quando necessitam de algo, passam por uma lentidão inesperada, quando não são destratados sem motivo algum, apenas por falta de amor e um falso gosto pela sua profissão.

Essas pessoas ao invés de passarem o dia amando o seu labor, esbanjando felicidade e alegria por serem úteis ao desenvolvimento da sociedade, desempenhando um papel não só importante para si, mas para todos.

Nesses momentos os gestos de gentileza e sorrisos agradam muito mais que as caras tristes, o mau humor e os gestos e palavras de ignorância e brutalidade.


sexta-feira, 22 de julho de 2011

O QUE LEVA ALGUÉM A COMETER UM CRIME?

"Portanto, quando indagamos a causa de um crime, não descansamos até averiguar qual o apetite dos bens chamados ínfimos, ou que temor de perdê-los foi capaz de provocá-lo. sem dúvida são belos e atraentes, embora, comparados com os bens superiores e beatíficos, sejam abjetos e desprezíveis." (Santo Agostinho)

O que leva uma pessoa a cometer um crime? Quais as sensações que ela sente? Será por necessidade? Distúrbio psicológico? Falta de consciência?
A necessidade pode ser a única saída para evitar um perigo real a própria pessoa, que geraria uma absolvição. A necessidade poderia ser a satisfação, em casos de furto famélico, onde as pequenas coisas furtadas não iriam empobrecer a vítima, sendo assim, deveria nem se iniciar o encarceramento de quem furtou o objeto.
Os distúrbios ficariam para os incapazes, ou seja, loucos e menores que não teriam a noção do ato cometido. 
A falta de consciência vem do risco assumido (culpa) ou a própria vontade de cometer o crime (dolo). Esses com certeza sentem algo quando estão cometendo o fato, ficam emocionados e cheios de prazer, pois estão seguros de que vão conseguir realizar seu objetivo.  Também pode existir o medo, em casos de amadores e iniciantes nessa nova vida, pois a falta de experiência gera a intranquilidade e a falta de segurança.
Os bens jurídicos são protegidos, quando valorados são punidos, quando são bens de pequeno valor, esses são excluídos de punição, ou pelo menos deveriam ser. Às vezes um furto famélico leva uma pessoa à prisão, quando deveria ser deixado devido o respeito ao princípio da bagatela. Mas, infelizmente encontramos pessoas insensíveis a esses casos que preferem aplicar a lei a qualquer custo.
Se uma pessoa já tem tendência ao crime e encontra uma vítima que o atraia, ele pode desenvolver essa vontade de praticar tal ato, porém, a vítima também pode desestimulá-lo. Por exemplo, quando ele sente prazer com a dor e a vítima não resiste as suas atitudes, ela pode escapar dele sem precisar sofrer. Não só o fator biológico de uma pessoa poderá influenciá-la, mas também o meio em que viveu, seja na própria casa ou na sociedade.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

CONHECENDO O HOMEM

"Nos non possumus omnia quae sunt in anima nostra uno verbo exprimere, et ideo oportet quod sin plura verba imperfecta, per quae divisim exprimamus omnia quae sint in scientia nostra sunt"
"Nós não podemos expressar em uma única palavra tudo o que há em nossa alma e devemos valer-nos de muitas palavras imperfeitas e, por isso, exprimimos fragmentária e setorialmente tudo o que conhecemos" (Tomás de Aquino)

Não podemos conhecer o homem por uma única palavra exprimida por ele, pois sua alma é quem contém toda a sua essência, e uma palavra nem sempre será uma verdade real. Pois, as palavras podem ser utilizadas para uma conquista, uma saída rápida de uma situação, a mascarar uma verdade, ou seja, demonstrar que ele é o que não é, mas quer espelhar ser naquela determinada situação, para isso ele utiliza palavras imperfeitas à sua alma e satisfaz os que estão ao seu redor.

Para conhecer um homem devemos conhecer a sua vida, suas atitudes e o seu modo de ser, não devemos ficar atidos somente às suas palavras, temos de conhecer a sua alma e a essência do seu ser. Essa é uma boa análise que deveria ser feita no meio jurídico, aplicando-se ao Direito Penal, para saber da vida e do comportamento da pessoa, dessa maneira teríamos uma resposta complementar e saberíamos se ele cometeu um crime porque já tinha essa índole, se foi decorrente da situação instantânea que o obrigou a desempenhar tal ato, ou por influência de terceiros. Com isso, muitos inocentes seriam salvos das grades de uma prisão com outras pessoas que cometeram barbaridades, e seriam colocados com pessoas que tiveram atitudes iguais ou semelhantes as suas, quando não fossem absolvidos pela falta de intenção de cometer tal ato.

Nem todos os homens têm a coragem de se olhar no espelho e observar a sua face, começar a refletir sobre sua vida. Homens guiados por Deus conhecem o horizonte dos seus olhos, já os que vivem no vazio preferem desconhecer o seu modo de vida.

domingo, 17 de julho de 2011

AÇÃO E REAÇÃO

"Duas coisas instruem o homem sobre toda a sua natureza: o instinto e a experiência." (Blaise Pascal)

O instinto guia o homem através de impulsos e situações fáticas do meio em que se encontra, daí decorrerão suas atitudes instintivas de agir ou estar estático diante de uma situação casual. Os impulsos levarão os homens a erros ou acertos, dependendo do motivo que causou sua ação impulsiva, a forma como ele reagiu, o resultado dirá se ele errou ou acertou. Se ele conseguiu seu objetivo ou foi uma tentativa frustrante, se quem recebeu a reação foi atingida dentro das expectativas do agente ou não, ou até em desacordo com o que era esperado. Se sua ação mudou o pensamento e a pessoa que antes lhe deu um motivo para desencadear todo esse processo de ação e reação.

A experiência vai prevenir o homem, pois, diante de situações adversas, ele poderá se comportar tranquilamente e resolver a situação. Dessa maneira, se agir com experiência e não por impulso, ele terá mais resultados positivos e menos resultados negativos. Agirá racionalmente e pensará antes de desencadear uma ação, ou seja, seu processo de ação e reação não será totalmente dinâmico, ele terá uma pausa, nesse momento seu conhecimento irá ser aproveitado de forma rápida e grandiosa, pois ao invés de um impulso reativo impensado, a razão estará na reação.

Sendo assim, o homem deve agir com cautela, se for para agir com impulso, que utilize a razão, se for experiente, não se deixe levar pelos impulsos da vida. Dessa forma, ele manterá um controle e aprenderá cada vez mais, mesmo em situações complexas, seu conhecimento racional irá predominar em seu modo de agir.

Toda ação humana causa uma reação, e a partir daí ele irá ter um crescimento ou uma regressão. Se ele age para o bem ele segue no modo da bondade, se age para o mal anda pela ignorância que aprisiona o homem nos desejos da carne. Nesse meio termo, de ações e reações o homem vai definindo uma parte do seu futuro.

sábado, 16 de julho de 2011

NOSSAS ESCOLHAS

"A querer desempenhar bem vosso ofício, é dever dizer que opinião se tenha de uma e de outra coisa." (Maquiavel)


Todos nós temos escolhas na vida, se escolhemos uma e não outra é porque temos opiniões, no desempenho de nossos anseios e de nossos auspícios devemos ter as melhores escolhas para que sejam alcançados os bons resultados. Dessa maneira, seremos adeptos tanto de opiniões já formuladas, ou seja, quando concordamos e aceitamos opiniões gerais já existentes, quanto de novas opiniões, e quando essas atualidades são incompletas, seremos parte de sua formulação.

Na vida e no desempenho de nossos ofícios, sempre teremos de escolher antes de se chegar a um resultado. Quando formos questionados, sempre devemos expressar nossas opiniões sobre o caso. E a partir, desse jogo de idéias, seremos analisados por nossas opiniões e por nossa capacidade de decidir. Se fizermos boas escolhas chegaremos a bons frutos. Se pensarmos de acordo com o certo, o ético e o justo, estaremos sempre progredindo positivamente. Só não deveremos optar por decisões prejudiciais à nossa vida e a da sociedade, antes de decidir, é sempre bom refletir se não estaremos atingindo ao próximo e a sociedade com as nossas opiniões.

As escolhas do homem não dizem respeito apenas ao seu futuro, mas a vida de muitas pessoas, pois cada decisão causa consequências e influências. O homem de certas escolhas descobriu qual o sentido de sua vida na terra e tem esperança de um futuro celestial servindo ao seu Creador.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

A LEI E OS SUJEITOS

"Os homens tem de cumprir os pactos que celebrarem. Sem esta lei os pactos seriam em vãos e não passariam de palavras vazias. Como o direito de todos os homens a todas as coisas continuaria em vigor, permaneceríamos na condição bélica." (Thomas Hobbes)

As leis regulam os direitos dos homens, não só regulam, mas também impõe limites a esses direitos. O caráter coercitivo de uma lei faz com que o indivíduo a cumpra, pois, seu descumprimento ocorre em uma infração e consequentemente é aplicada uma punição pela transgressão a lei. Se todos os homens tivessem direitos ilimitados, nenhum obedeceria e nem respeitaria o outro, pois prevalece o velho ditado: "seu direito começa onde termina o direito do outro", e dessa maneira a lei vai impedir um caos social, ou seja, uma guerra sem fim. Cada pessoa possui tanto direitos que pertencem a todas as pessoas quanto direitos individuais, é desse mister que surgem os limites dos direitos individuais para evitar os conflitos ocasionados pelo possuidor de direito e pelo que se acha no direito.

Essa é a finalidade da lei, manter uma harmonia e evitar o caos social, corrigindo aqueles que a transgridem e causando em outros o temor da punição, dessa maneira, evita-se que todos queiram desrespeitar a lei. Pregando a dignidade da pessoa humana e buscando a justiça e o bem-estar social.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

A VERDADE E A MORAL

"Uma coisa lançou profundas raízes em mim: a convicção de que a moral é o fundamento das coisas, e a verdade, a substância de qualquer moral. A verdade tornou-se meu único objetivo. Ganhou importância a cada dia. E também a minha definição dela se foi constantemente ampliando." (Gandhi)

A moral para ser justa deve ser verdadeira, uma moral disfarçada prejudica a justiça social e recai na imoralidade e na desigualdade social.

O sentimento moral que traz em sua essência a verdade fará uma sociedade progredir, trará igualdade e seu povo será consciente.

Quanto mais verdadeira for a moral, mais ela se aproximará da ética, e essa deve ser a finalidade da moral, conscientizar a pessoa acerca de justiça.

A verdade deve pairar na sociedade, assim o cidadão saberá desempenhar seu papel, viverá em comunidade e ajudará o próximo.

terça-feira, 12 de julho de 2011

O DESTINO É O BEM

"Toda arte e toda investigação, bem como toda ação e toda escolha, visam a um bem qualquer; e por isso foi dito, não sem razão, que o bem é aquilo que as coisas tendem, mas entre os fins observa-se uma certa diversidade: alguns são atividades, outros são produtos do distinto das atividades das quais resultam; e onde há fins distintos das ações, tais fins são, por natureza, mais excelentes, do que as últimas." (Aristóteles)

Os fins justificam os meios, se a finalidade é o bem, e os meios também devem ser bons para que seu objetivo final seja algo melhor.

Se forem empregadas más ações e atividades ardilosas, será uma conduta contaminada, o que no final seria bom, surgirá contaminado por um mal.

Uma natureza boa produz bons frutos, que são dignos de elogios, mas sem se esquecer do fato gerador dos frutos, pois sem ele, eles não existiriam.

Uma relação de causa e efeito, que passa por várias fases, possui condutas e meios para se conseguir. Caberá ao homem decidir pela bondade do início ao fim e manter uma boa natureza na fonte e nos frutos ou fazer uma colheita de frutos envenenados pelo mal.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

O JULGAMENTO

"Por derradeiro, amigos de minh'alma, por derradeiro, a última, a melhor lição da minha experiência. De quanto no mundo tenho visto, o resumo se abrange nestas sete palavras: NÃO HÁ JUSTIÇA ONDE NÃO HAJA DEUS." (Rui Barbosa)

Para haver Justiça não basta apenas ter conhecimento, apenas ser racional, saber das leis e conhecer a sociedade.

O homem julga a partir de valores, características, fatos e acontecimentos, daí vai tirando conclusões para argumentar seu julgamento.

Um julgamento que não pode ser frio, materialista e vingativo. Deve existir a ponderação, o ensino, uma correção e não uma condenação eterna.

Somente Deus é capaz de julgar o homem, homem algum pode ter esse idêntico poder, pois o homem é contaminado por valores desde o seu nascimento, cresce com eles e isso vai o tornando parcial, portanto, ele deve se desapegar de todos essas valores na hora de julgar, sabendo que deve fazer Justiça de modo que faça o outro aprender a não cometer o mesmo erro, que ele se arrependa, mude de vida.

Por isso Rui Barbosa dizia: "NÃO HÁ JUSTIÇA ONDE NÃO HAJA DEUS".

domingo, 10 de julho de 2011

A FALTA DA OBSERVAÇÃO

"Quando as águas da enchente derrubam as casas, e o rio transborda arrasando tudo, quer dizer que há muitos dias começou a chover na serra, ainda que não nos déssemos conta." (Eraclio Zepeda)
Muitas vezes o homem culpa a natureza pelas chuvas e enchentes, mas na verdade foi ele quem não prestou atenção ao que podia ocorrer.
Se há muita chuva, existe um limite para o rio armazenar a água, é lógico que irá transbordar, a água tem seu curso natural e seguirá, mas se houve intervenção humana, invadiu um espaço natural e nele construiu, dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar, então a água vai passar, vai invadir e se não tiver uma estrutura sólida, o que estiver em sua frente será arrasado.
O homem deve respeitar a natureza e não culpá-la de algo que não tem culpa, ele precisa ser mais observador, evitando que a própria humanidade seja prejudicada pelas reações naturais da natureza. O homem deve saber conviver com ela, de forma harmoniosa e não de forma dizimadora, pois suas ações causam reações.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

A MORTE DA CULTURA E O DESENVOLVIMENTO

"As sociedades indígenas sabem conviver com a natureza e dela tiram seu sustento sem danificar significativamente o ecossistema. Mas são essas mesmas sociedades que têm suas culturas arrasadas pelo etnocídio e seus componentes chacinados pela sanha genocida da cultura branca, que se considera "civilizada". A aculturação no Brasil, infelizmente,  é sinônimo de desfiguração e morte." (Roberto Armando Ramos de Aguiar)

Esse é o início da história da colonização brasileira, uma cultura que aqui já existia e até hoje vem sendo aculturada. As etnias e as culturas mais complexas dos primeiros habitantes do Brasil vão sendo esquecidas, seu conjunto de saberes vai sendo reduzido, já que hoje temos muitos índios aculturados e desenraizados de sua cultura natural.

E assim foi crescendo a produção econômica brasileira, para abastecê-la, utilizou-se o sangue de muitos, além de uma grande devastação ambiental, de forma irracional e desequilibrada, trazendo consequencias visíveis até os dias de hoje.

Com o etnocídio, a história brasileira também vai sendo morta, onde estão as etnias originárias? Antes maioria e hoje minoria, antes iguais e hoje diferentes. Quando o capitalismo entra em cena começa a matança da espécie humana, da fauna e da flora brasileira.

E por falar em fauna e flora, muitas das espécies forma extintas ou extremamente erradicadas, tanta beleza que ao invés de preservada fora exterminada, maravilhas tratadas  como se fossem males, todas foram desfiguradas e hoje não existem mais, seus restos estão espalhados pelo mundo.

O capitalismo investe muito mais na morte e no consumo, do que na vida e na preservação. Uma civilização descivilizadora, mais posses e mais desprezos, a regra é consumir e lucrar.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

O DIREITO PLANETÁRIO

"Hoje, o direito enfrenta um desafio radical. suas normas nacionais e internacionais raramente conseguem dar conta da planetarização dos problemas. Os problemas não se dão mais tão somente entre nações ou organismos transnacionais. Atingem a espécie humana como um todo e a biosfera do planeta Terra. Para dar conta dessa nova ordem de problemas, o direito tem, de se planetarizar." (Roberto Armando Ramos de Aguiar)

O direito planetário é supra-estatal, ou seja, ele vai alem do âmbito do Estado e entre Estados, ele está acima de decisões internacionais que diante de uma votação em assembléia se tornam ineficazes.

É um direito da coletividade, que abrange não só os homens, mas a natureza, o meio ambiente, os fenômenos naturais, ou seja, ele engloba o planeta Terra.

É um direito plural nas sociedades, composto por vários ordenamentos, não é apenas demonstrado na letra da lei, não é somente escrito, mas também não-escrito, protege os direitos difusos e o bem comum.

Os movimentos sociais que defendem o meio ambiente são agentes que provocam a população planetária, diante disso, surgem leis eficazes protegendo novos direitos, tornando o direito planetário dinâmico, coletivo e eficaz.

O direito planetário atua em diversos âmbitos, e principalmente vai se enlarguecendo nos espaços políticos, jurídicos, éticos e científicos.

terça-feira, 5 de julho de 2011

A COMPLEXIDADE DAS LEIS

"Verdade seja dita: a legislação tem sido uma alquimia desconhecida para o povo. É assunto para "especialistas" que manipulam e desvendam os caminhos no labirinto complexo das normas jurídicas." (Roberto Armando Ramos de Aguiar)

As leis são feitas para o povo, mas nem sempre é compreendida pelo povo, são leis criadas pelo Estado, mas na aplicação dessas normas podem existir diferentes entendimentos de acordo com o método de aplicação das mesmas.

Já tivemos uma época em que as leis escritas e faladas eram aplicadas e interpretadas na mesma moeda, ou seja, "olho por olho e dente por dente". Não importava o caso, ela de imediato se adequava a ele, todos sabiam e todos entendiam a lei.

A sociedade evoluiu, os pensamentos mudaram, e as leis não ficaram paradas no tempo, também tiveram de ser alteradas, extintas, inovadas e mais normas foram criadas. Tornando-se um complexo normativo, se antes o povo sabia de tudo, agora se tenta entender as mudanças ocorridas.

Diante disso, a concepção de Justiça que pertencia ao povo, agora é estatal, é o Estado quem decide o que é justo, surgem divergências entre o Estado e a sociedade, gerando satisfação para uns e insatisfação a outros. Algo que poderia ser compreendido não é entendido, ou não foi corretamente comunicado ao seu público alvo. Entram os especialistas em busca do tesouro.

Desvendar mistérios, explicar porque a lei é de um jeito, mas pode ser interpretada e aplicada de outro. Fácil de alguns entenderem, mas não para outros e até impossível para alguns.

Encontramos boas leis, mas que são mal aplicadas, e o povo? Entende que a leis é ruim, para eles falta a lógica, a leis parece até não existir, saem decisões múltiplas para fatos semelhantes, a mídia já joga uma informação às vezes manipuladas. O poder da mídia é capaz de convencer o povo, uma faceta que o Estado não alcança.

A lei que iria regular uma sociedade ao menos consegue ser absorvida por ela, e muitas vezes sendo utilizada para justificar desigualdades sociais quando na verdade deveria solucionar problemas para manter a ordem e o bem-estar social.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

O GRANDE CREADOR

"O céu é meu pai e a terra minha mãe, e até uma criatura pequenina como eu encontra um aconchego no seu seio. Aquilo que se estende por todo o universo eu contemplo como meu corpo, e aquilo que governa o universo eu contemplo como minha natureza. Toda a gente é meu irmão e minha irmã e todos os seres são meus companheiros." (Chang-Tsai)

Dele tudo vem, e de sua respiração surge o mundo, o sopro da vida, sua energia é espalhada pelo universo nas mais diversas formas e tamanhos, várias maravilhas.

O homem possui a natureza divina, ele veio do Supremo, e a ele deve voltar, por isso, tem de glorificá-lo a todos os momentos, saber que tudo a ele pertence.

Se nós somos irmãos, devemos tratar o próximo como um irmão, e não como seres estranhos. Isso também vale para os animais. Não só humanos, mas o homem também é um animal, e deve ver que os outros também possuem alma e sentimentos.

A terra é semelhante ao colo de uma mãe, é um lugar para se viver bem, mas sem deixar de saber que é pura ilusão, antes era o nada, hoje vemos algo concreto e tudo será nada novamente, o universo creado que também será destruído.

domingo, 3 de julho de 2011

A DEMOCRACIA

"A democracia começa, pois, por definir-se pela possibilidade da discussão 'racional e razoável", pressuposto necessário as suas formas institucionais e legais." (Eric Weil)

Para a democracia existir corretamente, não pode apenas ser instituída nominalmente, sua essência é fundamental, seguir seus preceitos e efetivá-la.

É necessário que os cidadãos participem das discussões e decisões políticas, não apenas a comunidade política, pois, nem sempre os representantes do povo deixam que eles tomem essas decisões, tornando ineficaz essa democracia, que fica apenas na teoria e na folha de papel.

Os cidadãos necessitam da liberdade de expressarem suas necessidades diante do bem comum e da administração pública, pois o Estado é o controlador, mas um estado não existe sem o povo.

Se as discussões e decisões ficam concentradas na comunidade política, começa a surgir à crise democrática, a desordem social, o desrespeito aos direitos dos cidadãos.

sábado, 2 de julho de 2011

O DIÁLOGO E A ÉTICA

"O diálogo é fundamentalmente um evento de natureza ética e é por ele que a estrutura intersubjetiva do agir ético primeiramente se realiza." (Martin Buber)

O fenômeno humano da linguagem deve ser observado tanto pelas suas formas quanto pelos seus usos, revelando se ele está transmitindo uma temática ética ou não.

A racionalidade é expressa por meio da linguagem e suas várias formas de comunicação, das mais simples às mais complexas.

A relação Eu-Tu é primordial, possui uma natureza originária da ética, o Tu revela o bem em sentido universal, enquanto o Eu revela a razão prática. Assim desenvolve-se o agir ético, a auto-realização
humana, os objetos e as coisas.

Sem o diálogo, os valores éticos não poderiam ser transmitidos, é por meio de diálogos e pela diversidade de linguagens que eles vão sendo conhecidos pelo mundo. Falado, escrito ou visual, todos tem a oportunidade de conhecê-los, de refletir sobre eles e passar a agir com ética.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

O EU ACOLHE O OUTRO EU

"Sendo o ato da Razão prática uma perfeição (enérgeia) do sujeito no caminho de sua auto-realização e cuja estrutura se constitui a partir do momento da universidade que ordena o ato ao bem como tal, o encontro com o outro como ato ético exige, como primeira condição de sua possibilidade ou como primeiro momento de seu movimento dialético, o reconhecimento do horizonte comum de universalidade no qual o Eu acolhe o Outro como Outro Eu." (J. de Finance)

A razão prática é um movimento que termina no próprio sujeito, uma efetivação da razão teórica, e ao final, proporcionando uma auto-realização humana.

Uma dualidade inerente ao homem, que por meio do transcendente saberá dosar e equilibrar a razão. Para que ela não domine seu pensamento de forma a torná-lo desequilibrado.

A bondade e a ética serão mais importantes que os interesses e as utilidades, proporcionando ao homem uma vida de paz interior e de desapego às coisas materiais.

A união de um eu com o outro eu é um desafio humano, viver em comunidade, assim como vive o corpo e a alma.