Follow by Email

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

HÉRACLES E ATENA


 (Héracles e Atena)
 
 
Caminhava Héracles por um caminho estreito, quando viu no chão um objeto parecido com uma maçã, e quis esmagá-lo. Observou porém que o tal objeto dobrara de tamanho, e ainda mais o pisou e nele bateu com seu porrete. A coisa, porém, estufou e aumentou tanto de tamanho que obstruiu o caminho. Ele largou pois o porrete e olhou admirado o acontecido. Foi quando Atena lhe apareceu e disse: “Pára, irmão, isso que vês é a disputa e a discórdia. Se o deixarmos tranquilo, continua com o mesmo tamanho mas, se o combatermos, ele infla”.” (Esopo)

Quando se usa a violência para tentar esmagar a disputa e a discórdia, elas só aumentam de tamanho, pois, se alimentam da violência.

Quando se faz um alvoroço diante de um pequeno e simples problema, ele pode se tornar um grande e grave problema, pois, suas forças ficarão maiores diante do desespero e da preocupação de quem o alimenta.

Ao invés de aumentar a rivalidade, devemos proporcionar a calma, a paciência e a tranquilidade para mantê-la em seu tamanho e reduzir a discórdia e a disputa, até que se extinga a rivalidade.

Havendo a disputa e a discórdia, também haverá o mal gerado por elas e que causa imensas consequências, por isso, devemos de forma pacífica acabar com as rivalidades.

domingo, 10 de agosto de 2014

FELIZ DIA DOS PAIS







FELIZ DIA DOS PAIS

Devemos sempre ter orgulho agradecer e amar os nossos pais, pois, eles passam a vida nos orientando e nos instruindo, são eternamente nossos amigos.

Ser pai é ter compromisso e responsabilidade com os filhos, é dar amor e carinho, ser amigo, ser um mestre e protetor, é transmitir seus experiência de vida e orientar sempre para o bem.

Ser pai não é somente um minuto ou um dia, mas a vida inteira e Dia dos Pais não é um único dia, pois, todos os dias devemos agradecer aos nossos pais e dar amor e carinho a eles, sermos seus amigos e companheiros por toda a vida.

Parabéns e um Feliz Dia a Todos os Pais.

Eu agradeço sempre pelas bênçãos da paternidade, a de ser seu filho e ter o melhor pai do mundo e também a de ser pai e, seguindo seu exemplo de pai, poder transmitir tudo que aprendi contigo.

Com seu jeito sério e mostrando a responsabilidade de muitas experiências de vida é capaz de assustar, mas sempre quer o melhor para seus filhos e não esconde um coração mole e cheio de amor, basta olhar que ele está visível.

Desde o meu nascimento recebo seu amor, sua proteção e sua amizade, que é contínua e cada vez mais crescente. Quero agradecer tudo que fez e faz por mim e pedir desculpas pelos aborrecimentos que lhe causei ao longo de minha vida, pois, você é muito especial pra mim.

Que Deus continue sempre te iluminando e protegendo, te dando saúde, paz, felicidades, alegrias e muito sucesso.

Painho Feliz Dia dos pais, um Beijo Grande, Te Amo e Te Amarei Sempre.

sábado, 9 de agosto de 2014

A LIBERDADE



 (Içami Tiba)
 

A liberdade é relativa, variando conforme as pretensões, porque não existe a liberdade absoluta. Quando se faz uma escolha entre duas situações, a que não foi escolhida ou se perde ou fica em segundo plano. Logo, o exercício da liberdade já envolve uma perda. No cotidiano, a liberdade está em fazer uma escolha bem adequada conforme as consequências pretendidas. A vida propicia tantas oportunidades que, se não houver responsabilidade, qualquer pessoa pode se desorganizar ou se perder.” (Içami Tiba)

Quando olhamos de modo material, a liberdade é sempre relativa, pois, olhamos para nosso corpo seu exterior, sempre existe um foco no eu, por isso, surgem duas situações de escolhas e a liberdade opta por uma e elimina a outra ou a deixa em segundo plano.

Quando olhamos para nossa alma, ela está aprisionada ao nosso corpo enquanto estamos vivos, sem ela, nossos corpos não nasceriam ou não estariam mais vivos. Após a morte do corpo a alma é liberta e nasce novamente no mundo material em outro corpo ou segue para o mundo espiritual e vai habitar em um corpo espiritual.

A liberdade da alma e a morte do corpo não constitui uma perda e nem é uma escolha, mas algo previsível, pois, a alma é eterna e a vida corpórea é passageira, portanto, tudo que nasce também morre, pois, a vida corpórea no mundo material faz parte de um ciclo com início, meio e fim, mas a alma permanece intacta e cheia de conhecimento e consciência divina.

Quando olhamos de modo espiritual, a liberdade também é relativa, pois, as almas estão conectadas ao Deus Supremo, pois, elas existem para serví-lo, seja enquanto estão no mundo material ou quando chegam ao mundo espiritual. As almas são livres, mas, elas não estão acima do Senhor, ele continua sendo o controlador e o instrutor das almas.

Se Deus é o instrutor e nós somos instruídos por ele quando optamos serví-lo e agir com devoção, nossa liberdade é relativa, pois, estamos condicionados a ele. Mas, àqueles que se acham livres e donos de suas escolhas, na verdade não são eles e sim os modos da natureza material agindo e os enganando cada vez mais.

Embora possamos fazer incontáveis escolhas, nossa liberdade continua sendo relativa, pois, possuímos o livre arbítrio mas não a liberdade absoluta. Se optamos por viver com devoção a Deus, estamos contribuindo para liberação da nossa e das demais almas, para que elas tenham um nascimento em uma vida melhor ou cheguem ao mundo espiritual.

Se a nossa vida for sempre de escolhas do nosso eu, iludido por maya e influenciado pelos modos da natureza, estaremos contribuindo para a perda, pois, estaremos prejudicando a nós mesmos e as demais pessoas gerando reações negativas, atividade pecaminosas e cheias de materialismo e ilusão.

Somente Deus possui a liberdade absoluta, pois, ele é tudo, está acima de tudo, é o Creador e o aniquilador, a fonte da verdade absoluta, a plenitude e abaixo dele, tudo está condicionado às suas leis ou às leis da natureza material que também são controladas por ele.


domingo, 3 de agosto de 2014

ZEUS JUIZ



(Zeus)


Zeus mandou que Hermes inscrevesse sobre conchas as faltas dos homens, e que as recolhesse junto dele em uma caixa para que ele pudesse fazer justiça a cada um. As conchas porém ficaram misturadas entre si, de modo que umas chegaram mais cedo que outras às mãos de Zeus, que deveria julgá-las com justiça.” (Esopo)

A justiça pode até tardar, mas um dia ela irá chegar, cabe a cada um cumprir as normas evitando transgredir as leis.

Vivendo com bondade, amor, devoção, compaixão e piedade, os homens afastarão comportamentos egoístas e injustos que sempre causam conflitos entre os homens e entre o meio em que vivem.

Para os que creem que a justiça para eles nunca chegará, cedo ou tarde eles vão perceber que estarão sendo julgados e não ficarão impunes se tiverem transgredido as leis.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

APRISIONADO AO MUNDO MATERIAL



 (Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)

Até quando
ficarás preso
às coisas dos sentidos, –
cores e fragrâncias?

Até quando,
dissoluto,
persistirás
nessa correria louca
atrás da volúpia,
sempre enredado
em enganos e sofismas?

Morrerás, certamente.

E, ainda que fosses
a sagrada nascente de Zamzém
ou o mágico Elixir da Longa Vida,
acabarias afundando-te,
para a eternidade,
nas entranhas da terra.” (Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)

Enquanto houver apego, o homem viverá do gozo dos sentidos e aprisionado ao mundo material.

Quanto mais ele se apega à matéria, mais ele fica se enganando e vivendo de ilusões que dominam sua mente e escravizam seu corpo.

Se no mundo ele quer continuar a viver, ele continuará a viver e a nascer em ciclos, porém, devido a seu apego à matéria ser cada vez maior, seus sofrimentos irão sempre aumentar.

Com esse contínuo estilo de vida, o homem ficará cada vez mais apegado e iludido que na vida anterior, cada vez mais aprisionado ao mundo material.

terça-feira, 22 de julho de 2014

ZEUS, PROMETEU, ATENA E MOMO



(Esopo)


Zeus criara um touro; Prometeu, um homem; e Atena, uma casa; e eles tomaram Momo como árbitro. Invejoso de seus trabalhos, começou dizendo que Zeus fora leviano por não ter posto os olhos do touro sobre os chifres para que ele visse onde atacava; Prometeu, por não ter colocado o coração dos homens do lado de fora para impedir que o vício se escondesse e cada um deixasse claro o que tinha em seu espírito e concluiu dizendo que Atena devia ter feito a casa com rodas, o que teria facilitado a mudança no caso de vir a ter um vizinho desagradável. Zeus, indignado com tanta inveja, indignado com tanta inveja, expulsou Momo do Olimpo.” (Esopo)

Cada deus trabalhou com perfeição, mas mesmo assim recebeu críticas do invejoso julgador, que não levou em consideração a arte e o desempenho de cada um, mas, sua vontade de desdenhar do trabalho de cada deus competidor.

Um trabalho que seria supostamente perfeito, foi criticado quando inserido no meio, ou seja, não foi avaliado o trabalho de criação e sim a prática, um julgamento com fundamentos diversos dos pretendidos pela análise de um árbitro.

A inveja de Momo logo foi percebida por Zeus, que ficou indignado e o expulsou do Olimpo.

sábado, 19 de julho de 2014

VIVENDO FELIZ NO TEMPO PRESENTE



(Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)



“– O dia que passou?
Esquece-o!
– O dia que ainda não veio?
Não o temas!

 
Amigo!
Não tortures o coração
na expectativa do dia que não chega.
não queiras viver.
o que ainda não aconteceu...
E não procures lamentar
o dia que já se foi.

 
Sossega,
e não corrompas a vida
com temores e quimeras.


Entre as dobras do passado
e o limiar do povir,
nesse emaranhado de crenças,
em meio aos enganos do mundo
e os terrores do Além,
mantém-te liberto,
e sê feliz!” (Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)

Se o homem fica preso ao passado e temendo o seu futuro, ele viverá um presente de infelicidades e preocupações.

Se o passado foi de erros, o presente pode ser vivido sem cometer os mesmos erros e tentando de algum modo reparar o que já foi feito, desse modo, e vivendo assim, o presente terá felicidades e o futuro não será de temos, mas sim de esperanças.

Não fique se torturando com ansiedades pelo amanhã, tudo somente ocorre no momento certo, nada acontece no nosso tempo e sim no tempo de Deus, por isso, é necessário ter paciência, tranquilidade calma e esperar que tudo ocorra no momento certo.

Se o homem fica na expectativa do amanhã, ele deixa de viver o hoje, assim, ele não vive feliz nem hoje e nem amanhã, pois, o amanhã nem sempre vem no dia posterior, mas no verdadeiro dia do amanhã.

Não fique lamentando o dia que se foi, pois, se o homem assim começa, ele continua dia após dia, as lamentações não acabam, já que, a cada novo dia, elas aumentam e ao invés de lamentar um único dia, o homem lamentará todos os seguidos dias que se foram.

Aproveite cada dia, seja uma pessoa melhor viva conectado com Deus, escute sua voz e converse com ele, veja suas manifestações, perceba as realizações que ele faz em sua vida, vivendo assim, seu presente será feliz.

sábado, 12 de julho de 2014

DIÓGENES EM VIAGEM



(Esopo)

Diógenes, o cínico, durate uma viagem, parou diante de um rio que transbordava, sem saber o que fazer. Vendo seu embaraço, um homem habituado a dar a travessia do vau aproximou-se, levantou-o nos ombros, e gentilmente o levou até a outra marge. E Diógenes ficou lá maldizendo sua pobreza que o impedia de retribuir a gentileza ao seu benfeitor. Ainda pensava nisso, quando o homem, avistando outro viajante que não podia atravessar, correu até ele e o fez atravessar. Então, Diógenes aproximou-se dele e disse: “Eu é que não mais te agradeço pela tua ajuda, pois vejo que não é por discernimento que assim ages, mas por compulsão”.” (Esopo)

O bondoso homem queria ajudar a todos os necessitados, não se importava se os outros o agradeceriam, pois, ele praticava um bem.

Diógenes queria pagar pelo favor, mas, dinheiro algum é capaz de corresponder ao bom e ao bem, valores universais e incompráveis.

O bondoso homem atravessava e ajudava as pessoas por amor, não queria ver as pessoas com o desejo de atravessar e não poder e com medo de fazer a travessia..

Diógenes tinha uma visão materialista, não acreditava em bondade, para ele, tudo tinha um valor material, e assim, aos seus olhos, a bondade do homem se tornou compulsão.

Sua cegueira se tornou ainda maior ao reclamar da bondade do homem e dizer que ele não mais agradeceria pela ajuda recebida, pois, queria que o homem somente fosse seu servo.

Há pessoas que querem dominar e mandar no mundo, seus olhos estão completamente fechados e elas não conseguem compreender a vida e sequer o sentido da vida.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

AS FANTASIAS DO MUNDO MATERIAL



(Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)

Se o coração devassasse os mistérios
e conhecesse a origem da vida,
tal qual é, na realidade,

ele decifraria também,
após a morte,
o enigma dos deuses.

Homem,
das existências no Universo
tu nada sabes,
embora ainda estejas animados
pela força da tua alma.

Que poderás tu saber
amanhã,
quando morreres,
e a tua alma morrer contigo?

Amanhã,
quando acabares,
e tudo acabar,
para sempre,
para sempre? (Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)

O coração que vive de fantasias não desvenda os mistérios e nem conhece a origem da vida, ele vive uma realidade fora da realidade.

O coração que desvenda os mistérios e conhece a origem da vida, vive em busca da realidade, vive no mundo material cheio de fantasias, mas sabe distinguir espírito e matéria, após a morte, ele decifrará o enigma dos deuses.

Decifrar o enigma dos deuses é desvendar os mistérios do mundo espiritual, isso só se consegue após a morte, a saída do mundo material e a vivência no mundo espiritual, descobrindo a verdadeira realidade e a verdade.

O homem que vive iludido pelas fantasias do mundo material, nada sabe sobre as existências do universo, pensa que as fantasias são verdade, mas não passam de ilusões e devaneios materiais que afastam ele da verdade.

Este homem viverá preso ao mundo material, ao ciclo de nascimentos e mortes, ficará sofrendo até que seu espírito evolua e ele passe a viver uma realidade dentro das fantasias do mundo material, não estando iludido e nem vivendo enganado.

Quando a alma deste homem alcançar o mundo espiritual, ele não mais sofrerá, viverá uma vida de serviço, amor e devoção ao Senhor Supremo, assim será a eternidade que durará para sempre.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

A MULHER E A GALINHA

 
Uma viúva tinha uma galinha que botava um ovo por dia. Ela pensou que, se desse à galinha mais cevada, ela botaria dois ovos por dia, e aumentou sua ração. Mas a galinha ficou gorda e já não podia botar nem mesmo aquele único ovo por dia.” (Esopo)

Mesmo com a galinha botando um único ovo por dia, a viúva tinha o suficiente para si, nada estava faltando, mas sua ganancia era maior.

Ao tentar explorar a galinha, ela a encheu de ração com o intuito de obter mais ovos, ao invés disso, ela prejudicou a saúde da galinha ao ponto dela não conseguir sequer por aquele único ovo diariamente.

A ganância não agrega valor ao homem, ao invés disso, ela subtrai e destrói aos poucos o próprio ganancioso.

Enquanto o ganancioso pensa que está saciando sua sede, ela só tende a aumentar cada vez mais, chegando ao ponto dele perder seu controle e deixar que a ilusão domine a sua vida, o afastando cada vez mais da realidade.

sábado, 5 de julho de 2014

A DESCOBERTA DA VIDA NO MUNDO MATERIAL



(Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)


Se me tivessem consultado
sobre minha vinda
até estas paragens,
eu teria dito: – Não!

A própria existência,
se dependesse da minha vontade
tê-la ou não a ter,
eu opinaria
pela negativa.

Lastimei-me!
Quanto me queixei
por haver caído
neste cárcere asfixiante!

Lamentei haver nascido,
crescido
e vivido nele!
Lamentações e mais lamentações!” (Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)

Após a nossa chegada ao mundo espiritual, lá deveremos permanecer, mas, se de algum modo tivermos algum desejo material, iremos nascer novamente no mundo material.

Por isso, quando o homem têm a compreensão, o discernimento e a consciência de mundo material e mundo espiritual, ele quer voltar a sua morada e não mais nascer no mundo material.

Aqui estamos para aprender a servir a Deus, a amá-lo acima de tudo, a vivermos em amor e devoção, com consciência e libertos do apego e dos desejos materiais. Pois, quando estamos apegados ao mundo material, aqui continuamos a existir.

O mundo material é comparado a um cárcere asfixiante, mas o Senhor nos deu o fôlego da vida, a nossa alma está conectada a ele e mesmo diante da asfixia, conseguimos viver com a força vital que ele nos dá.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

OS FILHOS DESUNIDOS DO LAVRADOR


(Esopo)

Os filhos de um lavrador não conseguiam se entender. Apesar de muito tentar com palavras, ele não conseguia persuadi-los a mudarem. Resolveu então chegar a seu propósito por meio de atitudes, e pediu-lhes que trouxessem um feixe de varas. Então deu-lhes as varas reunidas em um feixe e ordenou que as quebrassem. Os filhos redobraram os esforços, mas não conseguiram. Em seguida, tendo desatados os feixes, deu-lhes as varas uma a uma. Como eles as quebrassem facilmente, disse: “Viram meus filhos? Se ficarem unidos, serão invencíveis aos inimigos, mas, se estiverem desunidos serão presa fácil”.” (Esopo)

O sábio lavrador, mostrou a seus filhos o valor e a força da união, demonstrou também a vulnerabilidade e a fragilidade da desunião.

Ensinou uma lição de vida aos filhos com uma simples e eficaz atitude, depois de tantas tentativas com palavras frustradas, o lavrador conseguiu novamente unir os filhos.

O lavrador mostrou que amava seus filhos, queria os proteger dos inimigos e fazer com que eles permanecessem sempre unidos.

domingo, 29 de junho de 2014

O HOMEM DESORIENTADO A PROCURA DE DEUS


 
(Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)


Ó Allah,

incerto, vacilante,

sem rumo,

inteiramente desorientado,

não consigo provar

a realidade do Teu ser.



Profundas meditações,

trabalhosas lucubrações

são simples devaneios,

pesquisas no vácuo

em busca da tua existência,

que não consigo vislumbrar.



Em sã consciência,

não posso compreender

de que modo Tu existes,

embora muita gente

consagre e descreva

os mais fantasiosos predicados

que Te resolveram emprestar.



A conclusão de tudo isso

é que ninguém Te poderá conhecer

com exceção de Ti mesmo.” (Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)

O homem desorientado busca encontrar Allah, reconhece que tem uma vida incerta e vacilante, anda sem rumo e não consegue encontrar Deus, pois, ainda não teve um real contato com ele.

Por mais que ele medite, faça extremos sacrifícios, inúmeras pesquisas e tentativas, sua mente está ligada a matéria, ao que fantasiosamente é provado e exato, por isso ele não consegue vislumbrar Allah. Não houve a transcendência do pensamento, seu olhar é humano, ele não compreende o mundo espiritual e a infinitude de Deus.

Ele reconhece que sua consciência é humana e material, que perante a sociedade ela é sã, embora as pessoas atribuam fenômenos e acontecimentos a pessoa e ao poder divino, ele não consegue compreender de que modo Deus existe, sua compreensão é limitada, sua fé não existe, apenas ele pesquisa os conhecimentos mas não absorve a sabedoria das Sagradas Escrituras.

Apesar de não encontrar Allah, mas de não cessar as buscas desorientadas, o homem conclui que Deus é tão infinito que ninguém é capaz de conhecê-lo totalmente, com exceção dele mesmo.

Ao invés de conhecer a Deus pela fé, o homem desorientado o buscou pela matéria, pela humanidade e exatidão, Deus é o Supremo Creador, tudo vem dele, tudo possui sua energia. Ele existe além da matéria, vive no mundo espiritual e tem contato direto conosco, para isso, é preciso encontrá-lo e viver em conexão com ele.

Se procurarmos o Supremo Creador pelo caminho certo, ele vai nos orientar, vai preencher o vazio que existe em nossa vida, vai nos encher de amor, felicidade e alegria, vai nos dar uma nova vida no mundo material.

sábado, 28 de junho de 2014

O LAVRADOR E A ÁRVORE



Na propriedade de um lavrador, havia uma árvore que não dava frutos, e servia apenas como refúgio de pardais e de cigarras barulhentas. Como ela fosse estéril, o lavrador resolveu cortá-la. Machado em punho, desferiu o primeiro golpe. As cigarras e os pardais puseram-se a suplicar que não abastecesse o seu abrigo, mas que o poupasse, e assim eles poderiam cantar e alegrar o lavrador. Este porém, sem se preocupar com eles, aplicou um segundo golpe. No terceiro golpe, como fizesse um buraco na árvore, encontrou um enxame de abelhas e o mel. Provou dele e gostou. Atirou então o machado fora e passou a honrar a árvore, como se fosse sagrada, e a tomar conta dela.” (Esopo)

A natureza do homem mandava que ele destruísse a árvore e acabasse com o refúgio de pardais e cigarras.

Enquanto alguns apreciam o canto dos pardais e das cigarras, para aquele homem, o canto era motivo de aborrecimento.

A falta de frutos da árvore a deixava sem valor e serventia, por isso, ele quis acabar com a árvore que servia para pardais e cigarras, mas não servia para ele.

Mesmo diante das súplicas dos pardais e das cigarras, o homem não demonstrou piedade e compaixão, continuou com as machadadas e ia por seu refúgio abaixo.

O cantar dos pardais e das cigarras não tinha valor, apenas os frutos deixavam o homem alegre, pois, na sua concepção, o que não rende frutos a ele, não tem valor algum.

Somente após encontrar o enxame de abelhas e o mel, o homem passou a valorizar a árvore, pois, a partir dali, viu que poderia tirar alguma vantagem da árvore com o mel e as abelhas.

O homem não tinha amor e respeito ao meio ambiente, apenas vivia perseguindo obter vantagens materiais.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

TODOS NÓS VIVEMOS SOB O MESMO CÉU



 (Konrad Adenauer)


Todos nós vivemos sob o mesmo céu, mas nem todos vêem o mesmo horizonte.” (Konrad Adenauer)

Embora estejamos nos mais diversos lugares aqui da terra, sempre estaremos vivendo abaixo do mesmo céu.

Isso nos torna iguais e devíamos nos reconhecer como seres iguais, não devendo existir um pensamento preconceituoso de superioridade e inferioridade e nem a falta de respeito com o próximo.

O que nos diferencia uns dos outros é a capacidade de enxergar o horizonte, pois, ele está distante e ao alcance de todos, mas nem todos o percebem ou o alcançam, é necessária uma preparação para chegar até ele, os olhos precisam se abrir.

Todos pretendem chegar ao horizonte, mas eles só chegarão no momento certo, e mesmo antes disto, eles necessitam ver o horizonte e poder conhecer um pouco dele.

terça-feira, 24 de junho de 2014

A GATA E AFRODITE



(Esopo)


Uma gata, que se apaixonara por um belo jovem, suplicou a Afrodite que a transformasse em mulher. A deusa apiedou-se de sua paixão e a transformou em uma bela moça. Assim que o jovem a viu, foi seduzido e a tomou por esposa. Repousavam na câmara nupcial, quando Afrodite, querendo saber se, mudando de corpo, a gata também mudara seus hábitos, soltou um rato no meio do quarto. Esquecida da sua situação, a jovem levantou-se do leito e perseguiu o rato para devorá-lo. A deusa então, indignada, a fez voltar à sua natureza anterior.” (Esopo)

A gata pediu a Afrodite que transformasse apenas sua aparência, mas nada no seu interior foi mudado.

A gata passou a ser uma mulher com os mesmos hábitos de uma gata, por isso, foi testada por Afrodite.

Os homens podem mudar de roupa e de estereótipo, mas naturalmente, seus hábitos permanecem os mesmos.

A natureza enquanto não for mudada, permanece intacta, assim, a mudança de corpo não traz nenhuma alteração ao interior do ser.

Quando o homem evolui, ele abandona seus velhos hábitos, aperfeiçoa sua natureza, passa a ser uma nova pessoa.

domingo, 22 de junho de 2014

MANEJAR O SILÊNCIO É MAIS DIFÍCIL QUE MANEJAR A PALAVRA



(Georges Clemenceau – Georges Benjamim Clemenceau)


Manejar o silêncio é mais difícil que manejar a palavra.” (Georges Clemenceau – Georges Benjamim Clemenceau)

Quando fechamos nossa boca, podemos controlar a emissão de novas palavras.

A boca pode ser controlada, desse modo, impedimos a saída de novas palavras.

O som se propaga, entra e sai pelos ouvidos, por isso, o silêncio não depende apenas de nós mesmos.

Devido a essa propriedade do som, nossos ouvidos são incapazes de manter o pleno silêncio, pois, eles podem ser facilmente vencidos pela potência do som.

Nós manejamos as nossas palavras e tentamos manejar o silêncio no local que estivermos.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

BÓREAS E O SOL




Bóreas e o sol discutiam quanto a seu poder. Decidiram reconhecer como vencedor aquele despojasse um viajante de suas vestes. Começou Bóreas, soprando com força e, vendo que o homem segurasse suas vestes, o vento redobrou sua fúria. Mas o homem, mais incomodado ainda pelo frio, vestiu mais uma roupa, tanto que Bóreas, desanimado, o deixou para o sol. Este, de início brilhou moderadamente. Como o homem tirasse apenas sua segunda veste, o deus resplandeceu com mais ardor, até que, não aguentando mais o calor, o homem tirou toda a roupa e foi tomar banho no rio vizinho.” (Esopo)

Bóreas queria vencer com sua poderosa força, seu poder do vento, mas, a ventania se tornou tão fria, que o homem conseguiu ficar ainda mais protegido e fez Bóreas desistir e deixar que o sol tivesse sua oportunidade.

O sol utilizou-se de outra estratégia, ao invés de um calor intenso, ele começou de forma moderada e já foi suficiente para diminuir a proteção do homem, logo em seguida aumentou seu calor sem precisar de muita força, venceu o homem e o duelo com Bóreas.

Enquanto Bóreas usou sua violenta ventania para vencer o homem até o ponto de se tornar frio e ser vencido pelo homem, ficar frustrado e acabar abandonando a competição, o sol agiu com inteligência e moderação convenceu o homem do calor que estava fazendo e que ele deveria abandonar suas vestes e ir se refrescar no rio.

O sol teve uma brilhante vitória sem fazer o uso da violência, apenas utilizou a persuasão.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

O HOMEM NATURAL



(Bernard W. Snelgrove)


O que é “homem natural”? O homem natural é aquele que não tem entendimento espiritual. O homem natural não tem condição alguma de agradar a Deus e muito menos de fazer algo por si mesmo. O talento natural – e tudo o que o homem é naturalmente – em nada glorifica a Deus, somente glorifica (manifesta) o próprio homem.” (Bernard W. Snelgrove)

O homem natural vive por viver, não descobriu o real sentido da vida e quer sempre desfrutar do mundo cada vez mais.

O homem natural gosta de ser servido, de reinar, de comandar, acha que é capaz de tudo, um todo poderoso.

O homem natural é totalmente dependente dos outros, não consegue viver sozinho, pois, existe um vazio em seu coração.

O homem natural vive de emoções, instintos e impulsos, é apaixonado e ignorante, mas também pode ser bondoso em certos momentos.

O homem natural sempre age com interesses predeterminados, de tudo quer uma contraprestação, não faz nada por bondade, amor e amizade.

O homem natural utiliza seus talentos para se glorificar, mostrar superioridade, ele sempre é melhor que os outros, bem como seus talentos.

O homem natural é preso ao ciclo de nascimentos e mortes, se perdeu, não sabe retornar à sua origem, não sabe quem é, de onde veio e para onde vai, seu futuro é morrer e nascer.

O homem natural vive influenciado pelos modos da natureza, não tem fé, não tem esperança, vive a toa na vida.

O homem natural vive de ilusões e sofrimentos, se acha um rei no mundo, mas, na verdade, não passa de um escravo do mundo.

O homem natural é materialista, vive frustrado e tentando preencher o vazio que há dentro de si mesmo, é espiritualmente morto.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

OS TRÊS BOIS E O LEÃO

 
 
 (Esopo)


Três bois que eram muito ligados dividiam tudo entre si. Um leão, querendo comê-los, não o conseguia por causa de sua união. Lançando mão de palavras enganosas, conseguiu apartá-los uns dos outros. E, ao encontrar cada um deles separadamente, os devorou.” (Esopo)

A união faz a força, é mantida com harmonia, garante segurança e proteção, ao invés de um pensamento, são vários conectados e transmitindo informações entre si.

A palavra enganosa vem como uma terrível lamina extremamente cortante e capaz de separar e desunir, fragilizando a força da união e causando desarmonia entre si.

A amizade é mais forte e mais importante que as palavras dos inimigos, pois, estes se aproveitam de argumentos para lhe separar dos amigos e lhe destruir.

Antes de dar ouvidos aos inimigos, esteja sempre unido aos seus amigos, andando com o inimigo estamos expostos aos perigos, já com os amigos, temos proteção.

sábado, 14 de junho de 2014

A EXATIDÃO E A ARGUMENTAÇÃO



 (Thomas Hobbes)


Jurista. O que leva o senhor a dizer que o estudo do Direito é menos racional que o da matemática?

Filósofo. Não digo isso, pois, todo estudo é racional, ou então de nada vale. O que digo é que os grandes mestres da matemática não erram com tanta frequência quanto os grandes profissionais do Direito.” (Thomas Hobbes)

Diálogo entre o filósofo e o jurista expressa as diferenças entre a exatidão e a argumentação.

Devido a matemática ser uma ciência exata, os grandes matemáticos possuem decisões mais precisas e com grande quantidade de acertos.

Já o estudo do Direito, é formado de lógica e argumentação, não é uma ciência exata, mas um meio para se alcançar a justiça.

O filósofo questiona os erros cometidos pelos grandes profissionais do Direito que tomam suas decisões com base em argumentos. Quando as provas são falhas e os argumentos falsos, surgem os grandes erros.

A filosofia faz uma grande investigação das situações e argumentos, a observação e o olhar do observador são imprescindíveis, as decisões não são precipitadas, as respostas são de acordo com o momento e os argumentos, tudo de forma fundamentada e explicada.

O pensamento do filosofo é sempre racional, quando a razão se afasta do Direito ele se aproxima da injustiça, por isso o filósofo critica o direito ao afirmar que a matemática é mais racional que ele, pois, um estudo sem razão nada vale.

Para que o direito seja justo, ele necessita ser racional, se basear em argumentos verdadeiros e provas legítimas, assim se chega à Justiça.

terça-feira, 10 de junho de 2014

O HOMEM E A RAPOSA



(Esopo)


Com raiva de uma raposa que o prejudicava, certo homem capturou-a e, desejoso de uma grande vingança, atou em sua cauda um trapo embebido em óleo e ateou-lhe fogo. Porém, um deus guiou a raposa aos campos daquele que havia lhe ateado fogo. Era tempo de colheita, e o homem observava tudo, lamentando-se por não ter colhido nada.” (Esopo)

A raiva e a sede de vingança não levam a vitória e a glória, mas sempre há um prejuízo.

As consequências negativas da vingança se voltam contra o vingador e podem ser maiores e piores que a vingança cometida por ele.

Uma atitude vingativa nunca produz o bem e nem reestabelece o estado anterior, é um desejo de ódio que não tem sabor de vitória.

A dor e o lamento de uma atitude irracional é sempre grande, o pensamento racional só vem aflorar após a derrota.

domingo, 8 de junho de 2014

NUESTRA HERENCIA ESPIRITUAL



(Sri Harold Klemp – Harold Klemp)


Nuestra herencia espiritual es mucho más rica de lo que jamás podría producir una sola vida. Essa es la verdadera razón por la que mucha gente entra a esta vida com un regalo o talento especial, sin la aparente necesidad de aprenderlo. Algunos niños incluso reencarnan sabiendo un idioma extranjero que sus hermanos desconocen. Los padres que consideran la reencarnación como una tontería podrían simplemente menospreciar un don así com un displicente, “Bueno, seguro que eso no lo sacó de nosotros”, y dejar ahí el asunto.

No tienen la menor idea de dónde o cómo el niño adquirió una aptitud como essa.” (Sri Harold Klemp – Harold Klemp)

Enquanto estamos retornando para viver servindo a Deus no mundo espiritual, vamos construindo uma herança espiritual.

A cada novo nascimento, vamos manifestando alguns aspectos dessa herança espiritual, dessa forma, nos destacamos entre outros semelhantes.

Dessa forma, as crianças são capazes de surpreender os adultos com perguntas difíceis e às vezes que até deixam os adultos sem resposta.

Do mesmo modo, as crianças também são capazes de responder com pensamentos de um adulto coisas que sequer aprendeu em sua vida atual.

A herança espiritual é muito valiosa, mas nem sempre é compreendida ou conhecida pelos pais que repreendem as crianças ou chegam a pensar que as mesmas estão doentes ou necessitando de algum tratamento.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

O HOMEM QUE PROMETE O IMPOSSÍVEL



(Esopo)


Um homem pobre estava doente. Após ter sido desenganado pelos médicos, fez uma oração aos deuses, prometendo sacrificar uma hecatombe e lhes consagrar ex-votos se se restabelecesse. “E como pretendes pagar tudo isso?” – perguntou sua mulher, que estava por perto dele. E ele disse: “Acreditas mesmo que vou restabelecer-me, para que os deuses reclamem de mim o que lhes é devido?”.” (Esopo)

O homem sem fé brinca com os deuses, lhes faz uma promessa sem a intenção de cumprir.

As falsas promessas em nada engrandecem o homem, sua esperteza apenas reduz seu caráter.

Para eles, o que vier é lucro, pois, não acreditam, mas se conseguirem o que querem, não vai fazer diferença, pois, suas promessas não serão cumpridas.

Existe a falta de respeito com aquele que recebeu a promessa, um riso sádico por estar o enganando, o falso ego de uma vantagem em relação ao outro.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

LA CONSERVACIÓN DE LA MATERIA Y LA ENERGÍA



(Sri Harold Klemp – Harold Klemp)


Esta ley de la naturaleza sostiene que la materia no puede ser creada ni destruida; sólo puede ser transformada de una forma a outra.” (Sri Harold Klemp – Harold Klemp)

Isso é o que encontramos na natureza, transformações feitas por ela e pelos homens.

Esse princípio é inerente ao mundo material, pois, os homens e a natureza possuem esse limitado poder de transformar.

O único capaz de crear e destruir é Deus, ele inicia e põe fim a matéria, é o Supremo Creador e também o aniquilador da matéria.

As novas combinações da matéria mudam sua forma e estrutura, assim, mesmo diante das criações e transformações, a conservação da matéria e da energia permanecem.

terça-feira, 3 de junho de 2014

O ASSASSINO



 (Esopo)


Um assassino estava sendo perseguido pelos parentes de sua vítima. Ao chegar à margem do Nilo, deparou-se com um lobo, e trepou amedrontado em uma árvore da beira do rio e se protegeu. Mas ali percebeu um serpente que se lançava sobre ele, e deixou-se cair no rio. No rio, porém, um crocodilo o devorou.” (Esopo)

O assassino tirou a vida de sua vítima, mas sua ação não ficou esquecida, as consequências negativas não cessaram, ele passou a se tornar uma vítima da morte que o perseguia.

Ele era tão consciente do feito, que quando se viu na chance de ter o mesmo destino de sua vítima, teve medo e começou a fugir de forma covarde para não responder pelos seus atos.

O assassino não encontrou mais sossego e segurança em sua vida, todo lugar e todo instante eram perigosos para ele, se a morte antes era uma vantagem, passou a ser um pesadelo.

sábado, 31 de maio de 2014

LOS SUEÑOS


 
(Sri Harold Klemp – Harold Klemp)


Los sueños tocan todos los niveles de nuestra vida. Nos pueden permitir vislumbrar el futuro o darnos sugerencias para curarnos o brindarnos alguna comprensión respecto a nuestras relaciones. Ante todo, pueden dirigirnos más directamente hacia Dios, y así lo harán.” (Sri Harold Klemp)

Os sonhos nos fazem voltar ao nosso passado, a passearmos pelo presente e até de enxergamos situações futuras.

Eles podem mostrar escolhas a serem feitas, decisões a serem tomadas e sugestões para solucionarmos problemas que necessitam ser resolvidos.

Os sonhos podem nos mostrar formas de melhorar nossas relações com as pessoas, os animais, com o meio ambiente e até no nosso diálogo diretamente com Deus.

Quando o corpo dorme, a alma permanece acordada e consciente, ela nunca dorme, a consciência da alma se expande quando o corpo dorme, nesse momento começamos a sonhar.

Os sonhos ocorrem em um plano diferente de existência, eles são reais e válidos, devido a essa diferença de plano existencial, eles se tornam confusos e por isso, muitas vezes nós não os compreendemos.

Quando colocamos em prática o que aprendemos com nossos sonhos, agimos com um grande nível de consciência e sabedoria, pois, estamos utilizando o conhecimento e a consciência de nossas almas e aplicando nas questões materiais, ou seja, agimos com consciência espiritual.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

A RAPOSA E O BODE




Uma raposa caiu em um poço e não conseguiu sair dali. Um bode, levado pela sede, aproximou-se do mesmo poço e, vendo a raposa, perguntou-lhe se a água estava boa. E ela, fingindo alegria em sua desgraça, teceu longo elogio à água, dizendo que estava excelente e o aconselhou a descer também. Dando ouvidos apenas ao próprio desejo, o bode desceu junto com a raposa e matou a sede, procurou saber com ela como sair. A raposa lhe disse que tinha uma idéia que poderia salvar os dois. “Apóia, pois, teus pés da frente contra a parede e inclina teus chifres. Eu subirei em teu dorso e te guindarei.” O bode se prestou de boa vontade à proposta dela, e a raposa, subindo pelas pernas dele, por seus ombros e seus chifres, atingiu a boca do poço, saltou para fora e se dispôs a ir embora. Como o bode a censurasse por não respeitar o acordo, a raposa voltou-se e disse ao bode: “Meu amigo, se tivesses tantas idéias como fios de barba no queixo, não terias descido sem antes verificar como sair”.” (Esopo)

O bode agiu sem pensar, foi movido pelo desejo e esquece-se de conhecer o local onde estava e como iria sair do poço.

O bode não conhecia a raposa, aceitou seu convite, não sabia que ela tinha um plano de levá-lo ao poço e deixá-lo abandonado.

Muitas pessoas fazem convites e dão conselhos a outros, não por bondade e por ajuda, mas com segundas intenções.

É importante ter cuidado com os convites e conselhos, saber quem é a outra pessoas e prever suas intenções.

Devemos ter o cuidado de saber onde estamos, quais as ações ali praticadas e as consequências de estar naquele lugar.

Não devemos agir por impulso e nem pelos nossos desejos, mas pela razão, pela verdade, com cuidado, prudência e sempre se prevenindo de situações desagradáveis que podem surgir ou ocorrer devido a estarmos no local errado e na hora errada.

Se pensamos antes de agir, estamos conhecendo as situações, podemos ter o domínio de algumas situações, a chance de escolher, a facilidade de sair de situações adversas e até de não cair nelas se tivermos o cuidado de pensar e observar o ambiente onde estamos ou iremos.

terça-feira, 27 de maio de 2014

EL ALMA ES UN SER FELIZ


 
 (Sri Harold Klemp - Harold Klemp)

No es culpable de nada. El alma es la causa de todas Sus circunstancias em la vida. Esto cambia la perspectiva, y em lugar de culpar a otros, vamos a nuestro interior para encontrar las causas de raíz. Com esta fuerza recién descubierta, a menudo es más facil servir a otros y no estar tan preocupados com nuestras propias limitaciones.” (Sri Harold Klemp - Harold Klemp)

Não podemos culpar a nossa alma pelas causas e acontecimentos materiais, pois, ela vem de outra dimensão, ela pertence ao mundo espiritual e está aqui de passagem.

A alma é a nossa principal ligação com o mundo espiritual, pois, ela vem de Deus e quer retornar para viver servindo a ele, isso é o que nós buscamos encontrar.

A alma é pura, portanto, não pode ser culpada, seja a nossa alma ou seja as outras almas, todas são cheias de amor, bondade e força espiritual.

Quando descobrimos a força interior da nossa alma, passamos a viver mais pelo espírito do que pela matéria, nosso contato com Deus aumenta, ampliamos o nosso amor e devoção.

Passamos a ser humildes servos, esquecemos das nossas limitações e vivemos muito mais felizes e alegres, passamos a ter uma vida mais leve e perfumada.

Nos desapegamos da matéria e vamos libertando o nosso espírito, tornando-o cada vez mais forte, a verdade passa a pairar em nossa vida cada vez mais.

sábado, 24 de maio de 2014

A RAPOSA E O DRAGÃO



(Esopo)


Havia uma figueira no caminho; uma raposa, que vira um dragão dormindo à sua sombra, invejou o seu tamanho. Querendo igualar-se a ele, deitou-se ao seu lado e tentou esticar-se até que, exagerando em seu esforço, acabou por romper-se.” (Esopo)

A raposa era menor e mais frágil que o dragão, tamanha era a sua inveja que tentou se igualar ao dragão e acabou por prejudicar-se.

A natureza não erra, tudo existe na medida e na capacidade certa, quando há uma mudança no cenário natural, sempre vêm os prejuízos e consequências decorrentes das ações.

A inveja causa a destruição do invejoso, pois, quando ele pensa que está prejudicando o invejado, ele apenas está perdendo a cada ato de inveja ou maldade praticado.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

A MAGIA E A CIÊNCIA




A magia já foi interpretada por algumas pessoas como origem da ciência, ou um estágio inicial desta. O que faz o mago, assim como o cientista, é tentar descobrir um elo entre causa e efeito. De qualquer maneira, ele é forçado a fazer observações da natureza e a adotar processos empíricos de raciocínio. Sem dúvida, os magos já fizeram numerosas observações detalhadas sobre as relações naturais, e muitas das plantas e ervas usadas pelos curandeiros podem ser utilizadas também pela moderna ciência médica.” (Jostein Gaarder; Victor Hellern; Henry Notaker)

Existe um elo unindo a magia e a ciência, embora os magos e os cientistas não aceitem devido a cada um ter métodos e particularidades diferentes, porém, eles buscam chegar ao mesmo objetivo, ou seja, encontrar o elo entre causa e efeito.

Tanto o mago quanto o cientista são observadores da natureza e das relações entre as pessoas entre si e as pessoas e a natureza, esse é o ponto de partida da observação, aí começam os processos investigativos.

Seja por magia ou seja por ciência, ambos fazem experiências, muitas delas possuem o resultado comum apesar de terem passado por métodos empíricos diferenciados, mas que pretendem descobrir a cura.

Entre discussões, processos, forças, potências, elementos e rituais, os magos e os cientistas vivem a observar e a descobrir na natureza muitas causas e efeitos, esse elo entre a magia e a ciência existe há muito tempo e continuará a existir.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

A RAPOSA COM A BARRIGA INCHADA



(Esopo)


Uma raposa faminta percebeu, dentro do buraco de um carvalho, pães e carnes lá deixados por pastores; entrou lá e comeu tudo. Mas como sua barriga ficasse inchada e a raposa não conseguisse sair do buraco, pôs-se a gemer e a lastimar-se. Ao ouvir seu pranto, outra raposa que passava por ali aproximou-se e perguntou a causa. Quando soube do problema, disse-lhe: “Ora, fica aí dentro pelo tempo necessário, até que voltes a ser como eras quando entraste e, então sairás sem problemas.” (Esopo)

A esperteza da raposa a fez pensar que estaria farta e realizada após comer os pães e carnes, ao invés de uma grande conquista, ela conseguiu ganhar um grande problema ao ficar presa dentro do buraco do carvalho.

Tudo na vida tem seu tempo, não adianta querer e lastimar-se por não conseguir o que ainda está por vir, é necessário saber esperar, ter tranquilidade e paciência até o momento chegar e a realização ocorrer.

O tempo pode resolver as coisas mais difíceis, pois, a dificuldade é imposta por nossa vontade de mandar no tempo e achar que tudo deve ocorrer de acordo com a nossa vontade e os nossos desejos.

Após ficar presa no carvalho, a raposa aprendeu que com calma e paciência, ela voltaria a ser o que ela era antes. Aprendeu também a controlar seu apetite, passa assim, comer e não mais ficar presa nos buracos dos carvalhos.