Follow by Email

sábado, 31 de março de 2012

O HOMEM ABSOLUTO

“Mau será o dia do homem quando ele se tornar absolutamente satisfeito com a vida que está levando.” (Phillips Brooks)

O homem que vive absolutamente da matéria acha que possui as mil maravilhas do mundo.

O homem que busca a eternidade necessita do desapego material a fim de se libertar da matéria e chegar ao Reino de Deus.

O homem que se satisfaz com a matéria está mais preso e escravizado por ela.

O homem que deseja a plenitude do espírito não pode está carregado de matéria e sim de espiritualidade.

sexta-feira, 30 de março de 2012

A MANIFESTAÇÃO DO MUNDO MATERIAL FENOMENAL

“Esta gigantesca manifestação do mundo material fenomenal como um todo é o corpo pessoal da Verdade Absoluta, onde se experimenta o passado, o presente e o futuro universais resultantes do tempo material.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

O mundo material é uma experiência vivida, uma escola, um local de múltiplas relações e criações.

Deus creou o mundo material nele o homem, os animais e a natureza sobrevivem, repleto de creações fenomenais e muito além da inteligência e o conhecimento humano.

O passado é relembrado pelos homens que vivem o presente e pensam no futuro, e assim caminha a humanidade em busca da eternidade.

Aqui existe o tempo material, a linha do tempo, onde se determina e mede, mas na eternidade o tempo não é medido, mas é vivido, em uma existência plena e muito mais fenomenal do que a do mundo material.

Deus de forma plena e fenomenal faz a creação e os homens vivem articulando criações.

quinta-feira, 29 de março de 2012

O HOMEM CONTRADITÓRIO

“A contradição em que vivo tem-me exasperado! E como queres tu que eu não fale quando vejo, aqui, um péssimo cirurgião que poderia ser bom alveitar; ali, um ignorante general que poderia ser excelente enfermeiro; acolá, um periodiqueiro que só serviria para arrieiro, tão desbocado e insolente é, etc., etc. Tudo está fora de seus eixos...” (Luís Carlos Martins Pena)

O homem que vive em dualidade não consegue enxergar o eixo central de sua vida.

Entre altos e baixos ele segue a vida, vai e volta, não sabe para onde vai.

Vive entre paixões e ignorâncias, não sabe ao certo se viver na bondade é bom.

Sempre quer e nunca se satisfaz com o que tem, vive em busca de algo que não sabe o que é.

O homem contraditório diz e se contradiz, afirma e nega, vive em descontrole emocional, vive uma vida louca, não sabe se erra ou acerta, tudo deixa rolar.

quarta-feira, 28 de março de 2012

A MOTIVAÇÃO REDOBRA E DOBRA

“A motivação redobra o interesse e dobra os resultados.” (Walter Grando)

A motivação torna o interesse mais eficaz, faz com que o homem tenha mais esforços para conquistá-los.

Com uma maior força de vontade, maiores são as chegam e as possibilidades de se atingir resultados mais positivos.

O pensamento positivo, a fé e a esperança unidos aos esforços trazem grandes resultados, muitos objetivos são conquistados e desejos realizados após os obstáculos serem vencidos.

terça-feira, 27 de março de 2012

A DISTRIBUIÇÃO

“O vento carrega as nuvens para diferentes partes do globo, e as nuvens distribuem chuvas, para a satisfação das pessoas em geral, assim como os reis e os mercadores ricos distribuem sua riqueza acumulada, inspirados pelos sacerdotes.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

O mundo foi creado, os elementos foram distribuídos, os homens, os animais, as plantas, tudo de maneira bem distribuída, para a existência de climas e vegetações diferentes.

Os sacerdotes inspiravam os reis e sacerdotes a distribuírem riquezas para as pessoas mais necessitadas, para os reis e mercadores nada faltavam, eles podiam sobreviver tranquilamente, a parte que era doada ajudava muitas pessoas.

Dessa maneira, os reis e mercadores apesar de terem riquezas materiais, também cultivavam um lado espiritual, com fraternidade, solidariedade, eles ajudavam o povo, acreditavam em Deus e eram obedientes a ele

A distribuição de riquezas fazia parte das boas obras praticadas por eles. Assim, eles conseguiam se desapegar do material apesar de estarem em contínuo contato com ele.

segunda-feira, 26 de março de 2012

COMO UM PAVÃO EM ÊXTASE

“Quando as nuvens aparecem no céu o pavão começa a dançar em êxtase, assim como uma alma sincera fica submersa em alegria ao aparecer uma pessoa santa em sua casa.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

Quando uma pessoa santa ou alguém de alma sincera nos visita, nós ficamos imensamente alegres.

Podendo até ficarmos em êxtase ao encontrarmos essas pessoas.

Uma felicidade natural, sincera, a chama de nossa alma fica mais acesa, essas pessoas são iluminadas e nos iluminam.

O pavão em êxtase começa a dançar, pula, fica vibrante e em extrema felicidade.

domingo, 25 de março de 2012

AS REFLEXÕES NOTURNAS

“À noite, graças ao luar, podem-se ver as nuvens movendo-se no céu. E a própria Lua também parece estar se movendo, assim como o ser vivo parece movimentar-se devido à falsa identificação com a matéria.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

A noite faz o homem refletir, ver o universo, escutar os sons noturnos.

O céu estrelado, o brilho das estrelas, o encanto lunar.

O homem mergulha em profundas reflexões, muito além dos horizontes.

Livre como um pássaro a voar, ele flutua até às nuvens.

O homem sonha e se identifica com elementos materiais encontrados no mundo e no universo.

O homem se liberta em pensamentos e também pensa de forma espiritual, como se estivesse levitando ele alcança uma paz vinda de Deus.

sábado, 24 de março de 2012

UM ARCO-ÍRIS NO CÉU

“Entre trovões no céu nublado, aparece um arco-íris sem corda. Seu aparecimento é comparado ao aparecimento da Suprema Personalidade de Deus ou de Seus servos em meio à atmosfera material.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

Deus dá cores à vida humana, ele encanta os homens com suas manifestações de belezas e cores, tudo de forma natural e extraordinária.

Deus manifesta seus sinais por fenômenos naturais, por situações na vida, por meio da natureza, o homem passa a enxergar sua atuação, ver que ele o protege, que quer o seu bem.

De maneira fenomenal deus alegra, encanta e preenche os homens.

sexta-feira, 23 de março de 2012

AS FLORES SAZONAIS

“O verde vívido da grama recém-crescida, as flores sazonais, os cogumelos, as borboletas e as outras variedades da estação chuvosa representam perfeitamente uma família próspera absorta na vaidade de suas posses.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

Os homens buscam adquirir posses, acumular bens materiais, exibindo suas riquezas como formas belas, de luxo e deleite.

Os homens imaginam viver num mar de rosas, encantados com suas posses, olhando os horizontes de seu crescimento material.

Os homens esquecem a simplicidade, que podem viver de forma simples e sem se preocuparem com o materialismo.

Quando mudam as estações, a vida dos homens pode mudar, nesse momento eles percebem que aquelas riquezas materiais começam a sumir, eram apenas temporárias como as flores sazonais.

Caem em tristeza e voltam à vida simples de antes, alguns aprendem, outros buscam a ilusão das riquezas materiais mais uma vez, cada vez mais caindo no abismo do desespero.

quinta-feira, 22 de março de 2012

SAIR DA CAVERNA

“Ao ouvir o som das chuvas torrenciais, as rãs saem das cavernas das montanhas e começam a coaxar, assim como os brahmacārīs que cantam os hinos védicos seguindo a ordem do mestre espiritual.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

As rãs saem das cavernas e coaxam ao som das chuvas, se espalham pelos cantos e levam os seus sons.

A Palavra de Deus deve ser pregada por todos e em todos os lugares, todos merecem ouvi-la, o conhecimento divino deve ser propagado.

Com a Palavra de Deus sendo divulgada, as pessoas vão ouvir e crescer na fé, por isso, ela não pode ficar presa nas mãos e nem no intelecto dos homens.

Os homens não podem ficar presos na caverna, eles têm de sair e pregar, transmitindo o conhecimento aos outros.

O cantar dos hinos também propagam a Palavra de Deus e trazem boas vibrações para o mundo.

quarta-feira, 21 de março de 2012

A BELEZA DAS FLORES

“Não devemos procurar ser belos como as flores ou a folhagem que florescem na estação das chuvas, mas murcham no inverno. Ficar animado com as nuvens da ignorância no céu e desfrutar a visão da folhagem temporária não é de forma alguma desejável. Devemos tentar viver no céu claro e ilimitado, inundado com raios de sol e da lua. É isso que realmente desejamos. Uma vida de liberdade em eternidade, em completo conhecimento e numa atmosfera de bem-aventurança é desejo íntimo de toda alma iluminada. Devemo-nos submeter a todo tipo de penitências e austeridades para alcançar essa fonte permanente de felicidade.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

As flores são belas e perfumadas, exuberantes e extraordinárias, mas há algo mais lindo e mais belo do que elas.

A beleza das flores é passageira, é de acordo com as estações, cada tipo de flor se exibe de acordo com o momento, o clima, o solo e a vegetação.

Viver como as flores é viver e morrer, florescer e alvorecer, desabrochar e murchar, é viver de forma passageira e presa entre a vida e a morte na ilusão.

O desejo do homem é a vida eterna e não a vida passageira, às vezes ele a busca pelos caminhos do erro e acaba por regredir, mas também há aqueles que encontram o caminho das luzes e seguem pela bondade, de modo a reduzir os desejos de paixão e ignorância de sua vida.

Na eternidade o homem estará livre dos limites e do tempo, ele estará com o Supremo Creador, estará no reino das maravilhas e servirá com amor e devoção.

terça-feira, 20 de março de 2012

CHUVA DE MISERICÓRDIA

“Atraídas pela eletricidade existente no céu e impelidas por ventos fortes, as nuvens aos poucos cobrem a superfície da Terra para satisfazerem as pessoas que necessitam de suprimento de ágora, a qual é essencial à vida. As nuvens derramam chuvas sobre o homem como a misericórdia do Senhor, que é sempre bondoso com o ser vivo necessitado.” (Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

Mesmo quando o homem busca Deus, mas não completa seu destino, ou fracassa durante sua missão devido às suas imperfeições, ele pode ser agraciado com a misericórdia de Deus.

A misericórdia de Deus vem como uma chuva e banha os homens com a graça, ela surge como esperança para aqueles mais necessitados que viveram uma vida de paixões e ignorâncias.

A chuva de misericórdia do Senhor salva o homem e eleva seu espírito.

A água é símbolo de vida, ela alimenta, sacia, enche, é abundante, limpa, é pura e cristalina, demonstra a nova vida que o homem vai seguir.

segunda-feira, 19 de março de 2012

OS IMPOSTOS

“O Estado impõe a seus cidadãos impostos onerosos sob várias formas – imposto de renda, imposto sobre circulação de mercadorias, imposto territorial, taxa rodoviária, imposto sobre produção, impostos sobre importação e tantos outros impostos. Mas, no momento oportuno, quando os impostos se acumulam em uma grande soma de dinheiro, eles são utilizados para o bem-estar dos cidadãos de diferentes maneiras. Todavia, às vezes acontece de os benefícios dos impostos caírem como chuvas sobre governantes de coração de pedra, os quais são incapazes de utilizar o dinheiro apropriadamente e esbanjam-no para o gozo dos sentidos.”
(Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)

Os governantes sedentos por dinheiro se divertem enquanto cidadãos passam por momentos de caos social.

Homens de coração duro e impiedosos, egoístas e transgressores da lei, apropriam-se do poder público e dos bens, acham que um direito coletivo agora só pertence a eles.

Procuram cobrar mais impostos para receberem mais, ao invés de investir o dinheiro arrecadado para o bem-estar social compram bens e investem em seus interesses pessoais.

E assim a desigualdade social vai aumentando, para se manter no poder eles se utilizam do poder da corrupção, e onde ninguém questiona ou reclama eles se esbanjam  e ampliam sua vergonhosa máfia.

Se a população se apavora, deixa-se oprimir ou dominar por governantes que nada fazem por eles, eles cada vez mais solidificarão esse governo, ficarão mais tempo no poder até que a realidade possua mudar e a cidadania volte a reinar.

domingo, 18 de março de 2012

A CAPACIDADE DE RIR

“O filósofo grego Aristóteles lembrava, já no século IV a.C., que de “todos os seres vivos, somente ao homem é dado rir”. Pois o chamado riso da hiena não passa de um grito parecido com o riso humano, ao qual, por sua vez, o papagaio imita por imitar, sem saber por quê. Na verdade, a capacidade de rir (excluído evidentemente o riso de pura alegria física das crianças) está ligada de perto à capacidade de pensar, privativa do homem, o único animal racional. Mas pensar não deve ser entendido, neste caso, como um processo de análise pormenorizada de dados com vistas a chegar-se a uma conclusão. E sim como uma percepção rápida, quase instantânea, da incoerência de uma situação, incoerência que a torna cômica e por isso mesmo risível.” (José Paulo Paes)

O homem é dotado da capacidade de rir, ele sabe do que está rindo e o que pode o divertir.

Os seres vivos também podem rir, mas esse riso é uma imitação de um som ou um som que se assemelha ao riso, mas não o é.

Um riso pode ser intencional ou uma imitação, pode partir do cômico ou do irônico, como também do sem saber, ou seja, o falso riso.

O riso pode ser coerente ou incoerente, quando lógico ou entendido ou quando não explicado e imotivado.

O riso verdadeiro ou falso, ele é por todos percebido, embora ele possa não ser entendido, e apenas identificado como riso.

O homem dá risadas e os animais produzem sons do riso, e alguns sabem o que é riso ou não, já outros pensam que tudo é alegria, felicidade, riso e diversão.

sábado, 17 de março de 2012

CRIAÇÃO E ANIQUILAÇÃO

“Tudo que é criado é aniquilado numa fase determinada. Tanto o corpo material quanto o mundo material são criados, e por isso estão sujeitos à aniquilação. Entretanto, a partícula antimaterial jamais é criada, e consequentemente jamais é aniquilada.” (Srila Prabhupada – A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada)


O homem em suas inúmeras transformações da matéria cria e aniquila as partículas materiais.

A matéria está sujeita a essas metamorfoses naturais e artificiais, ela foi creada para depois poder ser criada, é iniciada, depois chega ao fim.

É duradoura e finita, sua destruição já é esperada, faz parte da realidade humana e enquanto existirem os homens eles viveram criando e aniquilando as partículas materiais.

Somente o elemento antimaterial é eterno, é ele quem dá origem a matéria, é o creador e também pode aniquilar todo o universo material.

O elemento antimaterial é transformado em matéria na creação, após a aniquilação, toda essa energia retorna para antimatéria.

Deus é o eterno Creador, só ele pode crear e tudo pode aniquilar. Seu poder não pode ser aniquilado pelos homens, mesmo que eles pensem ser deuses.

sexta-feira, 16 de março de 2012

UMA DEFINIÇÃO DO VERDADEIRO

“Ad primum ergo dicendum, quod ista definitivo, verum est id quod est, non perfecte exprimit rationem veritatis, sed quase materialiter tantum, nisi secundum quod li esse significat affirmationem propositionis, ut scilicet dicatur id esse verum quod sic esse dicitur vel intelligitur ut in rebus est; et sic etiam falsum dicatur quod non est, id est quod non est ut dicitur vel intelligitur; et hoc in rebus inveniri potest.

Ad quartum dicendum, quod quamvis quaelibet res habeat aliquam formam, non tamen omnis res habet illam formam cuius indicia exterius ostenduntur per sensibiles qualitates; et secundum haec falsa dicitur, in quantum de se falsam existimationem facere apta nata est.

Esta definição “verdadeiro é o que é” não exprime perfeitamente a noção de verdade, mas como é que só materialmente, apenas enquanto o verbo ser signifique a afirmação da proposição. Com isso afirma-se que o verdadeiro é o que se diz ou entende como é na realidade; assim também o falso: o que não é, ou seja, o falso é aquilo que não é como dito ou entendido. Ora, tal falsidade pode ser encontrada nas coisas.

Embora toda coisa tenha uma certa forma, todavia nem toda coisa tem aquela forma cujos indício sejam manifestados anteriormente por meio de qualidades sensíveis: e segundo isto diz-se falsa enquanto por natureza proporciona um falso.” (São Tomás de Aquino)

Nem sempre “o que é” “é”, “o que é pode não ser”, “o que é pode ser” a depender de quem o aceitar e “não ser” por quem o rejeita.

O verdadeiro para o conhecimento é próximo do senso comum, ou seja, aquilo que é aceito pela maioria das pessoas, mas ele pode ser falso e questionado pelas minorias que creem no argumento contrário.

O falso nem sempre é o errado, pois, ele pode ser algo incompreensível e que não ganhou a credibilidade das pessoas, sendo assim o falso tanto pode ser o que não é certo quanto também pode ser uma verdade não compreendida.

Os argumentos verdadeiros ou falsos podem são relativos e dependem da interpretação e aceitação, integram a realidade do conhecimento humano, vivem em mutação, os que eram absolutos se flexibilizam e os relativos ganham solidez. Tudo isso ocorre com as mudanças de pensamento humano e a quebra de paradigmas.

quinta-feira, 15 de março de 2012

FONTE DE BONDADE E VERDADE

“Praeterea, omnis bonitas creata, est a prima bonitate increata, quae est Deus. Ergo eadem ratione omnes alia veritas est a prima veritate, quae est Deus.

Praeterea, ratio veritatis completur in intellectu. Sed omnis intellectus est a Deo. Ergo omnis veritas est a Deo.

Toda bondade provém da bondade primeira que é Deus; portanto, pelo mesmo motivo, qualquer outra verdade provém da verdade primeira que é Deus.

A noção de verdade realiza-se completamente no intelecto, mas todo intelecto vem de deus; portanto toda verdade é Deus.” (São Tomás de Aquino)

Deus é a fonte de toda verdade e bondade, não existe amor maior que o seu, e não existe bondade maior que a sua e nem verdade maior que ele.

O homem foi creado por Deus para ser sua imagem e semelhança, o homem cria verdades através do seu intelecto, mas nem sempre são verdades.

O que vem de Deus é bom e é verdade, mas o que vem do homem pode não ser bom e nem ser verdade, pois ela é criada a parir de seu ponto de vista, de seus pré-conceitos, não é imparcial.

Quando o homem tenta adequar o humano ao divino ele busca a verdade, mas quando tenta adaptar o divino ao humano ele cria inverdades.

quarta-feira, 14 de março de 2012

UMA VERDADE CERTAMENTE ÚNICA

“Mas infinita e transcendente: todas as verdades dela dependem, mas não são dela dedutíveis a partir de um sistema fechado e finito, de modo que a única atitude do ser finito em relação à verdade, e que o confirma em sua dimensão espiritual, é a de abertura ao todo, abertura à revelação do infinito.” (São Tomás de Aquino)

A energia espiritual é transformada em matéria, o universo é creado.

Deus é a única verdade, ele é a fonte, o início de tudo.

O mundo material depende de Deus, sem ele os homens vivem na ignorância e destroem tudo e todos.

Essa verdade real vem sendo revelada ao longo dos tempos.

Dessa forma, o ser finito vai compreendendo o infinito e o eterno.

terça-feira, 13 de março de 2012

UMA CONCEPÇÃO IDEALISTA DA VERDADE

“Uma verdade transcendente ao sujeito não é verdade ou realidade cognoscível (não há transcendência fora do sujeito).

Nem tampouco é verdade uma “verdade” imanente ao sujeito, mas transcendente ao ato do sujeito cognoscente (não há transcendência no sujeito).

Nem ainda é verdade uma “verdade” imanente ao próprio sujeito cognoscente, mas transcendente à atualidade deste conhecer como em uma concepção naturalística do pensamento (não há transcendência ao próprio ato de conhecer).” (Giovanni Gentile) 

A realidade que é advinda do sujeito é subjetiva, ou seja, criada a partir dos seus valores e conceitos, portanto, não é uma verdade, é uma ilusão relativa, pois ao mesmo tempo em que ele acha que é uma verdade, para outro sujeito ela não será.

Se só existe um único Creador, ele é Supremo, dele vem toda transcendência, essa é a verdade que gera uma realidade.

O sujeito é composto por energia transcendente e energia material, portanto, ele não pode ser absoluto, ele será relativo, pois, ele vai agir de modos diversos nos momentos em que enfrentar realidades comuns e incomuns, causando ações e reações no mundo material.

O sujeito conhece os atos materiais e busca conhecer o transcendente, enquanto matéria ele conhece as ações e reações por meio de experimentos e observações. Mas, o conhecimento transcendente é revelado a ele quando ele vai à busca da verdade real.

segunda-feira, 12 de março de 2012

A VERDADE E A EVIDÊNCIA DA EXISTÊNCIA HUMANA

“A verdade deveria ser o fundamento e aspiração da existência humana. No entanto, quantas contestações, negações, falsificações, sofismas, adulterações, controvérsias, contradições. A postura do homem comum de hoje – que segue de modo mais ou menos consciente um relativismo absoluto – não é de modo algum alheia às grandes elaborações filosóficas.” (São Tomás de Aquino)

O homem vive a criar fantasias e ilusões, mascara a verdade existencial e disso tira proveito para satisfazer seus interesses pessoais.

Os falsos pensamentos começam a se expandir pela sociedade causando imensos desentendimentos, descrenças, opressão e injustiças.

O homem chega a perder a noção do que é verdade e mentira, começa a viver uma dualidade.

A inconsciência passa a substituir sua consciência e ele passa a viver por viver e se esquece de existir, de quem ele é, de onde veio e para onde irá.

domingo, 11 de março de 2012

A HUMANIDADE SEM DEUS E A IGNORÂNCIA

“Remaneret igitur humanum genus, si sola rationis via ad Deum cognoscendum pateret, in maximis ignorantiae tenebris.

A humanidade permaneceria nas máximas trevas da ignorância, se só dispusesse da razão para conhecer Deus.” (Mario Bruno Sproviero)

A ignorância aprisiona o homem.

O homem sem Deus vive nas trevas.

O homem que vive apenas da razão domina o humanismo, mas seu imenso alcance racional esquece-se do conhecimento espiritual.

O homem movido pela ignorância vive a sofrer e faz com que outros sofram.

A ignorância faz com que os homens deixem de buscar a Deus e passem a viver do materialismo.

A ignorância desvirtua o home  da realidade, ele passa a viver de ilusões.

sábado, 10 de março de 2012

O ATO

“O ato é o que mais propriamente é. Ato é o que é real, fático, já realizado (aspecto acentuado pela nossa palavra “atualmente”). É nesse sentido aristotélico de realidade que a língua inglesa diz “actually” para indicar que algo é realmente, de fato.” (São Tomás de Aquino)

Uma energia potencial pode vir a se tornar um ato quando posta em prática, enquanto estiver no pensamento não se concretiza em ato.

Enquanto se encontrar de forma abstrata, a potência é capaz de vir a ser ato, mas quando não mais for útil e perder sua energia vital ela morre nos pensamentos ou teorias e são fatos passados que não se tornaram atos.

O ato é real e fático, mas o fato é ideal e virtual, os atos são ideias que saem do pensamento e atingem a realidade, já os pensamentos muitas vezes ficam no interior.

sexta-feira, 9 de março de 2012

A AVE NOTURNA E A ÁGUIA

“Solem etsi non videat oculus nycticoracis, videt tamen eum oculus aquilae, “ainda que o olho da ave noturna não veja o sol, o olho da águia, sim, o vê”.” (São Tomás de Aquino)

A ave noturna vê os brilhos da noite, mas não é perfeita a sua visão, podendo deixar de perceber brilhos e luzes, mas a águia com sua visão de longo alcance, mesmo não sendo uma ave noturna, pode ver muito mais além.

Um homem pode planejar seus objetivos, como forma de tentativa, dentro das suposições e metas a serem atingidas, se algo falhar ele deixa de lado sua vontade de conquista, como a ave noturna que deixa de ver luzes vitais.

Um homem esperançoso vê além dos horizontes, supera obstáculos que pareciam invencíveis, age com fé e prudência, seu alcance é como os olhos da águia, sempre em busca de seus alvos e sem desistir.

quinta-feira, 8 de março de 2012

AS COISAS INTELIGÍVEIS

“A partir desta “determinação espacial” da realidade (situada entre a intelecção absolutamente criadora do conhecimento de Deus, que pensa-o-ser, e a intelecção imitativa do homem, que se dirige, se orienta para o ser), estabelece-se a estrutura da realidade total: como estrutura articulada entre “Projetador” e “realização do projeto”.” (São Tomás de Aquino)

A realidade conhecida encontra-se entre o saber humano e o saber divino, o homem mede as coisas a partir do concreto e do abstrato, fazendo projeções futuras em alguns momentos de tentativa de prova do grande alcance do saber humano.

O conhecimento divino é a medida basilar, ele determina a verdadeira realidade, a partir dele o homem projeta as realidades sociais, que deveriam proporcionar um equilíbrio entre o físico e o metafísico, a realidade e a ilusão, a verdade e as suposições.

O conhecimento natural vem de Deus e o artificial vem do homem, Deus é o Supremo Creador e o homem um grande criador. Deus tem um projeto que é realizado a partir do mundo material onde os homens habitam.

O espírito se torna matéria, o projeto se concretiza, as leis são estabelecidas, mas nem sempre são cumpridas, causando um grande desequilíbrio na realidade vivida pelos homens.

quarta-feira, 7 de março de 2012

A ESSÊNCIA DAS COISAS

“As coisas têm a sua essência por “serem pensadas”: isto deve ser entendido de modo extremamente literal, e não em algum sentido meramente “figurado”. E, assim, porque as próprias coisas são “pensamentos” e possuem, portanto, um “caráter verbal” (como diz Guardini), por esta mesma razão é que elas podem, no mais preciso sentido do uso corrente, ser chamadas “verdadeiras” – do mesmo modo que o pensamento e o pensado.” (São Tomás de Aquino)

A essência das coisas pode ser verdadeira ou não.

Existem as verdades decorrentes da lógica, da mais simples a mais complexa interpretação e verdades decorrentes de uma experiência ou pesquisa científica.

As coisas pensadas fazem parte de uma realidade, ou seja, ideologia humana transformada em uma verdade aceita pela sociedade, mas questionada por outros.

A realidade nem sempre é verdadeira, pode ser pura ilusão de seu criador, mas que é aceita como verdade após um grande número de pessoas concordar com ela, ou seja, coisas pensadas, criadas e transformadas em verdade.

Coisas metafísicas não deixam de ser verdadeiras, podem não possuir uma explicação humana e nem científica mesmo que exista a mais alta tecnologia. São coisas divinas e estão muito além do conhecimento humano.

A essência das coisas materiais é uma ideologia do pensamento humano, que vai classificando e denominando. Embora a creação seja de essência divina, o homem cria a partir dela, vai moldando a matéria, ilusões viram verdades e às vezes as pessoas acreditam que a essência é puramente material e esquecem-se da energia divina.

terça-feira, 6 de março de 2012

O HOMEM É UM SER QUE ESQUECE


“O homem, diziam os antigos é fundamentalmente um ser que esquece.” (São Tomás de Aquino)

O homem vive o presente, lembra-se de alguns momentos do passado e cria expectativas para o futuro. Não se lembra de tudo, às vezes é lembrado de algo.

O homem começou a fazer anotações a fim de se lembrar, dividir seus conhecimentos com outros para preservá-los.

Assim foi nascendo a história escrita, a cultura foi se expressando em letras e expressões artísticas, desse modo, os homens do presente relembram o passado e os homens do futuro conhecem o passado e presente que existiram antes do seu nascimento.

As verdades viram mitos e fantasias, o mistério é desvendado, o impossível torna-se possível, o homem passa a conhecer sua história com mais detalhes, o legado vai passando de geração em geração até chegar ao ponto de ser conhecido por todos.

segunda-feira, 5 de março de 2012

A ALMA EXPRESSA EM PALAVRAS


“Nos non possumus omnia quae sunt in anima mostra uno verbo exprimere, et ideo oportet quod sint plura verba imperfecta, per quae divisim exprimamos omnia quae sint in scientia nostra sunt.

Nós não podemos expressar em uma única palavra tudo o que há em nossa alma e devemos valer-nos de muitas palavras imperfeitas e, por isso, exprimimos fragmentária e setorialmente tudo o que conhecemos.” (São Tomás de Aquino)

As palavras não são suficientes para expressar o interior de nossa alma.

É necessário tempo e espaço para ir exprimindo o conteúdo do ser.

O ser é uma creação divina, as palavras são criações humanas.

A alma do ser é tão imensa ao ponto de não ser medida pelos homens enquanto as palavras por mais extensas e quantitativas que sejam são finitas.

As palavras podem expressar os sentimentos e atitudes humanas e não o pleno conteúdo de sua alma.

domingo, 4 de março de 2012

O HOMEM SE ADAPTA

"A tudo se habitua o homem, a todo o estado se afaz; e não há dúvida por mais estranha que o tempo e a repetição dos actos lhe não faça natural." (João Baptista da Silva Leitão Almeida Garrett)

A depender da necessidade o homem é capaz de se adaptar, em momentos ele é um ser mutante.

Adapta-se a situações em que vive e também ao meio ambiente, quando muitos fatores o influenciam, ele passa a reagir para poder conviver com eles.

Mesmo diante desses atos e fatos o homem não deixa de ser um ser natural, pois ele vive em diversos meios sociais, sofre influencias da natureza e dos animais, essa adaptação não o torna artificial, ela é necessária à sua sobrevivência.

sábado, 3 de março de 2012

A VERDADE DA COISA

“Veritas uniuscuiusque rei est propietas sui essse quod sabilitum est ei.

A verdade de uma coisa é a característica própria de seu ser, que lhe foi dada como propriedade constante.” (Avicena)

A verdade da coisa está em seu interior, em sua essência, e não em suas denominações observacionais.

As aparências nem sempre são a verdade, o exterior nem sempre relata o interior, portanto, algumas características das coisas só são descobertas quando se conhece seu interior.

As propriedades constantes advêm da essência criacional, não são adquiridas, pois, são inerentes ao ser.

O que é inconstante pode ser modificado, pode ser transformado, mas as propriedades naturais sempre vão existir independentes das metamorfoses sofridas.

O que é constante é verdade, o que é inconstante é aparência ou é uma verdade moldável que pode ser transformada, mas mantendo as propriedades primitivas.

sexta-feira, 2 de março de 2012

O CAMINHO E A FELICIDADE


“Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho.” (Mahatma Gandhi)

O homem feliz encontra a felicidade.

A felicidade comprada e passageira não é felicidade, é diversão.

O homem que tem Deus no coração é feliz, ele é o caminho da felicidade.

O homem que busca a felicidade e contra Deus se torna feliz.

O homem que tem fé é feliz e segue o caminho da felicidade.

quinta-feira, 1 de março de 2012

O HOMEM É UM SER SIMBÓLICO






                                                  Dom Carmo João Rhoden


“O homem é, de fato, um ser simbólico. Portanto, precisa de símbolos, de sinais naturais e convencionais. Estes falam do passado, marcam o presente e sinalizam para o futuro. Por isso, é preciso conhecê-los e estudá-los, pois comunicam melhor que a própria língua falada.” (Dom Carmo João Rhoden)

O homem utiliza vários símbolos para se comunicar, sejam palavras, imagens, atitudes, expressões artísticas ou simplesmente faciais.

Os fenômenos naturais e sociais também são sinais da comunicação do homem com o homem, da natureza com o homem e de Deus com o homem.

Muitos sinais passados justificam o presente e sinais de hoje justificarão o futuro, as causas e consequências continuam a existir, os efeitos podem ser curtos ou longos.

Os símbolos estão sempre expressando a comunicação humana, é um elemento indispensável para ele, todos os homens necessitam de se comunicarem, se estão na sociedade é indispensável e até mesmo no meio natural para se comunicar com os animais.

As expressões artísticas e culturais são marcantes e atingem uma infinidade de receptores, que podem compreendê-las de diversas formas. Uma obra de arte pode ter várias interpretações a depender do olhar do observador.