Follow by Email

domingo, 29 de junho de 2014

O HOMEM DESORIENTADO A PROCURA DE DEUS


 
(Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)


Ó Allah,

incerto, vacilante,

sem rumo,

inteiramente desorientado,

não consigo provar

a realidade do Teu ser.



Profundas meditações,

trabalhosas lucubrações

são simples devaneios,

pesquisas no vácuo

em busca da tua existência,

que não consigo vislumbrar.



Em sã consciência,

não posso compreender

de que modo Tu existes,

embora muita gente

consagre e descreva

os mais fantasiosos predicados

que Te resolveram emprestar.



A conclusão de tudo isso

é que ninguém Te poderá conhecer

com exceção de Ti mesmo.” (Omar Khayyám – Omar Iben Ibrahim El-Khaiami)

O homem desorientado busca encontrar Allah, reconhece que tem uma vida incerta e vacilante, anda sem rumo e não consegue encontrar Deus, pois, ainda não teve um real contato com ele.

Por mais que ele medite, faça extremos sacrifícios, inúmeras pesquisas e tentativas, sua mente está ligada a matéria, ao que fantasiosamente é provado e exato, por isso ele não consegue vislumbrar Allah. Não houve a transcendência do pensamento, seu olhar é humano, ele não compreende o mundo espiritual e a infinitude de Deus.

Ele reconhece que sua consciência é humana e material, que perante a sociedade ela é sã, embora as pessoas atribuam fenômenos e acontecimentos a pessoa e ao poder divino, ele não consegue compreender de que modo Deus existe, sua compreensão é limitada, sua fé não existe, apenas ele pesquisa os conhecimentos mas não absorve a sabedoria das Sagradas Escrituras.

Apesar de não encontrar Allah, mas de não cessar as buscas desorientadas, o homem conclui que Deus é tão infinito que ninguém é capaz de conhecê-lo totalmente, com exceção dele mesmo.

Ao invés de conhecer a Deus pela fé, o homem desorientado o buscou pela matéria, pela humanidade e exatidão, Deus é o Supremo Creador, tudo vem dele, tudo possui sua energia. Ele existe além da matéria, vive no mundo espiritual e tem contato direto conosco, para isso, é preciso encontrá-lo e viver em conexão com ele.

Se procurarmos o Supremo Creador pelo caminho certo, ele vai nos orientar, vai preencher o vazio que existe em nossa vida, vai nos encher de amor, felicidade e alegria, vai nos dar uma nova vida no mundo material.

sábado, 28 de junho de 2014

O LAVRADOR E A ÁRVORE



Na propriedade de um lavrador, havia uma árvore que não dava frutos, e servia apenas como refúgio de pardais e de cigarras barulhentas. Como ela fosse estéril, o lavrador resolveu cortá-la. Machado em punho, desferiu o primeiro golpe. As cigarras e os pardais puseram-se a suplicar que não abastecesse o seu abrigo, mas que o poupasse, e assim eles poderiam cantar e alegrar o lavrador. Este porém, sem se preocupar com eles, aplicou um segundo golpe. No terceiro golpe, como fizesse um buraco na árvore, encontrou um enxame de abelhas e o mel. Provou dele e gostou. Atirou então o machado fora e passou a honrar a árvore, como se fosse sagrada, e a tomar conta dela.” (Esopo)

A natureza do homem mandava que ele destruísse a árvore e acabasse com o refúgio de pardais e cigarras.

Enquanto alguns apreciam o canto dos pardais e das cigarras, para aquele homem, o canto era motivo de aborrecimento.

A falta de frutos da árvore a deixava sem valor e serventia, por isso, ele quis acabar com a árvore que servia para pardais e cigarras, mas não servia para ele.

Mesmo diante das súplicas dos pardais e das cigarras, o homem não demonstrou piedade e compaixão, continuou com as machadadas e ia por seu refúgio abaixo.

O cantar dos pardais e das cigarras não tinha valor, apenas os frutos deixavam o homem alegre, pois, na sua concepção, o que não rende frutos a ele, não tem valor algum.

Somente após encontrar o enxame de abelhas e o mel, o homem passou a valorizar a árvore, pois, a partir dali, viu que poderia tirar alguma vantagem da árvore com o mel e as abelhas.

O homem não tinha amor e respeito ao meio ambiente, apenas vivia perseguindo obter vantagens materiais.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

TODOS NÓS VIVEMOS SOB O MESMO CÉU



 (Konrad Adenauer)


Todos nós vivemos sob o mesmo céu, mas nem todos vêem o mesmo horizonte.” (Konrad Adenauer)

Embora estejamos nos mais diversos lugares aqui da terra, sempre estaremos vivendo abaixo do mesmo céu.

Isso nos torna iguais e devíamos nos reconhecer como seres iguais, não devendo existir um pensamento preconceituoso de superioridade e inferioridade e nem a falta de respeito com o próximo.

O que nos diferencia uns dos outros é a capacidade de enxergar o horizonte, pois, ele está distante e ao alcance de todos, mas nem todos o percebem ou o alcançam, é necessária uma preparação para chegar até ele, os olhos precisam se abrir.

Todos pretendem chegar ao horizonte, mas eles só chegarão no momento certo, e mesmo antes disto, eles necessitam ver o horizonte e poder conhecer um pouco dele.

terça-feira, 24 de junho de 2014

A GATA E AFRODITE



(Esopo)


Uma gata, que se apaixonara por um belo jovem, suplicou a Afrodite que a transformasse em mulher. A deusa apiedou-se de sua paixão e a transformou em uma bela moça. Assim que o jovem a viu, foi seduzido e a tomou por esposa. Repousavam na câmara nupcial, quando Afrodite, querendo saber se, mudando de corpo, a gata também mudara seus hábitos, soltou um rato no meio do quarto. Esquecida da sua situação, a jovem levantou-se do leito e perseguiu o rato para devorá-lo. A deusa então, indignada, a fez voltar à sua natureza anterior.” (Esopo)

A gata pediu a Afrodite que transformasse apenas sua aparência, mas nada no seu interior foi mudado.

A gata passou a ser uma mulher com os mesmos hábitos de uma gata, por isso, foi testada por Afrodite.

Os homens podem mudar de roupa e de estereótipo, mas naturalmente, seus hábitos permanecem os mesmos.

A natureza enquanto não for mudada, permanece intacta, assim, a mudança de corpo não traz nenhuma alteração ao interior do ser.

Quando o homem evolui, ele abandona seus velhos hábitos, aperfeiçoa sua natureza, passa a ser uma nova pessoa.

domingo, 22 de junho de 2014

MANEJAR O SILÊNCIO É MAIS DIFÍCIL QUE MANEJAR A PALAVRA



(Georges Clemenceau – Georges Benjamim Clemenceau)


Manejar o silêncio é mais difícil que manejar a palavra.” (Georges Clemenceau – Georges Benjamim Clemenceau)

Quando fechamos nossa boca, podemos controlar a emissão de novas palavras.

A boca pode ser controlada, desse modo, impedimos a saída de novas palavras.

O som se propaga, entra e sai pelos ouvidos, por isso, o silêncio não depende apenas de nós mesmos.

Devido a essa propriedade do som, nossos ouvidos são incapazes de manter o pleno silêncio, pois, eles podem ser facilmente vencidos pela potência do som.

Nós manejamos as nossas palavras e tentamos manejar o silêncio no local que estivermos.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

BÓREAS E O SOL




Bóreas e o sol discutiam quanto a seu poder. Decidiram reconhecer como vencedor aquele despojasse um viajante de suas vestes. Começou Bóreas, soprando com força e, vendo que o homem segurasse suas vestes, o vento redobrou sua fúria. Mas o homem, mais incomodado ainda pelo frio, vestiu mais uma roupa, tanto que Bóreas, desanimado, o deixou para o sol. Este, de início brilhou moderadamente. Como o homem tirasse apenas sua segunda veste, o deus resplandeceu com mais ardor, até que, não aguentando mais o calor, o homem tirou toda a roupa e foi tomar banho no rio vizinho.” (Esopo)

Bóreas queria vencer com sua poderosa força, seu poder do vento, mas, a ventania se tornou tão fria, que o homem conseguiu ficar ainda mais protegido e fez Bóreas desistir e deixar que o sol tivesse sua oportunidade.

O sol utilizou-se de outra estratégia, ao invés de um calor intenso, ele começou de forma moderada e já foi suficiente para diminuir a proteção do homem, logo em seguida aumentou seu calor sem precisar de muita força, venceu o homem e o duelo com Bóreas.

Enquanto Bóreas usou sua violenta ventania para vencer o homem até o ponto de se tornar frio e ser vencido pelo homem, ficar frustrado e acabar abandonando a competição, o sol agiu com inteligência e moderação convenceu o homem do calor que estava fazendo e que ele deveria abandonar suas vestes e ir se refrescar no rio.

O sol teve uma brilhante vitória sem fazer o uso da violência, apenas utilizou a persuasão.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

O HOMEM NATURAL



(Bernard W. Snelgrove)


O que é “homem natural”? O homem natural é aquele que não tem entendimento espiritual. O homem natural não tem condição alguma de agradar a Deus e muito menos de fazer algo por si mesmo. O talento natural – e tudo o que o homem é naturalmente – em nada glorifica a Deus, somente glorifica (manifesta) o próprio homem.” (Bernard W. Snelgrove)

O homem natural vive por viver, não descobriu o real sentido da vida e quer sempre desfrutar do mundo cada vez mais.

O homem natural gosta de ser servido, de reinar, de comandar, acha que é capaz de tudo, um todo poderoso.

O homem natural é totalmente dependente dos outros, não consegue viver sozinho, pois, existe um vazio em seu coração.

O homem natural vive de emoções, instintos e impulsos, é apaixonado e ignorante, mas também pode ser bondoso em certos momentos.

O homem natural sempre age com interesses predeterminados, de tudo quer uma contraprestação, não faz nada por bondade, amor e amizade.

O homem natural utiliza seus talentos para se glorificar, mostrar superioridade, ele sempre é melhor que os outros, bem como seus talentos.

O homem natural é preso ao ciclo de nascimentos e mortes, se perdeu, não sabe retornar à sua origem, não sabe quem é, de onde veio e para onde vai, seu futuro é morrer e nascer.

O homem natural vive influenciado pelos modos da natureza, não tem fé, não tem esperança, vive a toa na vida.

O homem natural vive de ilusões e sofrimentos, se acha um rei no mundo, mas, na verdade, não passa de um escravo do mundo.

O homem natural é materialista, vive frustrado e tentando preencher o vazio que há dentro de si mesmo, é espiritualmente morto.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

OS TRÊS BOIS E O LEÃO

 
 
 (Esopo)


Três bois que eram muito ligados dividiam tudo entre si. Um leão, querendo comê-los, não o conseguia por causa de sua união. Lançando mão de palavras enganosas, conseguiu apartá-los uns dos outros. E, ao encontrar cada um deles separadamente, os devorou.” (Esopo)

A união faz a força, é mantida com harmonia, garante segurança e proteção, ao invés de um pensamento, são vários conectados e transmitindo informações entre si.

A palavra enganosa vem como uma terrível lamina extremamente cortante e capaz de separar e desunir, fragilizando a força da união e causando desarmonia entre si.

A amizade é mais forte e mais importante que as palavras dos inimigos, pois, estes se aproveitam de argumentos para lhe separar dos amigos e lhe destruir.

Antes de dar ouvidos aos inimigos, esteja sempre unido aos seus amigos, andando com o inimigo estamos expostos aos perigos, já com os amigos, temos proteção.

sábado, 14 de junho de 2014

A EXATIDÃO E A ARGUMENTAÇÃO



 (Thomas Hobbes)


Jurista. O que leva o senhor a dizer que o estudo do Direito é menos racional que o da matemática?

Filósofo. Não digo isso, pois, todo estudo é racional, ou então de nada vale. O que digo é que os grandes mestres da matemática não erram com tanta frequência quanto os grandes profissionais do Direito.” (Thomas Hobbes)

Diálogo entre o filósofo e o jurista expressa as diferenças entre a exatidão e a argumentação.

Devido a matemática ser uma ciência exata, os grandes matemáticos possuem decisões mais precisas e com grande quantidade de acertos.

Já o estudo do Direito, é formado de lógica e argumentação, não é uma ciência exata, mas um meio para se alcançar a justiça.

O filósofo questiona os erros cometidos pelos grandes profissionais do Direito que tomam suas decisões com base em argumentos. Quando as provas são falhas e os argumentos falsos, surgem os grandes erros.

A filosofia faz uma grande investigação das situações e argumentos, a observação e o olhar do observador são imprescindíveis, as decisões não são precipitadas, as respostas são de acordo com o momento e os argumentos, tudo de forma fundamentada e explicada.

O pensamento do filosofo é sempre racional, quando a razão se afasta do Direito ele se aproxima da injustiça, por isso o filósofo critica o direito ao afirmar que a matemática é mais racional que ele, pois, um estudo sem razão nada vale.

Para que o direito seja justo, ele necessita ser racional, se basear em argumentos verdadeiros e provas legítimas, assim se chega à Justiça.

terça-feira, 10 de junho de 2014

O HOMEM E A RAPOSA



(Esopo)


Com raiva de uma raposa que o prejudicava, certo homem capturou-a e, desejoso de uma grande vingança, atou em sua cauda um trapo embebido em óleo e ateou-lhe fogo. Porém, um deus guiou a raposa aos campos daquele que havia lhe ateado fogo. Era tempo de colheita, e o homem observava tudo, lamentando-se por não ter colhido nada.” (Esopo)

A raiva e a sede de vingança não levam a vitória e a glória, mas sempre há um prejuízo.

As consequências negativas da vingança se voltam contra o vingador e podem ser maiores e piores que a vingança cometida por ele.

Uma atitude vingativa nunca produz o bem e nem reestabelece o estado anterior, é um desejo de ódio que não tem sabor de vitória.

A dor e o lamento de uma atitude irracional é sempre grande, o pensamento racional só vem aflorar após a derrota.

domingo, 8 de junho de 2014

NUESTRA HERENCIA ESPIRITUAL



(Sri Harold Klemp – Harold Klemp)


Nuestra herencia espiritual es mucho más rica de lo que jamás podría producir una sola vida. Essa es la verdadera razón por la que mucha gente entra a esta vida com un regalo o talento especial, sin la aparente necesidad de aprenderlo. Algunos niños incluso reencarnan sabiendo un idioma extranjero que sus hermanos desconocen. Los padres que consideran la reencarnación como una tontería podrían simplemente menospreciar un don así com un displicente, “Bueno, seguro que eso no lo sacó de nosotros”, y dejar ahí el asunto.

No tienen la menor idea de dónde o cómo el niño adquirió una aptitud como essa.” (Sri Harold Klemp – Harold Klemp)

Enquanto estamos retornando para viver servindo a Deus no mundo espiritual, vamos construindo uma herança espiritual.

A cada novo nascimento, vamos manifestando alguns aspectos dessa herança espiritual, dessa forma, nos destacamos entre outros semelhantes.

Dessa forma, as crianças são capazes de surpreender os adultos com perguntas difíceis e às vezes que até deixam os adultos sem resposta.

Do mesmo modo, as crianças também são capazes de responder com pensamentos de um adulto coisas que sequer aprendeu em sua vida atual.

A herança espiritual é muito valiosa, mas nem sempre é compreendida ou conhecida pelos pais que repreendem as crianças ou chegam a pensar que as mesmas estão doentes ou necessitando de algum tratamento.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

O HOMEM QUE PROMETE O IMPOSSÍVEL



(Esopo)


Um homem pobre estava doente. Após ter sido desenganado pelos médicos, fez uma oração aos deuses, prometendo sacrificar uma hecatombe e lhes consagrar ex-votos se se restabelecesse. “E como pretendes pagar tudo isso?” – perguntou sua mulher, que estava por perto dele. E ele disse: “Acreditas mesmo que vou restabelecer-me, para que os deuses reclamem de mim o que lhes é devido?”.” (Esopo)

O homem sem fé brinca com os deuses, lhes faz uma promessa sem a intenção de cumprir.

As falsas promessas em nada engrandecem o homem, sua esperteza apenas reduz seu caráter.

Para eles, o que vier é lucro, pois, não acreditam, mas se conseguirem o que querem, não vai fazer diferença, pois, suas promessas não serão cumpridas.

Existe a falta de respeito com aquele que recebeu a promessa, um riso sádico por estar o enganando, o falso ego de uma vantagem em relação ao outro.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

LA CONSERVACIÓN DE LA MATERIA Y LA ENERGÍA



(Sri Harold Klemp – Harold Klemp)


Esta ley de la naturaleza sostiene que la materia no puede ser creada ni destruida; sólo puede ser transformada de una forma a outra.” (Sri Harold Klemp – Harold Klemp)

Isso é o que encontramos na natureza, transformações feitas por ela e pelos homens.

Esse princípio é inerente ao mundo material, pois, os homens e a natureza possuem esse limitado poder de transformar.

O único capaz de crear e destruir é Deus, ele inicia e põe fim a matéria, é o Supremo Creador e também o aniquilador da matéria.

As novas combinações da matéria mudam sua forma e estrutura, assim, mesmo diante das criações e transformações, a conservação da matéria e da energia permanecem.

terça-feira, 3 de junho de 2014

O ASSASSINO



 (Esopo)


Um assassino estava sendo perseguido pelos parentes de sua vítima. Ao chegar à margem do Nilo, deparou-se com um lobo, e trepou amedrontado em uma árvore da beira do rio e se protegeu. Mas ali percebeu um serpente que se lançava sobre ele, e deixou-se cair no rio. No rio, porém, um crocodilo o devorou.” (Esopo)

O assassino tirou a vida de sua vítima, mas sua ação não ficou esquecida, as consequências negativas não cessaram, ele passou a se tornar uma vítima da morte que o perseguia.

Ele era tão consciente do feito, que quando se viu na chance de ter o mesmo destino de sua vítima, teve medo e começou a fugir de forma covarde para não responder pelos seus atos.

O assassino não encontrou mais sossego e segurança em sua vida, todo lugar e todo instante eram perigosos para ele, se a morte antes era uma vantagem, passou a ser um pesadelo.