Follow by Email

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

O HOMEM NA SOCIEDADE

"A vinda do ente repousa no destino do Ser. Mas, para o homem permanece a questão de saber se ele encontra a conformidade própria de sua essência que corresponde a este destino." (Martin Heidegger)

O homem centrado chega ao seu destino, se ele conhece sua essência e vive a sua vida estará cumprindo sua função existencial. Vivendo um meio termo, ele conhecerá o mundo e estará sendo guiado pela ética e pela moral. Na sociedade planejará seus objetivos e realizará seus sonhos de acordo com o passar do tempo. Dessa maneira seu ser viverá no repouso da tranquilidade, mesmo diante de uma vida cheia de descaminhos, ele saberá por onde seguir e alcançará a vitória.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

A LEITURA

"Não foram nunca lidas pela humanidade as obras dos grandes poetas, pois apenas outros granas poetas as podem ler. têm sido lidas tais obras da mesma forma que as multidões lêem as estrelas, de um modo astrológico e não astronômico. Em sua maioria, os homens aprendem a ler para satisfazer a uma mesquinha conveniência, assim como aprenderam a calcular apenas para organizar sua contabilidade e não serem enganados no comércio, mas sabem pouco ou nada a respeito da leitura como um nobre exercício intelectual. Num sentido mais elevado, no entanto, a leitura é exatamente isso, não o que nos acalenta como um luxo e faz adormecer nossos mais nobres sentidos, mas o que nos amplia a então, desde que dediquemos nossas horas mais preciosas atentamente a esse aprendizado." (Henry David Thoreau)

É necessário ter conhecimento para se extrair o diamante escondido na pedra, para que este saia perfeito e sem escoriações, não adianta tirá-lo de forma retalhada desfigurando toda a sua beleza interior com a qual foi formado. Ler um texto por ler não significa entender a essência sentimental de seu criador. Um poeta não escreve somente palavras, mas expressa os seus sentimentos por meio delas e intelectualmente vai formulando suas idéias de forma contextualizada, uma mistura de palavras, sentimentos e observações da natureza e do espaço, além dos horizontes imaginários do seu pensamento e do seu amor a obra que está sendo criada.

Tudo feito com amor e carinho, burilando a pedra bruta a fim de se chegar ao diamante, não apenas escrevendo com suas mãos e utilizando as letras. Mas, transmitindo sensitivamente o abstrato do seu intelecto ao concreto produzido por suas mãos, de forma suave, com traços leves vai surgindo cada parágrafo e ao final temos toda uma bela criação. Que será decifrada de forma enigmática pelos leitores que alcançarem os auspícios do grande poeta, cada um com seu modo de observar, seja elogiando, ou seja, criticando, ou acrescendo mais informações, mas para que tudo isso seja feito será necessário entender o sentido da expressão que está contextualizada.

E ao final, o poeta estará feliz, pois outro grande poeta o descobriu, entendeu seus sentimentos e compartilhou com ele desses emocionantes momentos presentes em sua obra. Quando lemos estamos viajando em pensamentos, imaginando uma realidade e sentindo sensações, em um clima poético e natural, misturando nossos pensamentos e vamos refletindo. Ao final temos uma grande opinião sobre o que lemos e interpretamos.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

O CONSCIENTE E O INCONSCIENTE

"Se compararmos o ser consciente ao ser inconsciente, constatamos que, enquanto o consciente é frequentemente dotado de uma memória muito falha, o inconsciente é, ao contrário, provido de uma memória maravilhosa, impecável, que guarda, sem o sabermos, os menores acontecimentos, os mais insignificantes fatos da nossa vida. E como é ela quem preside, pelo cérebro, o funcionamento de todos os nossos órgãos, dá-se um fato que parecerá paradoxal: se ele julgar que esse ou aquele órgão funcionará bem ou mal, ou julgar que sentiremos essa ou aquela impressão, esse ou aquele órgão de fato funcionará bem ou mal, ou então nos sentiremos com essa ou aquela impressão." (Émile Coué)

A imaginação comanda os nossos sentidos e o nosso corpo, por meio de sua influência é que desencadearemos as nossas ações e até as reações, pois, tudo passará pelo seu comando e ela decidirá o resultado. Se tivermos uma imaginação positiva, consequentemente estaremos prestes a estar felizes e de bem com a vida. Já, se o negativismo pairar em nossos pensamentos estaremos atrasando o nosso ser e colocando barreiras no caminho que temos a seguir. E o inconsciente irá dirigir a nossa vida, muitas vezes indo contra a nossa vontade, pois pensamos uma coisa e ele quer outra, na solução do conflito ele decide e nos domina ao ponto de satisfazer sua vontade. E diante desse antagonismo vamos vivendo e aprendendo sobre os nossos desejos e vontades, mas que as respostas as vezes estão em conformidade com os nossos pensamentos, por outro lado, também somos surpreendidos com resultados inesperados e vindos do poder do inconsciente.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

A TRANQUILIDADE


"Sei que vou encontrar um indiscreto, um ingrato, um grosseiro, um velhaco, um invejoso, um intolerante. Mas esses homens são assim devido à sua ignorância do bem e do mal. Porém eu, compreendo a natureza do bem, que é belo, e do mal, que é o feio, e da natureza dos próprios culpados, meus parentes, não pelo sangue, ou pelo nascimento, mas pela inteligência e pela origem divina, não temo que me causem dano algum. Sei que não me poderão macular feias ações. Não me devo zangar com um parente, tampouco evitá-lo, já que nascemos para colaborar na mesma obra, como os pés, as mãos, as pálpebras, os dentes superiores e inferiores. É contra a natureza a hostilidade recíproca. A cólera e a aversão são hostilidades." (Marco Aurélio)

Se encontrarmos o mal em nossa frente devemos deixar ele se acabar por si próprio ou anulá-lo com o bem, mas nunca respondê-lo ao ponto de agir com maldade, raiva, hostilidade, pois tudo isso o alimentará e o deixará forte. Pelo contrário, é mantendo o nosso bom comportamento e conduta que estaremos livres dele. Mesmo que ele nos persiga, é mantendo a calma e a tranquilidade que estaremos livres dele, basta olharmos a vida com bondade e propagar a felicidade e o amor. O mal nunca vencerá o bem, e com perseverança os bons são vencedores, as maldades não os atingem e se o atingem elas perdem seu efeito com a cura pela bondade.

sábado, 10 de setembro de 2011

MÁS COMPANHIAS

"De resto, esta minha conduta me parece muito mais modesta do que a que costuma ter maior parte dos grandes e dos sábios do mundo. É que estes, calcando o pudor aos pés, subornam qualquer panegirista adulador, ou um poetastro tagarela, que, à custa do ouro, recita os seus elogios, que não passam, afinal, de uma rede de mentiras. E, enquanto o modestíssimo homem fica a escutá-lo, o adulador ostenta penas de pavão, levanta a crista, modula uma voz de timbre descarado comparando aos deuses o homenzinho de nada, apresentando-o como modelo absoluto de todas as virtudes, muito embora sabia ele muito longe disso, enfeitando com penas não suas a desprezível gralha, esforçando-se por alvejar as peles da Etiópia, e, finalmente, fazendo de uma mosca um elefante." (Erasmo de Rotterdam)

Um grande homem não necessita de aduladores ao seu redor, basta exprimir seus pensamentos perante a sociedade. Falsos aduladores caracterizam a falta de originalidade a autenticidade das idéias, junto a uma multidão que foi formada a partir da compra daqueles momentos, onde falsas idéias aplaudidas aparentam ser grandes verdades.

Companheiros sinceros demonstram a verdade que paira em um auditório que aguarda um discurso, não atraídos por qualquer dinheiro que os compre, e sim, pelo prazer de escutar um bom discurso e ouvir grandes idéias e ensinamentos, que saíram de um emissor capaz de formulá-las e estudá-las.

Isso demonstra que muitas daquelas multidões enfeitadas estão naquele determinado local com a finalidade de obter lucro, e não pelo fato de conhecerem a verdade e na busca de ouvir grandes pensamentos de um pensador com um vasto conhecimento, mas ainda é anônimo na sociedade.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

O BOM SENSO

"O bom senso é, das coisas do mundo, a mais bem dividida, pois cada qual julga estar tão bem dotado dele, que mesmo os mais difíceis de contentar-se em outras coisas não costumam desejar tê-lo mais do que já têm. E não é verossímil que todos se enganem a esse respeito; pelo contrário, isso evidencia que o poder de bem julgar e distinguir o verdadeiro do falso, isto é, o que se denomina o bom senso ou a razão, é naturalmente igual em todos os homens." (René Descartes)


Todos os homens sabem fazer escolhas e julgar, alguns de acordo com a razão, outros por eliminação e opção. Independentemente desses fatores intrínsecos e extrínsecos ao homem, sem levar em contas suas virtudes ou vícios, defeitos e qualidades. Quando a relevância é o bom senso, ou seja, o poder de julgar o certo e o bom para ele e para a sociedade, todos os homens vão julgar de forma igual. E qual seria o motivo? De forma muito simples o homem já nasce predisposto a saber o que é bom ou ruim e se é bom ele reconhece, portanto, todos julgam iguais, não importando o tamanho do conhecimento de cada um.

O bom, o certo e o justo estão espiritualmente no homem, basta que ele exprima sua sincera opinião frente aos outros, e assim, seu pensamento vai se assemelhar, e quando a verdade paira na comunicação de forma quantitativa forma uma opinião e decorrente dela vem o bom senso. E cada ele elemento desse conjunto de opiniões sobre os determinados assuntos forma a moral de uma sociedade.

O conhecimento muda a vida do homem, aquele que conhece seus direitos tem o poder de reivindicá-los e diminui as chances de ser engano por pessoas que querem tirar proveito da sua pessoa. Muitas pessoas vivem em situações indignas não porque querem, mas pela falta de conhecimento, e, muitas vezes seu direito é aproveitado por um terceiro ilicitamente, já que, o titular do direito não tem conhecimento do mesmo ou foi induzido ao erro. Uma sociedade de valore morais deve preservar a todos os bons costumes, buscar incluir as pessoas socialmente e podendo usufruir dos seus direitos.