Follow by Email

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A MEDIDA E O LIMITE DO AMOR


 
William Shakespeare
 
 


“Cleópatra – Se me amas verdadeiramente, diga-me quanto me amas.

Antônio – É muito pobre o amor que se pode medir.

Cleópatra – Quero saber o limite do amor que posso inspirar.

Antônio – Então, deves descobrir um novo céu e uma nova terra.” (William Shakespeare)

O verdadeiro amor é o amor de Deus, infinito, ilimitado, impossível de ser medido ou delimitado pelo homem.

O amor de Deus é rico, é puro, é bom, é belo, é abençoado e divino.

O amor que se pode medir é pobre, é finito, é tão limitado que pode facilmente chegar ao fim.

Para se inspirar o verdadeiro amor é preciso conhecer o amor de Deus, descobrir um novo céu e uma nova terra, viver no amor do Pai.

Viver no amor de Deus é viver na verdade, na plenitude e na potência dessa maravilha que emana do nosso Pai.