Follow by Email

sexta-feira, 12 de julho de 2013

A ALEGRIA DOS PEIXES



Chuang-Tzu - Wade-Giles - Zhuangzi - Pinyin - Chuang Tsu - Chuang Tse - Zhuang Tzu
 
Zhuang Tze - Zhuang Tse - Zhuang Tsu - Chouang-Dsi


Chuang-Tzu e Hui-Tzu

Atravessavem o rio Hao

Pelo açude.

Disse Chuang:

“Veja como os peixes

Pulam e correm tão livremente:

Isto é a sua felicidade”.

Responde Hui:

Desde que você não é um peixe

Como sabe

O que torna os peixes felizes?”

Chuang respondeu:

“Desde que você não é eu,

Como é possível que saiba

Que eu não sei

O que torna os peixes felizes?”

Hui argumentou:

Se eu, não sendo você,

Não posso saber o que você sabe,

Daí se conclui que você,

Não sendo peixe,

Não pode saber o que eles sabem”.

Disse Chuang:

“Um momento:

Vamos retornar

À pergunta primitiva.

O que você me perguntou foi

'Como você sabe

O que torna os peixes felizes?'

Dos termos da pergunta

Você sabe evidentemente que eu sei

O que torna os peixes felizes.

Conheço as alegrias dos peixes

No rio

Através de minha própria alegria, à medida

Que vou caminhando à beira do mesmo Rio”.” (Chuang-Tzu)

A liberdade proporciona a felicidade, essa felicidade não pertence a uma única pessoa, mas a um conjunto, pois, sozinho não se pode ser feliz.

Quando os outros estão felizes, nós também ficamos felizes, unidos, ajudando uns aos outros, com bondades e alegrias.

Conhecendo ou não as pessoas, podemos perceber suas alegrias, felicidades, seu estado de paz espiritual, sua bondade.

Quem está nos caminhos do Senhor, recebe paz, amor, alegrias e felicidades, de forma tão intensa, que é possível perceber o estado dos outros seres.